A temporada de 2020 se foi, todas as histórias que se formaram ainda se mantém como um processo para o futuro mas agora é a hora de pensar na próxima temporada. Estamos a menos de dois meses do Draft, um evento que tem praticamente um foco ao Browns tratar como essencial e que seria jogadores de defesa. Precisando de jogadores em todos os setores a continuar um processo na área, falaremos durante o caminhar sobre os Cornerbacks, Safeties, Linebackers e Defensive Ends que estarão vindo para a seleção e que poderão ser opções do Browns em maio.

Para iniciar as análises fizemos uma enquete no twitter sobre qual posição deveríamos começar e a de Linebackers ganhou com uma grande %, não necessariamente a posição seja a de mais importância a selecionar um jogador. O Browns de dois anos para a atualidade se livrou de um setor seguro para um processo de reformulação para a área de LBs, eles deixaram Joe Schobert ir para outro território e cortaram Christian Kirksey no final da temporada de 2019, sinalizando uma nova direção para o setor. B.J. Goodson assinou por um contrato barato de um ano, Jacob Phillips foi selecionado no final da terceira rodada após uma troca e Malcolm Smith foi contratado após uma lesão no Training Camp de Mack Wilson.

Esse grupo, junto com Sione Takitaki, trabalhou através do alto número de lesões para ter uma campanha digamos de nível mediana. A defesa era ruim como um todo e, embora os LBs não possam ser classificados como “bons”, eles não eram o maior problema defensivo do time. Cada linebacker tinha um papel designado a tentar se sobressair no seu ponto mais positivo, Takitaki parou a corrida no limite da linha de scrimmage sendo alguém bastante físico, Goodson chamou muito bem a proteção do campo pelo meio, Smith foi a principal cobertura externa para passe, Phillips e Wilson forneceram alguma velocidade a serem importantes para a produção de tackles, mas cada jogador também tem grandes falhas.

Goodson e Smith poderiam potencialmente ser recontratados, mas se eles estivessem ganhando algo mais do que seus salários de 2020, seria melhor seguir em frente. Phillips jogou com MIKE na LSU e deu call enquanto Goodson estava lesionado, o seuu teto é muito mais alto do que o de Goodson, e mesmo que ele cometa mais erros, sua velocidade e instintos tornam isso uma troca positiva. Phillips e Takitaki, como os dois únicos LBs que obtêm potenciais significativos para começarem a “tomar conta” dos seus setores.

Joe Woods pensa em futuramente montar uma defesa que apresenta apenas um LB em campo, isso não vai acontecer tanto na prática na próxima temporada, porque Cleveland ainda não tem uma secundária que gere confiança, mas jogar níquel em tempo integral é inteiramente possível e, de fato, necessário para lutar contra Kansas City ou Buffalo por exemplo. Os Browns precisam pensar em linebackers atléticos e velozes, jogos como o MNF do último ano contra o Ravens onde faltou velocidade para parar Lamar Jackson é uma prova disso, rápido, um LB capaz de fornecer suporte no jogo de corrida, mas, acima de tudo, sólido em cobertura e aqui começamos a falar de certos nomes que possa encaixar com o que essa defesa pede.

Linebackers que o Browns pode olhar na pick 26: 

Jeremiah Owusu-Koramoah – Notre Dame

JOK é um tipo de linebacker decididamente diferente do Parsons. Na verdade, não seria surpreendente se as equipes da NFL avaliassem ele com suas 215 libras como uma Safety em suas defesas, porque a posição que ele jogou na Notre Dame era mais parecida com um slot corner na NFL do que qualquer outra coisa, e o Browns poderia olhar para ele como um achado para a área de seguranças. Se pensarmos no último Draft tínhamos Isaiah Simmons e Jeremy Chinn, jogadores que eram versáteis a ponto de haver uma dúvida de quem os escolhessem entre LB-S.

