Grant Delpit, safety de LSU iniciou nossas escolhas do segundo dia

O Browns completou seu Draft 2020, saímos satisfeitos do início ao fim, incrívelmente parece uma normalidade em Cleveland fazer escolhas inteligentes e não estamos acostumados com isso mesmo haha, foi escolhido talentos, pensando no melhor jogador avaliado disponível na pick e em outros momentos escolhas que priorizaram o novo e futuro esquema, posições que precisam de rotação ou pensar logo logo no futuro. Um trabalho não perfeito porque é uma loteria e o resultado final será visto nós próximos anos, mas hoje a projeção é muito boa e esperançosa e por trás disso tem Andrew Berry, Paul DePodesta e Kevin Stefanski no comando de um Browns mais controlado, equilibrado e parecido em suas ações com times organizados que pensam seriam em pós temporada. E aqui estamos para falar das picks a partir da segunda rodada em diante, muito do que será visto foi de opinião própria e particular mas também atrelado a opiniões de análises de quem trabalha com isso, claro com um toque especial de vídeos para explicação, do jeito que todos já conhecem e foi feito com nomes dos principais OTs da classe antes do Draft.

Delpit já tinha sido observado por todos desde 2018, o seu grande ano, a temporada de impacto onde era visto com bons olhos como num Draft futuro um sonho de consumo alto. A segurança rápida e física estava em todo o campo para os Tigres. Assistindo a fita da LSU, Delpit pulou da tela e ordenou aos espectadores que notassem naquela mesma temporada, Delpit obtendo 74 tackles, 9,5 tackles pra perdas de jardas, cinco sacks, nove passes rebatidos e cinco interceptações. Ele mostrou uma excelente combinação de tamanho e velocidade para fazer a diferença na segurança no níveis profissionais. Esse jogo impressionante e de alta qualidade, juntamente com seu conjunto de habilidades, fez com que as equipes da NFL pensassem que ele tinha o potencial dos 20 melhores para sua classe de draft.

Quando jovem, Delpit não foi tão prolífico na folha de estatísticas, LSU o moveu mais por todo o campo e ele não jogou tão perto da linha de scrimmage. Além disso, os Tigers colocaram Delpit para passar mais tempo na cobertura com equipes forçadas a passar e jogar por trás, isso o prejudicou no total de tackles e outras métricas. mas ele também não jogou tão bem no primeiro ano em comparação a 2018 e esse foi sua queda para o segundo dia do Draft, essa queda em seus números, prós e contras evoluindo, em 2019, Delpit registrou 59 tackles, duas interceptações, um sack e sete passes batidos.

Aquele 2018 não sumiu, seus pontos de projeção em seu jogo continuam e continuaram fazendo ele evoluir junto a defesa de LSU, ao mesmo tempo 2019 trouxe problemas em seu jogo, estamos tratando de um jogador jovem e em nível universitário, entregando jogadores de alto nível e seus “defeitos” apareceram junto a mais responsabilidade nesse time. Delpit tem potencial na defesa de passe, ele é um blitzer perigoso e hábil em buscar o quarterback. Na cobertura, o Delpit pode ajudar de várias maneiras porque tem velocidade para cobrir o solo, mas não tem grande alcance para ser um defensor central profundo

No momento decisivo, ele não errou nenhum tackle nos playoffs do college

Delpit parece mais natural e confortável jogando de Strong Safety, mas ele jogou um pouco de Free Safety na faculdade, ocasionalmente como FS ele reagia tarde demais a passes profundos e/ou fazia um ângulo ruim no campo, por isso, ele é mais natural com SS. Ele se alinhou em todo o lugar para a LSU em 2018 e 2019, incluindo FS, então ele tem alguma experiência em várias posições do campo. Como defensor contra corrida, Delpit é um colaborador, ele usa seus instintos para atirar na bola e fazer jogadas mas aí vem a grande crítica que vimos durante essa sexta e durante toda o pré Draft, em 2019, Delpit perdeu muitos tackles e não jogou os atacava com boa força em vários dessas perdas, então ele precisa melhorar isso para o próximo nível, precisa se tornar mais um safety de força e criar uma agressividade a mais na força e mentalidade de como finalizar a jogada.

Delpit pode se tornar o safety sólido que esperamos, precisamos mais do equilíbrio do Delpit de 2018 do que o de 2019 mas o seu último ano precisa ser absorvido principalmente sua atuação nos playoffs, quando o momento que mais precisava ele teve jogos de bastante produção e fator. Vamos ver alguns pontos de seu jogo agora com vídeos para entender melhor:

Falamos de seu instinto a procura do quarterback, a sua leitura e jogar perto da linha de scrimmage foi algo que em 2019 foi bom para ele

Sua cobertura a jogo de passe é o seu ponto forte, cobrindo uma rota/jogador ou apenas cobrindo os olhos do quarterback, não precisou de estar perto de um adversário para cobrir a rota da bola

Sua base de fazer tackles as fez foge do lado da luta de força e vai para a técnica, Deptir é o famoso “mordedor de tornozelos” e usa várias vezes disso como seu atributo para finalizar jogadas

Essa escolha de fazer tackles assim algumas vezes falha e muito, faz ele errar o adversário, causa um ganho de algumas jardas ou perde miseravelmente no físico como aconteceu com o novo WR do Ravens Devin Duvernay onde destruiu Delpit na tentativa dele

Delpit e seu talento no jogo de cobertura pode levar ele a ser um safety consolidado na NFL, instinto, visão e agressividade nessa cobertura aérea é o que chama a atenção ele EM 2018 E 2019

Jogo aéreo que é bom, irá precisar se adequar ao próximo nível e seu jogo profundo podendo ser mais pedido como LSU precisou as vezes, em seu jogo de tackles tem seus defeitos que foram levados durante toda sua carreira no college mas como o próprio disse isso irá se resolver, nos playoffs ele mostrou que sim, saímos com uma posição que estávamos precisando muito e com um steal pela ação de descer na segunda rodada, acumular picks e mesmo assim sair com alguém como Grant Delpit

Passamos alguns vídeos que explicam seu jogo e colocamos uma dica de uma análise em vídeo maior do jogador : https://youtu.be/Tr1G0WPul4M

DEIXE UMA RESPOSTA