Saquon Barkley, running back da universidade Penn State
Barkley e Guice os dois primeiros do nosso board

Pensamos que a classe de RBs de 2017 seria a melhor da década, a performance de alguns em seu ano de calouro mostraram isso: Alvin Kamara, Kareem Hunt, Leonard Fournette, Christian McCaffrey e o Browns saiu com apenas o Dayes na sétima rodada plausível já que ainda teria mais um ano de contrato com o Crowell. Dizem muito bem da classe de 2019 mas não importa, Browns tem uma acumulação de picks altas e juntando a essa classe extensa para mid rounds e na minha consideração que essa classe é melhor ainda que a de 2017 em potencial desse ano não podemos passar dessa posição.

Saquon Barkley No.1

“O maior talento do draft” é complicado falar isso tendo diversas posições e funções distintas dentro de campo mas o todo do jogador é o que mais ouxa atenção entre tantos mas ao mesmo tempo Barkley é perigoso para a narrativa RB em escolha alta do draft, se o Browns não tivesse na precisão de QB ainda sim ele na pick1 seria bem discutível ainda mais com tantos exemplos de RBs mid-rounds que tem sucesso na liga mesmo assim, a posição não faz com que talentos altos são tão certos que sobressaia aos demais com um QB no RD1 e outro com previsão de RD2 mas também há exemplos bons de RBs altos, talentos vistos de longe que fizeram lucro na liga casos de Todd Gurley que foi candidato a MVP, Ezekiel Elliot que virou fator demais no ataque do Cowboys após regressão das atuações do Dak e Leonard Fournette que teve importante papel com o Jaguars nos Playoffs e como vem Barkley em relação a esses três? Melhor. Gurley vinha de uma ACL quando o Rams usou uma pick10 nele, Elliot tinha grandes números em OSU mas tinha o medo do seu extra-campo problemático e Fournette passou tempo significativo fora no seu último ano em LSU.

Além do talento correndo tem grandes números recebendo

Barkley em open space é destruidor para defesas, balanço lateral, controle do Pass protection, aceleração com janela aberta…além do talento para jogar algumas vezes no slot oi WR normal, é extenso seu conjunto de habilidades, arma para diversas formações de jogo mas não faça dele tudo, num exemplo de jogo wue não funcionou com Penn State o forçando muito a mais que o deveria contra um DL talentosa de OSU, parece um talento perfeito mas que se draftarmos precisamos puxar o freio, o falatório que sempre busca o “Home Run” nas jogadas, isso na NFL vai ser um tiro no pé, numa explicação mais clara precisa escolher as jogadas mais cautelosas, se sempre tentar forçar a big player irá levar ao time a se complicar no drive

Aqui a prova que deveria apenas ganhar algumas jardas mas tentou achar alguma janela aberta para correr e só complicou o drive
Se você convencer Barkley a usar seu tamanho e força do jeito que Nick Chubb faz, do jeito que Ronald Jones faz entre os tackles fará com que Barkley seja realmente acima dos outros.

Derrius Guice No.2

Fora do hype do caso Barkley ele parece estar lado a lado com o No.1, Browns deveria estar olhando demais para ele mas é preocupante o quanto as outras franquias podem olhar a ele, a nossa previsão perfeita é que ele esteja para o segundo dia do draft o visando para a 33 ou 35 mas será que teríamos um primeiro dia sem RBs? Ao mesmo tempo não vale uma escolha 4. Ele tem o protótipo de tamanho e velocidade que a NFL pede e o que separa ele do resto da classe? Seu jogo é puxado aos nossos olhares o quanto se recusa a cair, tem corpo e dureza para resistir/atacar em tackles seus adversários e ganhar mais algumas jardas, seu tape nos remete a um Marshawn Lynch ainda sendo construído. Um dos aspectos mais subestimados de seu jogo é sua visão e como ele monta rotas livres, seu jogo exige demais do seu bom equilíbrio, em 2016 quando ele estava saudável, entre as corridas elegíveis, Guice teve a maior porcentagem de suas corridas com 15 ou mais jardas, com 12,9% de acordo com o Pro Football Focus.

