1. Os protestos decorrentes do assassinato de George Floyd por policiais e o racismo institucional na sociedade americana motivaram protestos gigantescos por todo o país. No College Football, além de atletas participarem de protestos, muitos têm vindo a público para explicitar casos de racismo dentro do programa de futebol americano universitário, como ocorrido com um preparador físico em Iowa. Ou cobrarem por mudanças em homenagens a personagens históricos com registros de racismo, conforme solicitado por atletas da universidade de Texas.

Contudo, nesta semana, o assunto ganhou uma nova página, quando a estrela Chuba Hubbard ameaçou não jogar mais por Oklahoma State. O fato se deu após o treinador do programa, Mike Gundy, aparecer em uma foto vestindo uma camisa com a logo da OAN, emissora de TV americana com laços com a extrema direita, que espalha fake news e com âncoras conhecidos por darem opiniões racistas.

“Eu não vou aceitar isso. Essa atitude é completamente insensível a tudo que está ocorrendo em nossa sociedade. É inaceitável. Eu não farei nada com Oklahoma State até que as coisas MUDEM”, disse o RB em um tuíte.

E a atitude de Hubbard foi apoiada por diversos atletas do programa de Oklahoma State, como Tylan Wallace e Amen Ogbongmemiga. Além de Justice Hill, running back do Baltimore Ravens e que fez parte do programa de OSU. Somado a tudo isto, Chuba Hubbard é o principal nome de Oklahoma State no futebol americano. Mas não para por aí. O jogador é um dos melhores em todo College Football e candidato ao troféu Heisman nesta temporada.

Leia também no All College

Trevor Lawrence ou Justin Fields: quem é melhor?

Rudy é muito mais que um filme de futebol americano

Decisão história pode alterar relação entre atletas e NCAA

Objetivo atingido?

Na noite de terça-feira (15), Hubbard fez um vídeo ao lado de Mike Gundy. Com a situação aparentemente mais calma, o treinador fez mea-culpa e prometeu mudanças em Oklahoma State, começando por ele. Chuba Hubbard, por sua vez, prometeu continuar lutando por mudanças na universidade e no programa de futebol americano, mas se desculpou por ter exposto o caso nas redes sociais. Mas, apesar disso, o running back manteve em suas redes sociais a crítica ao treinador.

DEIXE UMA RESPOSTA