Chegamos a época do Training Camp, mas calma, estamos se encaminhando a agosto e agora vão se iniciar os treinos? Bem vindos a temporada mais exótica dos últimos tempos.
Os times irão correr contra o tempo para a construção física de seus atletas, para os calouros que brigam pela sobrevivência no elenco será menos tempo para a adaptação, e aqueles que já tem seu lugar garantido também irão sentir a falta de jogos de pré-temporada e terão que fazer dos treinos uma competividade intensa a render rumo a temporada.
Os protocolos de segurança já estão sendo feitos nesse “novo mundo”, todos os calouros e veteranos que tiveram uma sequência de três testes negativos da Covid-19 já puderam se apresentar em Berea, por enquanto ainda sem grande contato com companheiros todos terão que esperar até o dia 3 de agosto para iniciar as sessões de treinamento em campo e academia em grupos separados de no máximo 15 pessoas por sessão. A partir do dia 14 de agosto será liberado o treino coletivo em campo e no dia 17 já liberado treino com contato entre jogadores, esse tempo foi determinado para uma adaptação e controle de todos com uma sequência de testes negativos e já acostumados com a questão física.
A NFL deve seguir um plano já usado na MLB da criação de uma lista direcionada a apenas jogadores contaminados como se fosse uma lista de lesionado. A partir do dia 14 de agosto (Sexta) o Browns irá transmitir duas horas por dia dos treinos em Berea já que o público esse ano estará de longe de todo o período de treinamento.
Vem por aí batalhas por posição entre veteranos e calouros e listamos as 4 mais disputadas por posição nesse TC em 2020:

FREE SAFETY
Andrew Sandejo e Grant Delpit começam a discussão aqui, ambos vão jogar está temporada e ter bom número de snaps, com exceção do Sheldrick Redwine, os Browns basicamente abandonaram sua posição de Safety e começaram do zero. Só olhar para a situação de substituições na posição, enquanto Damarious Randall, Juston Burris e Eric Murray assinaram com outros times na free agency, já foram substituídos por Karl Joseph, Sendejo e Delpit.
Delpit vem com uma empolgação verdadeira do Browns dele ter válido um investimento alto no Draft, o que resta saber é se ele já estará apto para ser um titular na NFL, existe prós e contras em seu jogo que fazem criar um dilema. Sendejo é um cenário completamente diferente, vindo para um contrato de um ano, vem para ser uma passagem, mas com produção e ponto adicional para o sucesso que o time quer ter em 2020, por mais que a experiência e a idade pesem, ele não é mais aquele fenomenal jogador do começo da sua história em Minessota mas segue sendo um jogador bastante seguro. Entende o que precisa ser feito, é regular nesse trabalho e ajuda o processo de todos da posição.
Delpit tem as ferramentas físicas, tanto em termos de tamanho quanto de atletismo, para se tornar um Safety que de seguranças, alguém que pode criar um rotação na posição segura, algo que principalmente para essas posições defensivas o Browns quer implantar.

Mas um dos dilemas e esse bastante grave que faz o questionamento de será que ele vai melhorar para estar num nível de titularidade é sua capacidade de dar tackles algo que já falamos e muito do seu tape. A situação é semelhante a Joe Schobert e Greedy Williams quando entraram na liga. Tiveram um processo de revisar a técnica e força de vontade e o Browns conseguiu criar máquinas de tackle
Joe Woods quer ser capaz de colocar três Safety em campo, podendo equilibrar em Nickel ou Big Dime e por isso Browns projetam não ver um Delpit sentado no banco de reserva. Delpit tem experiência trabalhando no slot em seu tempo na LSU, seu tamanho é um grande trunfo, o que se espera é que ele vire uma presença física consistente, onde poderá ser uma presença inestimável contra equipes como o Baltimore Ravens e o Pittsburgh Steelers que tem um arsenal vindo do jogo aéreo e corrido.
A ideia de 3 jogadores na posição pode ainda não ser algo concreto, a segurança pode ficar maior com desempenho melhor por exemplo do próprio Delpit. Já Redwine já precisa começar a mostrar trabalho principalmente focando no próximo ano já que o Browns precisa encontrar substitutos e jogadores para rotacionar, já que Sandejo e Joseph estão em contrato anual apenas.
