Sempre fui viciado em fazer analogias com o mundo cotidiano e os relacionamentos da sociedade com a NFL, analogias com traição, romance, amizade entre outros e o quão melhor é fazer uma referência do mundo a essa novela Odell Beckham Jr em Cleveland. Um precisava do outro desde sua chegada em 2019, Odell era um recebedor de mais impacto saindo do seu contrato de calouro e precisava de um local onde próspera se e o Browns estava lá como um time se reestruturando mas pensando já em dar o próximo passo a ser um time nível playoffs. E aqui começou a paixão do novo namoro onde o apoio, a projeção e o clima era perfeito e o amor tá lá para ser um sustento a fases ruins, nesse namoro os dois passaram já por um cenário caótico. Freddie Kitchens e Todd Monkey no comando desse ataque trouxe desorganização, um Browns que tentou caminhar no meio de uma péssima progressão, isso afetou até a química entre Odell e seu quarterback que também tinha acabado de chegar do college e ainda não tinha um HC decente atrelado a ele.

Mas é isso a fase ruim e o que estava no entorno disso tudo era o culpado, o 2020 estava chegando, o primeiro ano que poderia se pensar nos playoffs onde relaciono no casamento que o Browns tanto sonhou, com um front office diferente, uma melhora nos setores do time e assim se caminhou a última temporada com Odell não produzindo nenhum jogo para mais de 100 jardas, Baker estendia teu jogo sem ter uma dependência dele, Odell teve impacto direto na vitória contra o Cowboys mas ainda faltava algo, pela primeira vez começamos a pensar no declínio daquele OBJ que estava no Giants até que chegou a lesão. Odell ao tentar recuperar uma interceptação rompeu o LCA onde faria ele perder toda a temporada, um impacto imenso para o que seria o restante de 2020.

Mas tudo ficou muito pensativo quando o Browns precisou caminhar sem Odell e conseguiu chegar aos playoffs, Cleveland viajou pela pós temporada, conseguiu ser feliz nela batendo o Steelers e quase batendo o Chiefs sem precisar de Odell, o quarterback jogou seu melhor futebol, de uma maneira menos pressionada a ter que “alimentar de passes” o WR1 e o ataque em um geral se mostrou na não dependência do talento de OBJ. Será que ainda existia aquele amor de 2019? Será que realmente era esse o relacionamento que tanto sonhávamos? As respostas viriam em 2021 com um Browns ainda mais forte, sendo um time de patamar de chegar na pós temporada, com Baker indo para o segundo ano dentro do mesmo sistema e com Odell retornando de maneira saudável da sua grave lesão.

E o amor acabou, acabou de uma maneira onde a última esperança começasse a fugir e a realidade nua e crua fosse engolida por quem ainda vivia em um mundo fantasioso, Odell ainda teve dois jogos com mais de 70 jardas, um deles onde poderia ter chegado a 100 jardas e ter feito TDs após péssimos lançamentos do Mayfield mas fora isso o pensamento de que não precisávamos mais dele estava nítido, em uma derrota de 47 a 42 ele ter apenas 3 passes para 20 jardas ou em um confronto direto de divisão como domingo passo ele ter apenas 1 passe para 6 jardas foi a verdade passando em nossa frente.

O final de sua passagem por Cleveland foi caótico, uma insegurança quanto a drops em momentos cruciais do jogo, a pressão midiática quanto ao Mayfield não estar tentando passar para ele, movimentos corporais de alguém que parecia não estar mais no sentimento que a cidade de Cleveland precisa, e a relação só piorou quando após o fechamento da janela os rumores era do seu pai postar um vídeo onde culpava Mayfield de prejudicar seu filho dentro de campo. De terça até hoje a situação chegou ao mais crítico possível, era um Odell que não queria mais Cleveland, onde os jogadores até aceitariam ele de volta mas ele em si já não fazia mais parte do time, não houve ligação com Stefanski ou Baker para se resolverem, só havia um Browns o liberando dos treinos e tentando já pensar em como controlar isso tudo. E o Browns escolheu colocar sua cultura como franquia acima de um atleta.

Mesmo que Odell Beckham Jr estivesse certo em partes das críticas ao ataque, a maneira como ele lidou com a situação tornou impossível para a equipe fazer qualquer coisa além de trabalhar para cortar os laços com ele e seguir em frente e Beckham sabia disso quando coordenou um ataque passivo agressivo contra Baker e Stefanski. É decepcionante que o seu potencial nunca tenha sido despejado no Browns, mas particularmente este ano, nunca pareceu que ele realmente estava lá querendo estar.

