É um Draft diferente para Cleveland, um time acabado de chegar aos playoffs onde pela primeira vez em um bom tempo pode pensar em escolher o melhor jogador disponível em pró de pensar na pós temporada. Essa idéia é bastante aprovada pela torcida mas a mesma também gosta de pensar em gastar escolha com necessidades em certos setores mesmo que outro jogador que brilhe os olhos esteja disponível. É um dilema que ainda nos cerca a menos de uma semana para o Draft.

Os Browns precisam obter profundidade na linha defensiva com qualidade. Isso não significa que o Cleveland precisa sair e conseguir um titular, mas significa que os Browns precisam encontrar um jogador de linha para rotação. Já falamos sobre os Edge Rusher e agora o assunto é jogadores de interior de linha os IDL. Existe apenas um jogador que vejo ser do nível a ser escolhido na escolha 26, todos os outros no setor tem que ser olhados do segundo dia do Draft em diante até porque é pode ser considerado o setor mais fraco deste Draft e aqui analisamos para vocês:

Christian Barmore – Alabama (escolha 26) 

Barmore é o nome mais atrativo do setor com larga escala, existem muitos elementos a serem considerados entre pontos positivos como ter vindo de Alabama e negativos quanto sua experiência. Os Crimson Tide tem um currículo de longa data para produzir bons talentos de linha defensiva para a NFL. Eles assinaram com Christian Barmore, com a intenção de manter sua influência. Barmore foi um universitário em potencial bem avaliado na classe de recrutamento de 2018, com 1,80m de altura e 290 libras, Barmore foi o quinto melhor atacante defensivo da classe e também ficou em 75º lugar geral no país.

No seu primeiro ano a reserva foi o seu principal local, preso em uma rotação que incluía Quinnen Williams, Isaiah Buggs e Raekwon Davis, ele não teve chances de tanta oportunidade de jogo. No entanto, depois que Williams e Buggs entraram no Draft em 2019, as portas se abriram para Barmore fazer mais. Em 2019, Barmore disputou 12 partidas ganhando fama como craque rotativo de interior de linha. Ao longo desse período, Barmore registrou um total de 26 tackles, 6.0 tackles para perda, 2.0 sacks e dois pass s desviados, ele foi nomeado para o time de calouros da SEC pelos treinadores.

A sua temporada de 2020 agora com a titularidade nas mãos começou devagar, ele entrou na temporada com uma lesão persistente no joelho, que afetou sua mobilidade, mas à medida que a temporada avançava, Barmore evoluía junto a recuperação da lesão. Ele terminou a temporada regular com 27 tackles no total, 6.5 tackles para derrota, 6.0 sacks, três desvios de passe e três fumbles forçados em nove jogos. Além disso, ele teve um sack e um tackle para perda de jardas em seu primeiro jogo no CFB Playoff contra Notre Dame.

Os playoffs o fizeram estar nas conversas do Draft de uma vez por todas. No final contra Ohio State, Barmore registrou cinco tackles no total, 2.0 tackles para perda de jardas e um sack. Um desses desarmes para perda de jardas aconteceu em uma quarta descida crucial no final do terceiro período onde ele rompeu a proteção com uma explosão significativa. Seu sucesso rendeu-lhe o reconhecimento como o MVP defensivo do jogo.

 

Barmore é um jogador enorme e forte da cabeça aos pés. Ele tem alavancas longas para os braços e também mostra excitantes flashes de explosividade fora da linha de scrimmage. Quando ele combina essa explosão com movimentos de mão bem posicionados, ele reúne algumas repetições impressionantes como aconteceu na final.

Barmore usa muito bem seu poder e força corporal para ganhar na disputa, ele usa isso em conjunto com seu comprimento para estabelecer uma forte âncora contra a linha ofensiva. Suas mãos são habilidosas e pesadas típico de um Pass Rusher que o fazem ter boas recuperações em perdas iniciais.

 

O grande problema com o jogo de Barmore é o seu desenvolvimento. Por demorar pra ganhar responsabilidade na linha defensiva de Alabama ele é um pouco cru. Por exemplo seu grande jogo de mãos é muito bem visto mas inconsistente no timing que ele escolhe para tentar forçar força excessiva.

Ele precisará refinar seu processo e adicionar mais movimentos a seu repertório no próximo nível. Além disso, existem alguns jogos em 2020 em que o próprio atletismo de Barmore foi irregular especialmente no início de 2020, Barmore não era tão consistentemente explosivo ou se livrava de bloqueios claro com a noção de que estava se recuperando de uma lesão.

Barmore não é uma garantia de primeira rodada, é preciso um questionamento muito grande em o escolher acima de outros talentos de outras posições. O escolher é entender que ele precisará ser polido e construído um jogador para a NFL e que o impacto possa demorar um pouco a acontecer.

Alim McNeill – MC State (a partir do segundo dia)

A partir de agora são nomes que me interessam mas a partir do segundo dia do Draft pra frente. Nenhum desses deveria ser escolhido em uma primeira rodada e são projetos, jogadores que o Browns olha com uma visão de construir um jogador de bastante potencial mas ainda não pronto necessariamente para a NFL.