Se Delpit já roubar a vaga de titular de imediato, isso seria uma indicação muito boa de que ele será uma escolha bem-sucedida e fortalecerá a secundária dos Browns. Se ele não puder tomá-lo imediatamente ou não conseguir nesta temporada, não seria o fim do mundo. Sendejo veio com respeito para ser o produto pronto para um Browns que está num patamar de não apenas procurar desenvolvimento e sim resultados.

LINEBACKER
Em uma defesa que contará com dois Linebackers, o Browns precisa determinar quem jogará nos dois lugares. A comissão técnica já confirmou que a posição está em aberta inclusive para os calouros.
O problema da projeção é que há muita dúvida de qual nível essa posição estará na escolha final da na semana 1, resumindo o piso é um dos mais baixos da equipe. Usando outras palavras, os jogadores que podem conquistar a titularidade nesse setor do campo podem ter uma visão ilusória, e podem não ser tão bons quanto se acha por serem titulares. Claro que em todas posições sempre existe um jogador que deve demonstrar a maior segurança dos treinadores e, entre os LBs, esse nome é BJ Goodson.
Goodson foi trazido em primeiro lugar por ser um grande profissional e alguém que os Browns acreditam que pode ser uma presença positiva na sala do linebacker ajudando no processo de todos ali dentro. Goodson sempre tem sido um defensor sólido, conhecido pelo seu físico por muita raça e ainda que possa contribuir para o Special Team.
A outra opção que se encaminha e tem seu favoritismo é de Mack Wilson, vindo de Alabama ano passado no terceiro dia do Draft, Wilson não teve um bom ano de calouro, ele foi forçado a entrar no time titular quando Chris Kirksey sofreu uma lesão no final da temporada e a partir daí, Wilson parecia um jogador que saiu um ano cedo demais e teria se beneficiado de mais um ano de futebol universitário. Mack é eficaz quando temos uma situação óbvia de passe: ele mostrou na última pré-temporada em várias interceptações um potencial de noção de amplitudes e visão jogador-bola. Mas quando chegamos na parte dele em jogo Wilson teve um desempenho bastante negativo se tratando de ler ataques e processar as informações em tempo real e com a velocidade de jogo que a NFL traduz. Joe Schobert foi responsabilizado várias vezes a concertar peças que Wilson era responsável por fazer, porque estava terrivelmente fora de posição.
Tudo se encaminha para uma evolução e os problemas serem diminuídos, Wilson principalmente para Special Teams e situações óbvias de passe pode mostrar a progressão de todo o potencial que estava a vir da defesa de Alabama.
Já sobre Sione Takitaki, entre sua esmagadora fisicalidade e seu atletismo, uma lesão no tendão o levou a perder várias semanas e vários jogos na pré-temporada, o que foi um grande revés a ele. Ainda assim, ele conseguiu uma pequena amostragem a todos por mais que recebeu menos snaps do que se esperava. Sua experiência na cobertura de passes na BYU era quase inexistente e esse tem sido um dos principais focos para ele nesta temporada.
Enquanto isso os Browns selecionaram Jacob Phillips, mais um da defesa campeã universitária de LSU, a equipe ama sua inteligência e, no tape, é fácil ver com que rapidez ele processa as informações e reage de acordo. Ele é capaz de fazer jogadas porque não hesita e vence os oponentes ainda no território inimigo. Sua fisicalidade quando ele entra em contato pode ser inconsistente e, enquanto Phillips se esforça para avançar, parece estar desconfortável por mais que ele tenha sido um líder de tackles na sua universidade e esse ganho físico será muito fator a ele na NFL, mas enquanto isso está em processo sua inteligência pode ser o grande exemplo que ele pode ganhar sua vaga.
Willie Harvey é um jogador que pode contribuir e surpreender demais nessa briga, um FA que o Browns não desistiu, dada a maneira como a defesa dos Browns parece funcionar, se ele melhorar seu atletismo e força na pré-temporada, ele deve começar a ter oportunidades de mostrar trabalho no mesmo nível dos outros.