Sua passagem por Notre Dame se classificou como uma reviravolta, logo em sua primeira temporada ele quebrou seu tornozelo e ficou de fora de todos os jogos, disso para se mostrar nos dois anos seguintes um dos mais atléticos da posição dentro do país. Na abertura da temporada contra Louisville, ele estabeleceu um recorde de sua carreira com nove tackles, um número que ele viria a bater em seis ocasiões. Ele em 2019 sempre produziu gradativamente bem até terminar o bowl contra Iowa com quatro tackles para perda de jardas, três sacks e um fumble forçado em uma vitória dominante com uma grande apresentação coletiva da defesa dos Fighting Irish.

Tudo foi um aperitivo para o que viria em 2020 onde registrou Ele registrou 62 tackles, 11 tackles para perda de jardas, três fumbles forçados, duas recuperações de fumble e 1,5 sacks. O jogo que os holofotes finalmente apareceram para ele foi contra Clemson com um fumble forçado que ele recuperou para um touchdown onde o cenário era uma defesa fazendo a vida de Trevor Lawrence a pior naquela tarde.

 

Os prêmios individuais apareceram também como forma de apresentar o produto para um futuro Draft, ele foi nomeado Jogador de Defesa do Ano do ACC, também levou o prêmio Dick Butkus como o melhor linebacker do futebol universitário.

Você não pode discutir seu perfil para a NFL sem citar seu lado explosivo, um termo que foi bastante usado para o resumir no colégio era de  “disparada de uma bala de canhão”. No entanto, ele combina explosividade com velocidade genuína, Owusu-Koramoah não tem apenas rapidez em áreas curtas já que ao longo de sua carreira na faculdade, ele demonstrou velocidade de lateral a lateral. Além disso, ele tem uma velocidade longa o suficiente para perseguir os carregadores de bola pelo campo.

Um dos pontos de explosão o fez ser usado bastante vezes em alinhamento para blitz, seus instinto rápido a aceleração ao Quarterback ou ao Running Back fez com que ele esteja em importantes momentos do jogo nesse impacto em sack ou tackles para perda de jardas.

 

Já na área de cobertura de passe, seus instintos futebolísticos ajudam a colocá-lo em posição de fazer um bom papel nesse quesito. Sua experiência em jogar na posição de Safety é demonstrada por vários rompimentos de passes e não é exagero dizer que ele tem as melhores habilidades de cobertura de qualquer linebacker nesta classe.

 

A NFL se preocupa demais com medidas e ele com 6’1 ″ e 215 libras, não tem o tamanho ideal para jogar como linebacker em tempo integral na NFL. Ele poderia se beneficiar ao adicionar um pouco de peso para enfrentar running backs e recebedores mais físicos. Se ele adicionar esse peso extra, ele precisará adicioná-lo sem prejudicar sua explosão e velocidade.

Outra preocupação é com seu uso na NFL. Embora os Carolina Panthers tenham utilizado Jeremy Chinn bem nesta última temporada, os Arizona Cardinals não tiveram tanta paz e lutaram para encontrar o melhor uso para Isaiah Simmons. Owusu-Koramoah pode enfrentar esses mesmos problemas. Em última análise, seu sucesso será baseado em encontrar uma equipe que saiba como usá-lo da melhor forma.

PFF em seu guia sobre os prospectos nos mostrou o quanto ele é versátil, muito dividido em snaps cobrindo passe e corrida e um aumento de snaps em Pass-Rush

Em sua última temporada Owusu-Koramoah teve 331 snaps como slot corner, 222 snaps no box, teve 88 snaps se alinhando junto com a linha defensiva. Ele pode ser bastante usado em off-the-ball algo que os Browns precisam de alguém com essa característica mas ele não poderia apenas se manter nisso, a sua versatilidade precisaria ser ativada em mais funções e esse é o grande desafio.

