Alguns roteiros seguem grudados ao nosso filme de 2021 desde a metade do mês de setembro quando a temporada se iniciou, a defesa entre suas inconsistências parece ter encontrado sua melhor forma e hoje é o grande diferencial da franquia, Myles Garrett segue na disputa pelo prêmio de Defensor do Ano junto a quebra de recordes individuais e da franquia, Clowney mostra o impacto que foi sua contratação e Ward que merece uma renovação, que os jogos da divisão estão sempre complicados e vimos as melhores e piores versões do Browns nesses jogos e não menos importante que mesmo vencendo o estresse aparece até porque somos torcedores do Cleveland Browns e não podemos esquecer disso.

Sempre é mais difícil pós jogo fazer um baita resumo por isso escolhemos apenas desabafar opiniões que foi absorvido do jogo e na reflexão após o jogo e uma delas foi sobre personagens da defesa como Denzel Ward. Embora tenha sofrido com as críticas que já vinham desde a falta de estar bem quanto as lesões e isso ter aumentado após algumas jogadas de passes longos cedidos em sua direção no início da temporada (que não eram nem mesmo de sua total responsabilidade), Ward tem sido de longe o melhor cornerback do time e não só isso, mas seria difícil encontrar cinco cornerbacks que tenham jogado melhor do que Ward nesta temporada. Ele não está apenas dando um “baile” no que diz respeito às habilidades com as coberturas homem a homem, com três interceptações e cinco passes desviados desde a semana 9, mas ele continua a ser muito forte e agressivo no jogo de corrida. Quando Ward está saudável, é difícil encontrar muitos corners defensivos melhores em virar o quadril e ter aceleração para ser agressivo ao portador da bola e essa habilidade Ward vem com ela desde os tempos de Ohio State. A jogada que garantiu a vitória do Browns nesse domingo foi de um hit ao portador da bola com bastante agressividade no tackle dele.

A sua situação de lesões parece ter sua melhor forma na carreira apenas perdendo um jogo até agora, ele joga a nível de Pro Bowl e a projeção futura de estar saudável ao lado de Greg Newsome faz a gente imaginar uma das duplas de CBs mais explosivos da NFL. A renovação é encaminhada a cada semana e os valores se projetam a serem grandes em seu novo contrato. Como desafios finais da temporada regular ele ainda tem pela frente um duelo individual contra Devante Adams e a dupla Chase e Higgins em Cincinnati.

Outro personagem defensivo é Troy Hill. Se não fosse Jadeveon Clowney eu falaria com certeza que não houve adição mais importante pra ess Browns que Hill. Dos pontos mais importantes e cruciais em um time eu olho demais para um corner de Nickel talentoso para cobertura de passe e corrida, e Hill é o grande exemplo do porque essa defesa pode jogar muitas vezes em formação de nickel e não ter grandes medos de jogar com apenas dois linebackers em campo e isso muito pela agressividade de Hill que não transmite medo de procurar o contato desde o finalizar da ação ofensiva adversária. E o Browns tinha problemas quanto achar alguém que fizesse esse plano muito bem, MJ Stewart foi o que mais chegou perto e mesmo assim mostrava muitas falhas a ser esse tipo de jogador para essas formações defensivas.

Tudo foi muito assustador, o jogador falando sobre sua lesão no jogo contra o Patriots o relato faz a gente ficado com bastante felicidade em como tudo aconteceu, entorse no pescoço pode ser bastante perigoso mas a sua recuperação foi bastante rápida e hoje já não existe mais snaps limitados para seu jogo.

O terceiro homem que trago eu poderia fazer um pós jogo inteiro pra ele, um texto com vídeos para analisar individualmente em foco ao seu jogo, quando você vê defensores como Micah Parsons o mínimo de inveja é causada em ti mas nessa temporada me sinto em paz, sereno ao saber o jogador que conseguimos logo depois, Jeremiah Osuwu Karamoah. Por todo o caminhar do dilema que é o Browns querer parar Lamar Jackson sempre foi buscado um jogador como ele a ser a resposta individual que poderia fazer o trabalho duro no foco ao quarterback e JOK foi exatamente isso principalmente no segundo confronto contra ele, John Johnson na entrevista de quinta falou sobre ele o classificando como “parece um furacão por todo o campo, só dá pra sentir o vento dele correndo em direção a onde existe uma bola”.

Karamoah terminou empatado em segundo lugar na equipe com 12 tackles combinados e meio sack, mas acima de tudo, ele estava sempre alinhado pelo campo central de olho aos movimentos de Lamar, em chamadas de blitz leu muito bem todos os momentos de espaço para atrapalhar o QB, por mais que existia a cobertura contra RBs e Wars seu trabalho primário era ficar de olho em Lamar e quando o Browns o selecionou na segunda rodada do Draft era pensando em seu uso contra caras como Lamar, Murray, Mahomes ou Allen. O calouro está entregando tudo que o Browns projetava a ele em velocidade bruta, habilidade de tackle, uma blitz explosiva, alcance de lateral a lateral e excelentes instintos de leitura de trincheira.