O Browns principalmente nessa posição procura ter a segurança de quem for para a vaga de titular não forçar com que a franquia pense muito em ter uma substituição ao longo da temporada. A equipe não espera fazer um investimento alto na posição até porque irá precisar se preocupar em usar o cap em outras posições e por isso dará toda a paciência do mundo a esses jogadores já que são jovens e não podemos esquecer disso, Wilson tem apenas 22 anos, Phillips apenas 21 e Takitaki tem 25 anos. A idéia aqui é seguir trazendo LBs na FA e jogadores a partir da segunda rodada em Draft até que o processo desses jovens cheguem no resultado esperado.

WIDE RECEIVER
Já sabemos quem são os dois principais recebedores do time Odell Beckham e Jarvis Landry mas a posição de WR3 é a grande questão a se resolver nessa pré-temporada. Nessa briga não existe grande disparidade entre os concorrentes já que a impressão que ficou é que nenhum tenha se provado ainda nessa briga. Claro que existe a noção de que o ataque do Browns mudou e ficou mais amplo e as vezes esse terceiro recebedor irá receber menos trabalho já que possa estar dividindo com dois corredores, ou dois Tight Ends ou a inclusão de Andy Janovich.
Rashard Higgins parece ser o grande favorito para conquistar o cargo por diversos fatores entre eles experiência, já ter produzido e muito bem com o Baker e ainda a ação do Browns de ter renovado com ele. Ele demonstrou excelente química e eficiência com Baker Mayfield desde a temporada de estreia de Mayfield, mas sua temporada de 2019 foi destruída entre lesões e problemas com a equipe técnica, organização como um todo. A mudança de comissão técnica foi a salvação a ele, tiveram respeito, paciência e colocaram ainda esperança em seu potencial algo que se fosse a sua antiga comissão técnica não haveria jeito nem comunicação.
Higgins precisa ser mais consistente e principalmente mais saudável, algo que mais deixa todos em dúvida, mesmo em sua melhor temporada em 2018, ele perdeu jogos com lesões e isso foi perceptível em termos do que a equipe perdeu ofensivamente muito quando estava fora de campo.
Os dois jogadores com mais chances de roubar a vaga de Higgins seriam Damion Ratley e KhaDarel Hodge. Ambos tiveram picos de estrelismo, mas tiveram pouca produção e nunca se provaram. Ratley tem o tamanho e a velocidade que as equipes cobiçam, mas ele não produz em alto nível desde que esteve no Junior College. O time espera que em 2020 os dois finalmente comecem a produzir e mostrar que podem ser diferenciais em partes dos jogos.
Os dois jogadores que potencialmente tentam destituir Higgins para esse papel são Damion Ratley e KhaDarel Hodge. Ambos brilharam, mas nenhum dos dois realmente se destacou até esse ponto.
Ratley tem o tamanho e a velocidade que as equipes cobiçam, mas ele não produz em alto nível desde que esteve no Junior College. Ao entrar em sua terceira temporada, a equipe espera que consigam aproveitar ao máximo seus dons físicos. Ele oferece tamanho e a capacidade de esticar o campo com grande velocidade.
Hodge estava no Los Angeles Rams como jogador de Special Teams, com pouca consideração por sua capacidade de jogar como recebedor, mas quando os Browns o reivindicaram, eles pensaram que ele poderia oferecer algo como recebedor e ele conseguiu algum tempo jogando quando Higgins ficou fora por lesões no ano passado. Mas Hodge, assim como Ratley, tem sido inconsistente e mostrando apenas bons flashes. Ele ainda segue tendo um papel importante para o Special Teams.