Barkley é perfeito ou quase até no quesito saudável, Guice teve uma preocupante comparação entre seu 2016 e 2017 quando ele lutou com uma lesão no tornozelo durante toda a temporada passada. Houve um declínio na explosão e velocidade de 2016, suas jardas por corrida caíram 2.0, seu treinador disse que seu 2016 foi real e que 2017 foram de números sem ele 100%. Até por parte é verdade o falatório que ele é limitado como corredor de rotas, quase todas suas rotas são simples em flat routes, ele tem físico para ser um grande corredor de rotas como Kamara e Barkley são mas ainda sim está cru nisso. Se ele não se desenvolver como um corredor de rotas pode virar mais uma arma para o jogo aéreo, não que ele tenha o mesmo talento recebendo como o Barkley mas tem mãos seguras para quando o time precisar de 3 a 4 jardas, ele foi ativo em quase 75℅ dos snaps em LSU isso ajudou a ser testado recebendo e ter melhorado nisso. Ele é bom em Pass protection mas precisa melhorar seu jogo de mãos que sempre vs Blitz vice vê de longe complicação na sua defesa. Guice está no top5 de todos na posição, top3 de uma boa parte, tem o seu jogo amável por muitos da posição o de mais físico que técnico (não que ele seja nulo de talento trabalhado, força, potência leva a ser bem olhado para RB até porque não é uma produção ensinada e sim ganhada fisicamente) mas com seu tornozelo preocupante mas que numa puxada em outros prospectos achamos o Fournette que teve a mesma lesão em 2016 e não declinou seus atributos na NFL (e Guice passou 1 ano a mais pós lesão na NCAA). Prevejo ser um 2 down back com chances de até estar em três descidas ajudando no blocking, se evoluir suas rotas pode se tornar um top5 na liga.

Sony Michel No.3

A dupla de Georgia estará nas posições 3 e 4 aqui que Jake Fromm sentirá saudades, Michel teve uma contribuição de 4 anos mas com seu 2017 estourando 1 TD total a menos que os três primeiros anos juntos mas que também mostrou seu pouco jogo recebendo apenas 9 vezes usado nisso, não que ele tenha uma grande físico comparado aos dois acima dele dele mas seu atletismo é bom, tem velocidade e um sólido equilíbrio, algo que tem muito hype em seu jogo é a visão para leitura de defesas sempre atentado aos seu pés, ele também tem bom ganho de jardas pós contato (não parece olhando para ele e para um Guice maia físico mas não perde em força). O Rose Bowl (o fantástico Rose Bowl) entre Georgia e Oklahoma evidenciou Michel para o falatório de abril, ele teria pela frente uma D Line elite e junto ao Nick Chubb ganharam o jogo 11 corridas para 181 jardas e 3TDs, dos dois de quatro anos ele passou as 1000jardas mas mesmo os que chegou na casa de 800 a 900yds ele sempre teve um AVC de pelo menos 5.0.

Ele várias vezes teve problemas na segunda engrenagem (seria a escolha da rota e a explosão de velocidade para atacar o espaço aberto), escolhia janelas curtas que dificultavam isso, dizem demais que sua agilidade é instável, não achei tão instável mas lances de segunda engrenagem são vários com ele dando tempo para as janelas se fecharem e com ele construindo atingir velocidade para big play. Seu Pass Block é fantástico o emu preferido na classe ele teve confrontos contra Minkah Fitzpatrick o melhor blitzing CB/S do país e teve ganho no 1vs1, também teve confronto com Da’Aron Payne um dos mais intimidadores defensores do país, contra ele levou ao Heads up e deu tranquilidade para o Fromm fazer a jogada

Outro fator que não o ajuda comparado aos outros é seu alto número de Fumbles (12) numa média de 1 fumble a cada 54 toques na bola, parece pouco mas mostrou menos segurança que os demais. Michel tem uma força adequada mas nem sempre o usa, se escolhermos ele deveria twr um trabalho de ganho de pelo menos 5 libras, seus pés tendem a parar no caminho quando ele é devido a encontrar um marcador maior que ele (DL ou LB), após contato ele não se mostrou potente a ponto de criar estaleiros para construir seguir 10℅ na jogada e apenas conseguia alguns ganhos em jardas (por exemplo Guice em jogadas conseguiu reverter tackels a ficar em pé e boa posição para voltar a ganhar potência na corrida).