Zaven Collins – Tulsa

Uma perspectiva relativamente desconhecida que hoje está na conversa de um prospecto de primeira rodada após uma temporada produtiva de 2020. Um ex-recruta três estrelas de Hominy, Oklahoma, onde estudou na Hominy High School. Ele foi o recruta 2.142 classificado no ciclo de 2017, de acordo com 247 esportes. Um jogador que trabalhou sem holofotes durante toda a carreira para hoje se tornar um candidato de ser um dos melhores jogadores defensivos desse Draft competindo de igual pra igual com Micah Parsons e Owusu-Koramoah na posição de linebacker.

Vindo de Hominy, Oklahoma, Zaven Collins teve o benefício de estar perto de casa. A menos de uma hora de sua cidade natal ficava a Universidade de Tulsa. Collins não recebeu nenhum interesse no Power Five como um linebacker menos atlético, de 1,80 metro e 100kg. Mas uma oferta de Tulsa era tudo que ele precisava já que não tinha ficado nem no top 2000 de prospectos do país. Collins então aceitou a oferta assim que chegou a ele e se inscreveu em Tulsa em 2017.

Precisando adicionar peso, Collins não esperava já ter um grande passo em sua primeira temporada e sim ter um ano com evolução física e ganho de confiança no time. Depois de estar como reserva nos primeiros dois jogos de Tulsa em 2018, Collins foi promovido a titular. Ele decolou com ele. Em dez partidas, ele registrou 85 tackles no total, 9,5 tackles para perda de jardas, 1,5 sacks, uma interceptação, três desvios de passe, um fumble forçado e uma recuperação de fumble.

Por seu sucesso inicial, Collins foi considerado um Freshman All-American, e as expectativas aumentaram em 2019. Collins atendeu a essas expectativas com evolução em seus números individuais. O linebacker de Tulsa começou todos os 12 jogos, acumulando 97 tackles no total, 8.0 tackles para perda, 2.0 sacks, três deflexões de passe e uma recuperação de fumble. Ele ganhou honras All-AAC de segundo time por seu jogo. Por mais impressionante que fosse, o melhor ainda estava por vir para Collins.

Mas foi 2020 que fez com que o país enxergasse de vez Collins rumo a começar a cogitar ele como um jogador de primeira rodada, poucos jogadores fora do Power Five conseguem ter uma reviravolta desse jeito na carreira. Em oito jogos, Collins fez 54 tackles, 7.5 tackles para perda, 4.0 sacks, quatro interceptações, dois desvios de passe, dois fumbles forçados, um safety e uma recuperação de fumble.

Zaven Collins ajudou Tulsa a ter depois de alguns anos uma campanha positiva ao fim da temporada, mas também foi um ano grandioso em conquistas dele mesmo, não só ele foi uma seleção All-AAC da primeira equipe, mas também recebeu a honra de estar no primeiro time All-American, ao lado de Jeremiah Owusu-Koramoah e Joseph Ossai. Em 23 de dezembro, o linebacker de Tulsa foi anunciado como o vencedor do Prêmio Bronko Nagurski que é concedido ao melhor defensit do país a cada ano. Collins se junta a um grupo que inclui Aaron Donald, Luke Kuechly, Ndamukong Suh e Chase Young, como vencedores anteriores.

Olhando para seu perfil físico, fica claro por que Zaven Collins é uma perspectiva boa fisicamente. Collins tem 1,80 m de altura e 260 libras, com um comprimento decente para seu tamanho. Collins pode moldar seu jogo em torno de várias qualidades, principalmente sua explosividade

Na defesa contra corrida, a explosão de Collins permite que ele seja intenso nos corredores e que permita se adiantar em sua cobertura. Por meio desse processo, Collins tem uma boa percepção dos ângulos, sua fisicalidade e força permitem que ele finalize as jogadas no ponto de contato. Embora Collins não tenha velocidade máxima, ele tem o suficiente para ser uma ameaça em sua perseguição.