Seria um enorme sucesso se Donovan Peoples-Jones, a sexta rodada de Michigan, pudesse se desenvolver o suficiente para conquistar o terceiro lugar na posição. Oferecendo excelente tamanho e explosão de elite, Jones tem ótimas mãos e pode ser uma ameaça pós-recepção. O que pode ser o que fará ele ganhar ou perder a vaga é que ele era extraordinariamente cru em Michigan como corredor de rotas e não foi solicitado a executar um grande arsenal de rotas completa, provavelmente esse foi um grande foco para ele fora da temporada e, se ele puder colocá-lo em prática, poderá conseguir o “emprego”. Claro que é muito difícil essa situação, já que a adaptação de estudo de playbook no começo é algo complicado para qualquer calouro, principalmente em 2020 onde há sempre menos tempo de se colocar em prática todo o estudo.
Outro jogador que corre por fora como DJ Montgomery que se lesionou ano passado na pré-temporada, mas mostrou alguns flashes impressionantes. Saindo de Austin Peay, ele teve excelente produção e velocidade de elite com seus 6’1 “, ele também não é pequeno e se mostrar mais saúde esse ano pode finalmente ter paz na questão física e se preocupar 100% no jogo.
Bisi Johnson, o terceiro recebedor do Minnesota Vikings, onde Kevin Stefanski era o coordenador ofensivo, recebeu 31 passes para 294 jardas e três touchdowns. O terceiro recebedor em Cleveland precisa mostrar que possa dividir snaps com Hunt e esperamos com Njoku, num ataque que vai estar mais distribuído os snaps pelas posições, a posição de WR3 irá precisa disputar entre si e coletivamente por espaço e oportunidades.

TIGHT END
O Browns lutou para a posição produzir ano passado e como a maioria das posições e principalmente para o lado ofensivo do campo, onde houve um investimento para dar o “passo final” na posição de Tight End: Austin Hooper chegou.
Njoku durante esta offseason foi um assunto muito polêmico. Seu agente informou o Browns que seu atleta gostaria de ser trocado para outra equipe. A história se estendeu e não sabemos se houve boas propostas ou não. Até o momento, o que deve acontecer é Njoku se apresentar e lute por minutos com Hooper e para um novo esquema ofensivo, onde já em Minessota, o ataque de Stefanski se mostrou que gosta muito de usar muito jogadores dessa posição, o que poderia aumentar ainda mais a rotação e a manutenção de Njoku no fundo será importante.
Njoku vem de temporadas sólidas, mas com já um histórico de lesão e agora sua responsabilidade diminui um pouco, podendo ajudar a transformar o potencial em produção.
Enquanto isso, Hooper vem a ser o grande jogador da posição. Ele assinou por 4 anos, 42 milhões com 18,5M garantidos. Hooper produziu a ponto de se tornar uma das referências da posição nos dias de hoje e Cleveland certamente irá tentar desenvolver mais seu lado como bloqueador, mas ainda sim usufruir tudo que for possível do seu talento de recepção, separação e criação de amplitude no campo.
Para adicionar ainda mais um nome na rotação, a nova comissão técnica fez essa escolha mostrando do que se espera para o futuro da posição. Harrison Bryant veio no começo do terceiro dia do Draft de 2020 e vai precisar lidar com seus problemas, mas também bons flashes para ganhar snaps e ser um adicional. Bryant fisicamente tem potecial para evoluir ainda mais, até por isso ele esteve se testando em várias posições durante sua juventude, já que falamos na questão de bloqueios do Hooper, nessa questão o Browns olha com brilho para Bryant, que pode se tornar alguém que possa se encarregar disso. Mas há muita dúvida com Bryant encarando uma nova velocidade de jogo e um nível muita acima do que ele jogava no college, por mais que ele possua a habilidade que a gente vê de cara em seu jogo, é certo de que precisará evoluir muito para encarar o nível de defesas que a NFL apresenta.
Stefanski precisa adaptar todos no seu esquema. Se Njoku realmente jogar esse ano com a jersey do Browns, a questão fora de campo, a de vestiário também irá precisar ser construída. Bryant irá se deparar com um mundo totalmente diferente e precisará ter paciência e muita dedicação para se mostrar apto ao longo dos jogos para receber mais oportunidades. Hooper precisa transformar todo o investimento e aquela produção que vimos em Atlanta para se tornar um grande perigo desse ataque já bem distribuído em talento.

DEIXE UMA RESPOSTA