Talvez nenhum jogador do Draft de 2021 da NFL tenha mostrado uma transformação física mais significativa do ensino médio para a faculdade como Alim McNeill. O tackle defensivo de NC State de 320 libras já foi um linebacker de 270 libras para terem uma noção. McNeill chegou ao NC State quando a universidade perdeu dois tackles defensivos e Bradley Chubb, para o Draft da NFL. Como resultado, o linebacker que se tornou um tackle defensivo teve a oportunidade de obter tempo de jogo imediato.

Um All-American calouro com 24 tackles, 5.5 tackles para perda de jardad e 3.5 sacks, McNeill estava apenas começando. Ele continuou a ser uma força perturbadora de interior de linha, acumulando 7,5 tackles para perda de jardas e 5,5 sacks evoluindo seus números em seu segundo ano. No destaque de sua temporada, ele garantiu 2 sacks e 2 tackles para a derrota contra o grande rival North Carolina.

Enfrentando a dúvida se teria a temporada de futebol universitário de 2020, ele continuou a ter desempenhos impressionantes. Na abertura da temporada, McNeill deixou sua marca em Wake Forest com um fumble forçado e 2 tackles para perda de jardas, ele também produziu um dos destaques da temporada com um touchdown contra a Virgínia que mesmo com uma marcação dupla em cima dele na linha de scrimmage, ele conseguiu desviar o passe e fazer a recepção e levar até a Endzone.

 

Seu alinhamento por vários momentos foi como um three-technique e esse será o melhor alinhamento a seguir para o próximo nível, sua explosão equivale ao tão grande ele é. Seu nível de pad é excelente e obtém vantagem sobre os oponentes em conjunto com seu físico. Fluido movendo-se lateralmente, exibe boas habilidades de mudança de direção algo que eu presto muita atenção nessa posição.

 

Em outros alinhamentos ele não foi tão bem, por várias vezes também fica preso em um bloqueio que por mais que tenha um grande físico já encarou atacantes ofensivos que igualaram na força e faltou habilidade e instinto de um Pass Rusher. A gente entende que sua variedade de movimentos rápidos e planos contra jogo corrido ou plano b estão subdesenvolvido.

Sua versatilidade e capacidade atlética o tornam uma mercadoria desejável para qualquer equipe com uma necessidade nessa área podendo jogar de 0-tech e 3-tech e mantendo seu físico já bem feito para o próximo nível o faz ser um dos nomes que cercam aquela segunda prateleira do setor.

Levi Onwuzurike – Washington

Todas a posições tem um jogador que é o maior questionamento por não ter jogado em 2020 e Levi é o exemplo desse setor com essa característica. Ele chegou do ensino médio com já seus 1,80m de altura mas precisando de bastante refinamento, mesmo sendo um atleta três estrelas subdesenvolvido houve interesse de universidades com bom currículo como Washington mas também outras de Power Five.

Onwuzurike imediatamente começou a produzir mesmo em desenvolvimento. O tackle defensivo de Washington jogou em nove jogos e registrou 16 tackles no total, 2,0 sacks e 3,5 tackles para perda de jardas. Em 2018, Vita Vea foi para o draft, e Onwuzurike foi ativado a assumir um papel ainda maior dentro do time. Onwuzurike começou quatro jogos de titular e jogou em 13, aumentando sua produção mais uma vez. Desta vez, ele conseguiu 3,0 sacks e 6,5 tackles para perda de jardas, ao mesmo tempo em que dobrou seu total de tackles totais.

Onwuzurike se tornou titular em tempo integral e frequentemente exibia seu lado positivo agora com melhor desenvolvimento. Onwuzurike começou doze jogos e pegou mais 2.0 sacks junto com 6.0 tackles para perda de jardas, também aumentou seus números de tackle mais uma vez, desta vez acumulando 45 tackles totais.

A temporada de 2019 foi atrativa demais para sua análise, já sendo colocado com o primeiro time da Pac 12, visto com projeção de ser um IDL All-American e com prêmios individuais sendo vistos como possível ele impressionou a todos e optou por não jogar em 2020 e se declarar para o Draft.

Onwuzurike tem uma quantidade impressionante de explosão para um atacante defensivo, e ele também é longo e esguio. Sua explosão inicial permite que ele obtenha um posicionamento positivo no início do confronto e o comprimento de seu braço permite que ele se mantenha limpo quando o usa corretamente. Também possui uma capacidade atlética lateral e de recuperação bastante sólidabe isso é aparente tanto na defesa de passe quanto de corrida. Há algumas repetições de arregalar os olhos na fita em que Onwuzurike usa seu comprimento e força de alavanca para jogar de lado um jogador de linha a abrir caminho a atacar o portador da bola.

 

Embora ele ainda esteja desenvolvendo sua compreensão do uso eficiente dessas características, ele tem um bom posicionamento natural das mãos e mostra flashes excelentes de velocidade e explosão.

 

Ele não é perfeito, mas a maioria de seus problemas são mais sobre consistência e menos sobre elementos que faltam em seu jogo. Ele precisa ganhar mais corpo para a NFL mas mesmo assim precisa ter uma noção maior de como usar sua força fisica, ele ainda não é consistente usando seus braços como condutores para sua explosão e sinto que falta usar mais desse poder quando está contra perda no confronto de bloqueio.

Além disso, embora Onwuzurike seja um bom defensor de corrida, ele pode ser mais impactante. Onwuzurike não tem a capacidade de gerar deslocamento de forma consistente. Ele administra seu espaço geralmente bem, mas dada sua explosividade e comprimento, ele tem espaço para ser mais pró-ativo nas corridas sufocantes. Ele precisa evoluir muito mais como um Pass Rush para a NFL.

A área de Defensive Tackle tem um mar de questionamento a partir do segundo lugar, não temos muita classificação igual para esse setor já como uma amostra de o quão duvidosa é e claro todos são uma aposta, jogadores que precisam se desenvolver muito. Talentos que se provaram mesmo fora de 2020 podem fazer os times da NFL gostar mais do que outros talentos mais inconsistentes mesmo jogando no último ano.

Jay Tufele – USC

Jay Tufele parecia destinado ao Draft de 2021 da NFL desde muito jovem. O jogador explosivo que foi uma sensação no estado de Utah jogando pelo Bingham High School. Um ex jogador de rúgbi já era visto como um dos melhores posição. Como costuma acontecer com os jogadores nas trincheiras, USC queria que o calouro chegasse à sala de musculação, para que estivesse devidamente preparado para o aprimoramento físico do jogo universitário. Demonstrando uma tremenda ética de trabalho e compromisso com o desenvolvimento, ele esteve fora de 2017 mas colheu os frutos em 2018.

Tufele fez cinco partidas como titular enquanto apareceu em 12 jogos. Sua carreira na USC teve um início explosivo com seu primeiro sack e tackle para perda de jardas contra o UNLV. Ele recuperou um fumble para um touchdown contra o Utah antes de um jogo de destaque contra o Oregon State, Tufele aterrorizou nesse jgoo com 5 tackles, 2 tackles para perda de jarfad e 2 sacks. Suas performances lhe renderam honras do All-Pac-12 Second Team.

Ele continuou a ser um dos tackles defensivos internos mais perturbadores do país em 2019 adicionando 41 tackles, 5,5 tackles para perda de jardas e 3,5 sacks, ao seu currículo. Esses números incluem 6 tackles contra Stanford no início da temporada. Gradativamente ele estava evoluindo e se tornando um produto mais pronto para o próximo nível quando impactou a todos se declarando para o Draft de 2021 não jogando a temporada de 2020.

Os mesmos atributos que o fizeram ir do ensino médio para o universitário fazem também como um marketing para ele entrar na NFL, homens com 1,98 m e 305 libras simplesmente não foram feitos para se mover tão bem mas mesmo assim ele nega esse falatório. Pontos importantes como a explosão tem papel central nessa discussão de altura e peso. Sua saída é tão rápida que isso o ajuda a ser perturbador tanto na corrida quanto no pass rusher. As linhas ofensivas precisam de um plano de jogo para conter essa explosão e como resultado, você frequentemente o verá atraindo marcações duplas em descidas de corrida. Sua capacidade de mudar de direção sem esforço é uma alegria de assistir. Ele é ágil em seus pés e fluido em seus movimentos.

 

Ele é forte tanto contra a corrida quanto como pass rusher. Essa composição permitirá que ele seja um tackle defensivo de 3-tech na NFL. Contra o passe, ele combina sua capacidade atlética com mãos violentas e alguns movimentos de Pass Rush para superar os bloqueadores individuais.

 

Embora haja muito o que amar com o tackle defensivo da USC, existem algumas áreas menores para melhorias antes do Draft. Embora ele tenha mostrado bons movimentos de passe rápido, ele precisará desenvolver uma caixa de ferramentas maior de movimentos se quiser ganhar consistentemente no próximo nível. Apesar de demonstrar mãos violentas e uma compreensão do uso das mãos, ele precisa garantir que manterá uma abordagem consistente para o uso das mãos na linha de scrimmage.

Consistência é o seu grande ponto de discussão, ao assistir um jogo inteiro dele, a gente consegue perceber muitos momentos de altos e baixos e que não é algo que deve ser pedido para a NFL.

Devido ao seu valor como limitador de corrida e pass rusher, ele deve começar cedo como um jogador de linha defensivo de 3-tech e Jay Tufele tem os atributos para encarar um processo de desenvolvimento dentro de um bom cenário como o do Cleveland Browns.

Outros IDL para ficar de olho: 

Milton Williams – Louisiana State 

Tommy Togiai – Ohio State

Daviyon Nixon – Iowa

Payton Turner – Houston

DEIXE UMA RESPOSTA