 

Collins gradativamente durante os anos aumentou seus snaps em cobertura de corrida, em 2020 principalmente ele alinhou 570 snaps dentro do box e em segundo lugar apenas está seu alinhamento na linha defensiva com 39 snaps. Ele precisa ser mais dominante na questão de tackle, mostrou em sua fita que tem as características para ser alguém cada vez mais experiente nesse quesito mas perde muitos tackles por não conseguir finalizar ele.

 

Existe uma característica atlética que gera uma preocupação que é a sua velocidade. Como mencionado anteriormente, Collins tem uma habilidade eficaz definida em perseguição com seu comprimento, no entanto, o linebacker de Tulsa não tem exatamente alcance de elite. Sua velocidade provavelmente será em torno de 4.7s. Collins é mais eficaz em curtas distâncias e ele nem sempre tem o alcance para chegar em jogadores de um lado do campo a outro.

Seu jogo contra passe é bastante bom, de uma maneira que não é um problema visível mas também não é uma grande qualidade, um trabalho estável, por ter mãos pesadas, sua marcação é impactante em não deixar território e ganho físico, o grande problema é estar contra grandes rotas onde novamente o problema da velocidade pode estar gerando dificuldade em sua cobertura.

 

A esta altura, Zaven Collins é um candidato genuíno de estar no primeiro dia do Draft. Existe a possibilidade de que ele escorregue para a rodada 2. No entanto, Collins é altamente cotado por todas as questões físicas boas para a sua posição algo que a NFL presta atenção, sua velocidade deve ser bastante olhada por todos nos testes finais antes do Draft e com isso esse problema pode ser levado para lado por causa dos seus pontos positivos. Ele tem o suficiente em sua caixa de ferramentas para compensar.

Linebackers que o Browns pode olhar a partir da segunda rodada :

Jabril Cox – LSU

Os jogadores raramente dão um salto institucional tão grande como Jabril Cox deu em sua temporada sênior, Cox teve muita luta por sempre estar longe de holofotes. Depois de redshirting seu primeiro ano com o Bison, Cox jogou em todos os quinze jogos como um calouro. Ao longo da temporada de 2017, ele registrou 75 tackles no total, 13 tackles para perda de jardas, 4,5 sacks, uma interceptação, um fumble forçado, quatro passes desviados e três recuperações de fumble. Ele foi nomeado o Estreante do Vale do Missouri e Calouro do Ano nessa temporada.

Os números melhoraram em 2018 e em 2019 as suas estatísticas individuais explodiram para o maior pico na carreira, estrondosos números como o de 258 tackles, 32 tackles para perda de jardas, 14 sacks, seis interceptações e 18 passes desviados. Mas ainda faltava o último passo em sua carreira no College, ele poderia já ter se declarado para a NFL mas escolheu mostrar mais um e último ano no mais alto nível de futebol universitário.

Depois de se formar no estado de Dakota do Norte na primavera de 2019, ele pretendia fortalecer seu estoque de Draft da NFL com um ano de competição no nível FBS. Assim, ele entrou no portal de transferência como uma transferência de graduação e imediatamente perseguido por duas das melhores equipes da SEC: Alabama e LSU.

Em sua única temporada na SEC, Cox se destacou em uma defesa da LSU que regrediu no geral. Em dez jogos, Cox pegou 58 tackles no total, 6.5 tackles para perda de jardas, três interceptações, uma pick-six e cinco passes desviados. Cox foi nomeado semifinalista do Prêmio Butkus, concedido ao melhor linebacker do país.

O Draft desse amostra repleto de talentos impressionantes de tamanho com velocidade no setor de linebacker, e Jabril Cox faz parte desse grupo. Medindo cerca de 6’4 e 231 libras, Cox tem traços atléticos atraentes para combinar com sua estrutura imponente.

O maior cartão dele atléticamente, é sua explosão. Cox acelera rapidamente, e sua explosão em linha reta pode criar problemas para jogadores que demoram a agir, essa característica ajuda ele a ser muito ativado no Pass Rush. A sua capacidade de cobrir terreno rapidamente também ajuda na cobertura. Lá, ele tem as características de hawk na frente de rotas curtas e intermediárias, e ele obteve grande sucesso fazendo isso, como evidenciado por suas nove interceptações de carreira.