No ensino médio, Michel rasgou seu ACL durante sua temporada de Sophomore. Na faculdade, ele fraturou o antebraço esquerdo em um acidente de quadriciclo em julho de 2016 e duas vezes fraturou a omoplata durante seu primeiro ano, o que resultou na ausência dos cinco jogos finais da temporada. Um rasgo de ACL em HS é mais do que totalmente curado até agora e um antebraço quebrado de um acidente de ATV é improvável em sua posição. Seu estilo de corrida não depende de cargas no ombro, nem seu estilo de bloqueio. São preocupações não tão grandes para sua carreira.

Um Pass Blocking ótimo, um homerun hitter que pode correr recebendo tackels, ele tendo aproximadamente 650 toques por mais de 4.000 jardas e 39 TDs durante seu tempo na Geórgia (sem grandes preocupações com lesões como disse), ele também precisa evoluir como corredor de rota (a mesma coisa do Guice) e numa antecipação de alguém pelo No.2 do board ele estará logo em seguida visto numa pick 33.

Nick Chubb No.4

Como Georgia produz grandes RBs, olhamos para a história e lembramos de caras como Herschel Walker e Rodney Hampton, Garrison Hearst correndo para 21 TDs na NCAA em 1992, Todd Gurley no ano de calouro correndo para 1.300 jardas em alta velocidade e 17 TDs…a dupla desse ano me puxou a curiosidade de conhecer e entender se Georgia sempre foi uma boa produtora de corredores ou se a dupla era uma exclusividade na universidade (não). Chubb provou ser um “burro de cargas” entre os tackels para a NFL, conseguia levar jogos na universidade, como é inteligente e paciente com as melhores escolhas de janelas (o melhor desses em questão de RedZone), aumenta sua visão para o próximo nível por poder jogar em várias formações, tem equilíbrio e força na perna essencial que o funcione com contato, essa velocidade e explosão para atacar os tackels faz com que tenha lucro de passando da janela mais fechada a uma segunda engrenagem com um campo mais limpo e ganho de jardas maior.

Chubb teve um ano de freshman dominante no país vindo de ser um 5 estrelas na HS mas a lesão devastadora no joelho o tirou d eboa parte do segundo ano e deu dúvidas para o resto do College, sua recuperação foi incrível mas mesmo assim Browns checou seu joelho, ele é um claro 2down back mas as dúvidas vem nas terceiras descidas, nos últimos três anos teve no máximo 5 recepções em 1 ano, não é um cara ativo nisso, seu joelho também pode fazer com que não seja levado sempre a três descidas.

Outro ponto era a talentosa OL de Georgia que o ajudou demais mas com isso teve pouco uso em terceiras descidas, poucas execuções de rotas e praticamente não bloqueava comparado ao Michel. Chubb teve sua ACL não danificada na lesão além de nervos ou artérias, o lance ocasionou em então danos a MCL, PCL e LCL e perda de cartilagem no joelho, você olhando para as estatísticas houve queda vendo o segundo e terceiro ano até com isso um uso a mais do Michel mas em seu 2017 passou número de TDs do seu ano de calouro, melhorou em 200yds a mais na jardagem total de 2016 ficando 1130yds-1350yds apenas perdendo por pouco para quando calouro com 1547yds.

Chubb tem potencial.para dar certo na NFL, a preocupação sempre haverá em seu redor mas ele vem com uma visão que a franquia terá que ter diferente dos outros, o melhor cenário seria ele num revezamento maior com o board de RBs do time num estilo ele e Michel sem “forçação” que você daria por exemplo pro Barkley.

Rashaad Penny No.5

Não tem uma discrepância do porque ele está em quinto no board e não em terceiro, é mais uma boa classe e caras como ele vão parar aqui, ele tem um quadro elite (ideal IMC, peso e altura), ele tem boas característica que sempre falamos em equilíbrio, força…mas tem um ótimo uso dos pés nunca os deixando parados nas janelas fechadas, ele é quem o SDST escolheu em situações de embreagem / jogo tardio / 3ª para baixo / 4ª para baixo, ele exibe uma boa visão em Inside Zone e Gap. Apenas dois RBs tiveram uma média de criação de jardas vs perda no número de defensores comparado a média na NCAA: um deles é o Barkley o outro Penny, de 2016 a 2017 dobrou o número de jardas totais 1018yds-2248yds, dobrou os TDs 11-23 e sempre nunca teve um ypc abaixo de 6.0, se mostrou já útil para o special teams (teve 7TDs de kickoff e 1 de punt retornados) com 5-11 224lbs tem medidas altas que não alteram em nada já que ele chega com potência na segunda engrenagem.

Ele tem impaciência que algumas vezes a ponto de querer reduzir jogadas onde teria ganhou de 1yds no mínimo indo a perda de 3yds, ele tem a tendência de ver algumas vezes zonas bem cobertas na janela e querer sempre ir por fora, jogo bem visado dele, como recebedor não é seguro para receber bola slonge do corpo ou sua proteção, e como bloqueador ele é péssimo, característica que praticamente nos outros 4 são no mínimo normais nisso ele é ruim por isso na NFL será um 2down back e não mais que isso, ele também tem problemas com uso de velocidade para separação do marcador e é ruim em leitura de zona (um corredor de tackels que escolhe bem janelas mas que no campo externo tem problemas para escolhas de onde atacar).

Pode não ser já um cara que o Browns olhe para início de RD2, acho que não tem atributos que não passe ele de 2down back, leituras de zona e explosão para ganho da marcação serão evoluídos na liga mas não ter um minimo um Block decente cai demais no meus conceitos.

Ronald Jones No.6

Empatado com o Penny praticamente, atleticamente tem boa velocidade máxima, tem visão para escolha de buracos no jogo muito bom, ele é confiável em terceiras descidas, bom a muito bom em forçar os defensores a mudar seu ângulo de perseguição, tem uma das melhores proteções da bola e sabe usar os braços a ela por isso bem confiável para o jogo aéreo (consegue boa separação da marcação mais que o Penny consegue o resumindo é sólido em todos os quesitos.

Ele tem os mesmos problemas que o Penny em leitura de zonas, tem paciência mas tem dificuldades para leituras de janelas e tem a minha maior preocupação com sua força, você assiste seu jogo e não consegue ver potência/força nele com isso é impensável ele ser um RB para uma 3rd & 3/2/1 onde precisará quebrar tackels na força (certamente ele não conseguirá) ele tem boa proteção da bola com uso certo das mãos mas seus pés sempre tendem a afundar no buraco quando vê um defensor a frente, ele cria boas separações mas quando vai disputar no contato tem grandes dificuldades. No bloqueio parece um pouco “menos pior” que o Penny mas mesmo assim não existe técnica nenhuma nele, seu bloqueio é exatamente abaixar a cabeça e forçar seus pés pra pelo menos conseguir disputar no contato.

Ele é talentoso mas o escolher terá que ter um processo de aprendizado muito maior que os outros, um ganho de massa e força intensa…

Mais uma boa classe e o Browns com picks altas na minha visão não deve olhar a baixo desse top6, já que passamos na de 2027 sem ninguém é o sucesso passou na nossa frente precisamos buscar talento alto nessa principalmente visando num RD2.

DEIXE UMA RESPOSTA