Acima da covid positiva, lesão após levantamento de peso errado e entorse no tornozelo que o fez perder alguns jogos a sua versão sem nenhum desses empecilhos é o que a gente assistiu esse domingo a tarde.

Por último defensivamente é preciso também um texto inteiro para o resumir a cada semana. Neste domingo como complemento a sua briga pelo o prêmio de melhor jogador defensivo do ano ele teve uma jogada impactante a colocar na balança, um sack onde se forçou um fumble e logo em seguida ele mesmo retornou para touchdown. Após essa partida o jogador chegou a 15 sacks na temporada, recorde de um jogador individualmente em uma só temporada dentro da franquia. Garrett registrou 57,5 sacks na carreira em 64 jogos sendo o único jogador na NFL a registrar mais sacks em seus primeiros 64 jogos na carreira foi o Hall of Fame Reggie White com 72,5 sacks. Com 168 jogos a menos do detentor do recorde ele pode bater o recorde de mais sacks como jogador do Browns na história da franquia ainda essa temporada, faltam apenas 5 sacks para ele chegar na marca de Clay Matthews.

Myles Garrett “desafiou” o time a estar mais focado na sexta feira para a decisão e podemos dizer que o Browns no geral respondeu bem. A defesa do Browns cedeu apenas uma conversão de terceira descida de 12 tentativas. A defesa teve problemas com Mark Andrews cedendo tres das quatro conversões de quarta descida mas a última selou o jogo. O ataque converteu seis de suas 13 oportunidades de terceiro descida, com três deles vindo em seus dois momentos onde houve o touchdown. Isso provou ser o suficiente para vencer o jogo.

O ataque evoluiu, Landry vem de duas grandes semanas, Hooper teve mais um jogo seguro, o ataque finalmente mostrou melhor desempenho em terceira descidas e produziu confortavelmente na primeira meia hora de partida. Mayfield realmente parecia bem fisicamente, teve calma para situações de colapso do pocket, sua precisão estava boa e conseguiu “alimentar” seus homens contra uma secundária devastada por lesões como era a do Ravens mas o Browns ainda precisa mais de seu quarterback e de seu ataque.

Sem dúvida, Mayfield teve um bom dia, !9 entanto, ainda faltam jogadas que façam mais a diferença por trás do seu braço. A falta de grandes armas ofensivas em David Njoku, Harrison Bryant e Anthony Schwartz que estavam de fora desse jogo, e com Hunt deixando o jogo mais cedo certamente não ajudaram Mayfield. O ataque marcou apenas 17 pontos (nenhum no segundo tempo), e Mayfield lutou para encontrar ritmo no segundo tempo, especialmente na reta final. Depois de iniciar o jogo com 14 passes de 16 tentados para 126 jardas e dois touchdowns, Mayfield terminou apenas 8 de 16 para 64 jardas e uma interceptação. O Browns vive uma seca de pontos em último período, são apenas 7 nós últimos 8 últimos períodos. O jogo quase vai para um final trágico quando cedemos um onside kick (Ravens não convertia um onside kick desde 2001) onde dariamos a chance do Ravens colocar um dos maiores kickers da história pra chutar ainda.

Consistência tem sido o problema para o quarterback do Cleveland, e hoje não foi diferente. Depois de começar quente no jogo aéreo, a falta de calma no footwork e na progressão de passe voltaram a aparecer no final do primeiro tempo e nunca mais foram embora neste domingo. Este jogo foi um passo na direção certa para Mayfield, ainda após a regressão ao longo do jogo, como os Browns precisam acumular vitórias, Mayfield precisará acumular semanas boas a continuar a melhorar.

Como sempre gosto de citar esses pequenos detalhes do jogo, o Punt que vinha sendo uma tecla que eu apertava a criticar teve um resultado surpreendente mas que possa trazer finalmente minha calmaria a essa situação. Após Jamie Gillan ter perdido o jogo ontem por causa que testou positivo par a COVID-19, os Browns contrataram o veterano Dustin Colquitt e não é preciso dizer que parece inimaginável que os Browns voltem com Gillan no sábado após a atuação de Colquitt em seu primeiro jogo como punter do Browns.

Colquitt teve dois Punt sendo colocados na linha de uma jarda um bem sucedido e o outro por um triz não houve também sucesso já que a bola escorregou das mãos do defensor do Browns. Dustin não tem a perna mais forte do mundo, sua média não é das maiores no topo desse quesito entre os punters da liga mas sua média em bola dentro da RedZone com precisão de onde ela chegará o ajuda. Ao todo, Colquitt chutou cinco vezes, acertando a bola dentro da linha de 20 jardas duas vezes e quase uma terceira por falta de algumas jardas. Neste ponto, não deve haver dúvida de quem dá aos Browns a melhor chance de virar o campo. Ao Gillan sempre nosso amor estará com ele pelo personagem carismático, com seus longos cabelos e seu amor por cerveja mas temos que seguir em frente.

DEIXE UMA RESPOSTA