Cox também traz agilidade lateral sólida mas que encontra problema as vezes com mudança de direção, a velocidade funcional dele também impressiona. Alguns defensores têm excelente capacidade de explosão, mas atingem o limite muito rapidamente e não têm velocidade para continuar uma perseguição. Cox, no entanto, consegue manter a média de velocidade abaixo de 5.0 em corrida reta.

Como você pode esperar, Cox ainda é relativamente cru como uma perspectiva do Draft da NFL. Vindo da FCS e passando apenas um ano na FBS, ele ainda tem uma curva de aprendizado para ele, no seu único ano em LSU no mais alto nível encontrou problemas jogando contra ataques de maior nível. Cox precisa aprender como consertar melhor a paciência com o ser agressivo em sua marcação e pode refinar ainda mais seus jogo contra ângulos de marcação.

Cox tem versatilidade para ser um homem de blitz ou de mais cobertura, sua idade com apenas 23 anos e toda amostra de adaptação ao longo do nível de futebol que ia aumentando durante sua carreira mostra que a NFL será um desafio mas que ele é capaz de lidar. Ele tem a mentalidade, o motor e a constituição física para ter impacto logo de início na liga.

Nick Bolton – Missouri

Depois de se tornar um dos defensores mais produtivos da SEC na temporada passada, Nick Bolton subiu nos Mock Draft 2021. Ele se mostrou muiro promissor em seu ano de calouro agindo por várias áreas do jogo e foi contra Alabama que Bolton começou a se mostrar para o país sainso com oito tackles no total e até teve um retorno de chute de 10 jardas.

Em sua segunda temporada, Bolton se tornou um dos melhores linebackers em toda a SEC, liderando a conferência em tackles e sendo nomeado para a Primeira Equipe All-Conference. Bolton registrou 103 tackles no ano além de conseguir um sack e duas interceptações uma retornada para touchdown.

O alerta de todos ligou para seu último ano antes do Draft. Ele alcançou o ponto alto da carreira no segundo jogo da temporada contra o estado de Louisiana, acumulando 11 tackles e desviando 3 passes. Apesar de jogar dois jogos a menos do que a sua média em 2020, ele chegou perto de seus totais de produção comprados com 2019. Ele registrou 95 tackles, 8 tackles para perda de jardas, 2 sacks e 5 passes desviados.

Bolton é um linebacker forte e atlético que tem bastante fluidez pelo campo e joga com grande velocidade e explosão. Ele vem com limitações de tamanho e precisa de ter apoio no começo de sua vida na NFL, mas Bolton vai florescer se estiver no sistema certo que o protege e permite que ele faça jogadas em sua perseguição.

Ele tem por várias vezes uma não leitura do ataque mas fisicamente perde e se estagna nos bloqueios, pode se perceber em teu jogo paciência onde ele espera na rota sei adversário em pró de escapar do jogo mais físico das trincheiras. A paciência também serve para agir em blitz onde escolhe atenciosamente a agressividade.

Pela questão de tamanho seu lado de tackles ainda precisa ser refinado, a finalização da jogada por várias vezes se encontra ruim pelo uso excessivo dele precisar ser agressivo e falta técnica, mesmo assim o grande número de tackles está no seu currículo.

É difícil entender o que a NFL realmente pensa sobre ele, é intrigante ter analistas o colocando em segundo ou terceiro entre os linebackers e alguns o tirando até do top5. No entanto, a NFL reconhecerá sua mistura de forte habilidade atlética e um QI de elite do futebol. Como resultado, alguém o levará com a intenção de ser o MIKE em sua defesa.

Outros nomes que o Browns possa a ficar de olho: 

KJ Britt – Auburn

Chazz Surratt – North Carolina

Dylan Moses – Alabama

Jamin Davis – Kentucky

Monty Rice – Georgia

DEIXE UMA RESPOSTA