Odell desde a vinda mostrava que não era o seu sonho, ele mesmo citou em uma entrevista que a troca o pegou de surpresa, que estava triste de deixar Nova Iorque, Odell não ligou para seu pai concordando e botando “lenha na fogueira” quanto ao vídeo postado e não o pediu para ser apagado, Odell não mandou Lebron se afastar do caso quanto a um favorecimento a ele quando a briga midiática entre Odell e Baker.

Nunca estiveram na mesma química

Já vimos esse filme acontecer muitas vezes antes. O próprio Browns torna uma situação ruim ainda pior, o que faz as coisas ficarem ainda mais caóticas e o vestiário se divide. A turbulência termina depois de uma temporada ruim onde o time perdeu o psicológico e então o ciclo se repete. Desta vez as coisas foram diferentes e todo o objetivo do Browns construir uma estrutura organizacional sólida para combater esse tipo de situação parece ter dado certo. O gerente geral Andrew Berry e o técnico Kevin Stefanski foram elogiados pelo desempenho da equipe em campo mas também pela gerência nós bastidores.

Os rumores foram que desde quarta Stefanski se reuniu com o elenco para avisar que Odell já não fazia parte do elenco, onde a cultura da franquia acima de qualquer jogador de uma maneira que o coletivo precisa ser colocado como prioridade. Stefanski e Mayfield em suas entrevistas essa semana tentaram de todas as maneiras deixar tudo isso internamente a ser resolvido, o grande objetivo é controlar todo o cenário para que se pense mais no jogo de domingo do que se apegar apenas ao caso Odell.

Com Beckham fora dos planos, o ataque pode se concentrar em jogadores como David Njoku, Donovan Peoples-Jones, Jarvis Landry e o talentoso backfield além dos novatos Anthony Schwartz e Demetric Felton que vão ter mais snaps. Há muito tempo se pensa que Baker Mayfield está melhor sem Beckham Jr. e a pressão absurda da mídia de que ele precisava lançar muito em direção dele. Essa narrativa será vista durante o resto da temporada e pode provar estar certa na melhor das hipóteses, ou errada se as coisas não fluírem como aconteceu no pós lesão de OBJ em 2020.

Um Baker sem estar pressionado a atingir passes no Odell se mostrou um melhor quarterback

De todas as polêmicas Odell vai embora mais uma vez de uma franquia onde a torcida sai brava com o próprio, isso não é mais reflexão e sim fato, as vezes a culpa é só dele e apenas dele. Quando se transforma uma temporada aonde a derrota para o Steelers já causou alvoroço em mais caótica ainda por questões extra campo é preciso cortar o mal pela raiz rapidamente. O Browns é um time 4-4 a um jogo de voltar a uma das vagas aos playoffs e tem o Bengals num confronto direto visando a liderança futura da divisão. A NFL as vezes precisa esperar o mês de novembro para realmente saber quem serão os lutadores para chegar na pós temporada e o Browns usará o mês de novembro para se provar ou falhar e desistir da temporada.

A equipe mais uma vez não capitalizou no início e vai ser preciso ter uma sequência de vitórias, além do Bengals a equipe tem jogos contra Lions e Patriots onde a vitória é muito favorável antes de ter dois jogos cruciais e diretos contra o Ravens separados por uma bye week. Quando se acabar essa sequência todo esse estresse pode ter passado, Mayfield ter evoluído e o Browns ter se mostrado novamente um time que vá brigar forte em janeiro, ou após essa sequência de jogos o Browns pode desistir de 2021.

Os próximos 4 jogos são o “jogo da vida” para essa franquia, agora entendemos que um Odell não se pode causar isso tudo durante uma semana inteira e a gente ainda acreditar que ele possa voltar, o Browns precisava amenizar a situação e conseguiu mas a história estará atrelada no caminhar das coisas, quanto a produção do Mayfield e a produção ofensiva, se o próprio Odell ir para outro time sempre o seu rendimento será levado a ser relacionado com Cleveland, a mídia que tanto quis proteger Odell em pró de continuar uma perseguição acima do nível com Baker vai continuar em cima de tudo que acontecer.

Um bom take foi da repórter Aditi Kinkhabwala da NFL Network que quero deixar com vocês e acabar com esse assunto: “O Browns usa um ataque de ritmo e precisão de momento isso significa que Baker Mayfield lança para um ponto específico em um tempo específico e só porquê você vê um recebedor que talvez, parece estar livre de marcação esse pode não ser o ponto específico onde ele deveria estar no momento onde e deveria exatamente estar. Sempre existe dois lados da história e se apenas um lado está publicando coisas nas redes sociais vamos lembrar que deve existir um outro lado importante na história”.

O inferno que envolveu tudo com a história do OBJ em Cleveland acabou e agora podemos se preocupar de uma maneira mais leve quanto ao futebol americano.

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA