A estratégia para a temporada do Cleveland Browns tem sido bastante clara sob o comando do gerente geral Andrew Berry: preencher as necessidades na Free Agency para que o draft possa ser usado para escolher o melhor jogador disponível. Não quer dizer que a equipe tenha adicionado um jogador do calibre Pro Bowl em cada setor, mas as escolhas foram muito bem feitas no mercado e agora o assunto Draft já pode ser bastante citado. Os Browns operaram muito bem em peças-chave para a defesa principalmente para a ajuda no campo externo, como o cornerback Troy Hill, o safety John Johnson III.

O principal cornerback de profundidade Browns, Denzel Ward foi fenomenal apesar de enfrentar o melhor recebedor de todos os times. Quando direcionado, ele permitiu uma nota alta contra WRs No.1. A única mancha na carreira de Ward até agora são os ferimentos. Ao longo de três temporadas, ele ainda não disputou um total de 16 jogos na temporada. Ele jogou em 13 como novato e 12 em 2019 e 2020.

Já Greedy Williams perdeu a temporada de 2020 devido a um problema no ombro. Foi uma lesão que o tirou não só fisicamente, mas também mentalmente. Algo que ele falou em uma entrevista recente. Williams vai retomar a posição inicial para os Browns na Semana 1 de 2021 e existe bastante empolgação nele saudável. Outra adição significativa ao gráfico de profundidade do Cleveland Browns é Troy Hill, que assumirá o papel de cornerback de níquel. Ele preenche a lacuna deixada pela perda de Kevin Johnson e Terrance Mitchell.

A reflexão nos faz pensar em nomes que podem sobrar na escolha 26 ou para o segundo ou terceiro dia do Draft mas precisamos falar que o Browns possa ser agressivo neste Draft e subir para posições mais altas. Já que a escolha atual pode ser um local onde os melhores cornerbacks não cheguem, o Browns subir por mais um cornerbacks que chegaria como o último pilar a sustentar essa secundária e aqui um breve resumo de nomes fortes na posição que poderiam ser o sonho que faria Cleveland investir forte:

Jaycee Horn – South Carolina

Jaycee Horn, filho do quatro vezes recebedor a nível Pro Bowl, Joe Horn , jogou três anos na Carolina do Sul e já estava bastante de olho em Abril sabendo de todo seu potencial para a NFL. Após três temporadas na SEC, onde demonstrou um crescimento consistente. Depois de jogar principalmente no níquel em 2018, Horn jogou amplamente em 2019 e 2020, onde ele projeta melhor para a NFL. Horn tem uma estrutura longa e construída para competir com os receptores nível físico da NFL, seu tamanho, comprimento e fisicalidade aparecem na cobertura, onde ele é altamente perturbador na marcação.

As preocupações com Horn aparecem principalmente como um tackler e uma cobertura off-man em jogo. Infelizmente, Horn não usa todo seu físico a ser tão eficiente como tackler e há muitos tackles perdidos no filme. Além disso, Horn pode ser culpado de adivinhar rotas, levando a problemas de falsa rota e quebra de footwork, algo que precisa fazer muito menos no próximo nível.

Se usado corretamente e com desenvolvimento, Horn pode ser um um titular de já impacto, especialmente se suas habilidades com a bola continuarem progredindo como em 2020. Horn sendo usado como um Outside Corner predominante a cobertura de zona e cobertura sobre pressão sem tanta responsabilidade no campo externo poderia ser o esquema certo a ele.

Patrick Surtain II – Alabama

Novamente um jogador onde seu pai teve uma grande carreira com futebol americano, Patrick Surtain II é filho do três vezes cornerback de Pro Bowl, Patrick Surtain. Um ex-recruta 5 estrelas e jogador cobiçado, ele é titular há três anos no Alabama, o comprimento do cornerback, a disciplina e o estilo de jogo moderado são os melhores atributos de seu jogo. A velocidade profunda de Surtain II será a maior questão que ele precisará responder no próximo nível, pois houve algumas ocorrências de onde ele se rendeu e foi ativado para o campo externo.

Seu tamanho e comprimento podem atrapalhar as janelas de arremessos rápidos, também tem um grande atrativo de não perder em problemas físicos contra os recebedores do próximo nível. Sua habilidade para finalizar jogadas algumas vezes não é o melhor, demora pela postura para atacar bola ou recepção e possui instintos medianos por mais de uma não explosão.

Ele vem com o tamanho, velocidade de jogo e habilidades de cobertura que fazem outros problemas não serem cruciais, suas habilidades físicas e linhagem fazem todos acreditar em Surtain ser no mínimo um dos 3 melhores da posição no país.

Caleb Farley – Virginia Tech

iniciando sua carreira na faculdade como Wide Receiver receiver e, em seguida, fazendo a transição para a defesa, onde se destacou como cornerback dos Hokies em 2019. Embora seja novo na posição, seu tape não se parece com um jogador que ainda está aprendendo as noções de defender. Farley traz uma rara mistura de traços físicos para a NFL em termos de tamanho, comprimento, rapidez, fluidez e capacidade atlética que ele combina com habilidades excepcionais de cobertura incrivelmente em uma grata evolução rápida.

Farley tem habilidades com a bola que dão problema até o último segundo para o recebedor e é um alfa em cobertura. Infelizmente, seu histórico de lesões é preocupante. Farley sofreu uma ruptura de ACL sem contato em 2017 que o forçou a perder a temporada e, em seguida, perdeu os dois últimos jogos em 2019 devido a espasmos nas costas, um problema que Justin Fuente disse que Farley tratou durante toda a temporada.

Na questão dentro de campo, ele precisa desenvolver sua técnica de tackle com bastante tackles errados em seu tape, ele precisa evoluir mentalmente a leitura em cobertura de zonas também. Farley tem uma caixa de ferramentas completa de características para desenvolver uma crescente na NFL, mas o seu lado das lesões ainda dá medo e ainda uma adaptação que continua dentro da posição fazem a todos questionar.

Surtain e Horn certamente saíram até a escolha de número 15 e o Browns teria que subir muito em busca de um dos dois, Farley poderia sobrar na escolha 26 mas não é algo certo, se ele for a aposta de Cleveland, a equipe teria que prestar bastante atenção em escolhas perto da sua onde Farley poderia sair ou que o preço seja justo.

A partir da escolha 26 a já certa que seja nossa alguns cornerbacks para essa escolha e as de segundo dia do Draft podem ser gastas e outros cornerbacks da posição e aqui falaremos de alguns nomes que ainda poderiam estar no radar a ser mais uma grande adição para o setor:

Greg Newsome – Northwestern

O cornerback da Northwestern Greg Newsome II emergiu como um prospecto escondido deste Draft. No entanto, sua reputação ainda não ultrapassou esse limite. É hora de mudarmos isso. Newsome tem o nome de reconhecimento de escondido, mas os traços e a produção de um eventual titular de impacto no nível da NFL.

Newsome teve problemas físicos como altura e peso vindo da High School mas gradativamente evoluiu desde sua chegada ao próximo nível, com 1,8 m de altura e 80 quilos, ele viu a ação logo no início como um verdadeiro calouro, disputando seis partidas pelos Wildcats. Ao longo desse período, o cornerback do Northwestern conseguiu acumular 24 tackles no total, enquanto também exibia sua cobertura de cabeça com 4 passes desviados.

Em 2019, a próxima progressão lógica para Newsome seria estar sempre na escalação inicial. Claramente um talento excepcional, os treinadores da Northwestern colheram recompensas iniciais por sua promoção.

Newsome começou oito dos nove jogos disputados em 2019, registrando 36 tackles no total e 11 passes desviados. Agora, Newsome estava começando a emergir como um dos melhores cornerbacks na Big Ten, no entanto, sem ainda muita visibilidade do país o que viria em seu terceiro ano era a amostragem para o país de quem seria ele.

Lesões complicaram o caminho de Newsome para a produção em 2020, mas mesmo assim ele produziu, e ele produziu com uma das taxas mais altas entre os dez melhores defensores da temporada. Jogando em menos de seis jogos completos, Newsome foi um cornerback de bloqueio para os Wildcats, acumulando 12 tackles, 9 passes desviados e a única interceptação de sua carreira. Os quarterbacks raramente miravam em Newsome.

Infelizmente, Newsome deixou o Big Ten Championship com uma lesão na virilha, mas o evento não afetou sua amostragem, aquela altura, Newsome já havia se anunciado como um dos promissores candidatos do NFL Draft da liga mas claro suas lesões também é uma preocupação.

No meio de grandes jogadores na mesmo posição com grande físico, Newsome com suas 190 libras, ele é visivelmente magro e não tem a densidade que os outros cornerbacks têm. Ele ainda aborda o jogo com uma proatividade inspiradora e uma mentalidade física. No entanto, sua falta de estrutura limita sua vantagem ao impor sua fisicalidade aos adversários. Isso às vezes aparece na cobertura de passes, mas é mais prevalente na defesa contra corrida.

Sua velocidade profunda não foi um problema grave, ele não foi queimado ou mesmo atingido muitas vezes em 2020, mas pode ser um pouco complicado a se adaptar ao fazer a transição vertical. Além disso, a falta de tamanho da amostra de repetições profundas naturalmente torna sua longa velocidade uma área de incerteza.

Ele tem uma explosão de curto alcance muito boa a para ajudar a facilitar em rotas curtas e ele também tem a velocidade de recuperação na marcação boa. Ajuda o fato de seus quadris serem surpreendentemente fluidos para seu tamanho; ele muda de direção com um ritmo bom e transições perfeitamente em sua abordagem para a frente ao mudar de direção.

 

Em questão de QI defensivo, ele é rápido para ler e diagnosticar, instintivo, e volta a cabeça para localizar a bola. Possui uma boa movimentação para o arremesso e boa habilidade com a bola.

 

Newsome tem o mental para o jogo, habilidades cruciais para a posição e o ganho físico será um grande diferencial para ele na NFL, mas ser saudável é o ponto mais Importante para um Browns que viveu uma temporada com perdas em sua secundária.

Asante Samuel Jr. – Florida State

Asante Samuel Jr. não é estranho aos holofotes enquanto caminha rumo ao Draft de 2021 da NFL, afinal, seu pai e homônimo é um All-Pro duas vezes vencedor do Super Bowl que passou 11 anos na NFL. Asante está no meio termo entre estar entre um dos principais prospectos da posição ou alguém que flutua pelo segundo dia de escolhas.

Asante Samuel Jr. teve um impacto imediato em um secundário que havia perdido Derwin James para o Draft da NFL. O cornerback do estado da Flórida fez sua estreia contra Samford, disputou 12 partidas e ainda saiu da sua temporada de calouro com 9 passes desviados ficando em terceiro nesse quesito na ACC.

A temporada de 2019 seria seu ano de destaque. O jovem cornerback garantiu sua primeira interceptação na carreira contra a Virgínia e seguiu para liderar a equipe como calouro, seus 14 passes dedesviadoso fez liderar no quesito em toda ACC. Suas performances levaram a honras All-ACC Third Team. Ele foi o único jogador do Power Five a registrar 14 passes desviados e mais de 45 tackles. Apesar de uma temporada interrompida e um programa FSU em dificuldades, Asante continuou a produzir mesmo com algumas dúvidas em seu jogo, a falta de interceptações levantava questões.

Ele respondeu com duas interceptações na abertura da temporada contra Georgia Tech e também registrou seu primeiro fumble forçado na carreira e mostrou consciência com duas recuperações de fumble. No final de novembro, Asante Samuel Jr. optou por sair do resto da temporada e se declarou para o Draft de 2021 da NFL. Ele terminou sua carreira com honras do First Team All-ACC e seus 29 passes desviados em sua carreira universitária ocupa o 11º lugar na ACC desde 2005.

Ele demonstrou grande habilidade no desarme em campo aberto contra muito mais jogadores físicos do que ele por mais que o físico não seja um grande problema a ele. Um tremendo exemplo disso vem de um jogo contra o Boston College, onde ele faz um trabalho excepcional ao derrubar o forte running back AJ Dillon em campo aberto, parando-o antes de uma primeira descida.

 

Ele tem pés rápidos e velocidade suficiente para ficar com receptores na cobertura homem a homem, com uma marcação sem distanciamento, apresentando boa mudança de direção devido aos quadris soltos. Ele também exibe bons instintos e consciência defensivamente. Isso ajudou a contribuir para o número de passes desviados, com tudo isso ele pode diagnosticar uma situação com sua inteligência e com sua velocidade finalizar jogadas.

Você ouvirá demais a preocupação da liga com o seu tamanho, Com 5’10 ”e 184 libras, ele não é apenas mais baixo, mas mais leve do que o cobiçado cornerback exemplo que todos sonham ter. No entanto, para mim, essa não é a preocupação que parece ser. Ele mostrou que tem habilidades para ser intenso na marcação homem a homem, mas o quão ele pode ser limitado em um esquema é a preocupação.

 

Embora ele se destacasse na cobertura homem a homem, ele tem experiência limitada de cobertura de zona e quando foi convidado para jogar na área de cobertura no estado da Flórida, ele não foi tão impressionante e teve grandes erros. Apesar de toda sua habilidade de jogo, ele precisa aprender a localizar melhor a bola no ar.

Asante parece muito com o melhor exemplo de uma equipe que o queira precisa entender e jogar em uma defesa que pede o que ele mais fez de melhor em Florida State, imagina Asante em uma defesa que preza pela cobertura em zona, ele precisará de um trabalho muito forte a resolver esses pontos.

Paulson Adebo – Stanford

Depois de sua temporada de 2018, o cornerback de Stanford, Paulson Adebo, foi apontado como uma perspectiva de primeira rodada, agora, no entanto, depois de uma temporada 2019 não tão boa e um opt-out em 2020 o jogador virou uma dúvida tremenda do o que foi tão produtivo em seu 2018 e o que o fez ter uma queda tão grande na opinião pública.

Jogando de Wide Receiver e Cornerback, a universidade de Stanford decidiu o levar pro lado defensivo do jogo, Adebo não apenas começou em sua “nova posição” mas também prosperou. Em seu primeiro ano de futebol universitário, o cornerback de Stanford liderou a conferência com sua produção, acumulando 64 tackles no total, 4 interceptações, 17 passes desviados e um fumble forçado. Ele quebrou o recorde da escola de rompimentos de passe total em Stanford e foi premiado com o All-Pac-12 do primeiro time como um verdadeiro calouro, uma raridade mesmo entre os recrutas altamente cotados.

As expectativas eram extremamente altas para o Adebo em 2019 e isso pode ter feito um ano abaixo. Adebo ainda produziu bem o suficiente, registrando 4 interceptações e 10 passes desviados e ainda ganhou os prêmios All-Pac-12 dos treinadores mais uma vez. Mesmo assim era claro sua regressão no jogo, ele não tinha sido tão consistente em campo, e uma lesão não revelada no final da temporada sofrida após nove jogos complicou ainda mais suas perspectivas.

A temporada de outono do Pac-12 foi inicialmente cancelada. Quando foi finalmente reintegrado, Adebo optou por permanecer fora do campo em 2020. Ele reafirmou seu desejo de não participar e se preparar para o Draft de 2021 da NFL em outubro, deixando mais perguntas do que respostas ao virar a página para o próximo capítulo. O quão foi importante ele se preparar fora do campo mas o quão foi prejudicado a ele dar dois extremos de bom e inconsistente futebol as equipes da NFL.

Ele é um CB alto e longo que cobre distâncias curtas com relativa rapidez, com passadas longas e boa explosividade inicial. Com essa explosividade, ele também é capaz de desviar passes usando seu comprimento em conjunto com aquela rajada, além disso, o Adebo tem uma velocidade em campo aberto muito boa.

 

Como evidenciado pela produção de Adebo, suas habilidades com a bola são excepcionais. Como ex-WR, ele claramente tem um instinto para impactar a bola. Seu comprimento, embora não seja de elite, fornece a base para essa produção e estar sempre na linha da chegada da bola. Além de sua capacidade de cobertura, Adebo também tem alguma utilidade contra a corrida, ele poderia preencher uma lacuna da equipe que precisa demais de talento para tackles.

Por melhor que seja o tamanho e a velocidade de Adebo, o perfil atlético do cornerback de Stanford não é perfeito e embora ele mostre vislumbres de fluidez lateral do quadril, seus quadris ficam alarmantemente travados em boa parte de seus snaps. Sua falta de fluidez vertical o torna facilmente suscetível a movimentos duplos rápidos.

 

Em ter problemas com WRs habilidosos em seus footwork e mudanças de rotas ele morde demais duplos movimentos, Ele também pode virar os quadris verticalmente bem o suficiente se ele apenas tiver que correr e perseguir depois. No entanto, quando ele precisa mudar de direção, as coisas desmoronam rapidamente e ele carece de consistência nessa área. Adebo precisa evoluir demais nesses pontos que são pedidos demais na NFL.

Adebo é um exemplo mais claro do que é apostar em um prospecto, você não sabe o que mais vem, o jogador de 2018 dominante onde era visto até como jogador de primeira rodada ou um jogador inconsistente de 2019 que nem mostrou melhora porque escolheu não jogar seu terceiro ano.

Outros cornerbacks a ficar de olho:

Camryn Bynum –  California

Aaron Robinson – UCF

Shaun Wade – Ohio State

Ifeatu Melifonwu – Syracuse

Tyson Campbell – Georgia

Rodarius Williams – Oklahoma State

 

DEIXE UMA RESPOSTA