Mais uma vitória apertada que poderia ter sido tranquila. O que importa é o resultado e que o time parece, mais uma vez, não ser afetado por questões extra-campo. Além disso, tivemos a prova mais concreta que JuJu será uma arma a longo prazo para o time (ele tem só 20 anos!) e que a defesa cresce nos momentos em que precisamos mesmo quando não está no melhor dia.

O bom

O bicicleteiro. Ele nasceu John Smith, mas se transformou em JuJu Smith-Schuster. Ontem, ele se transformou no WR #2 do Steelers enquanto Martavis pode apenas assistir das laterais. JuJu mostrou até uma velocidade incomum, como se estivesse em sua bicicleta, no touchdown de 97 jardas que foi a pontuação crucial do jogo.

A defesa não foi bem, até o campo encurtar. Os Lions chegaram cinco vezes a nossa redzone e não marcaram nenhum touchdown. Incluindo duas sequências dentro da linha de cinco em que seguramos na quarta descida em uma e forçamos um field goal de 19 jardas em outra. A inexistência de um jogo terrestre do oponente ajudou, mas quando a coisa ficou complicada a defesa apareceu como esperamos que ela apareça. Destaque especial para Alualu, que conseguiu um dos dois sacks do time e foi um gigante contra as corridas.

O mau

Em um jogo onde a defesa anulou o fraco jogo terrestre dos Lions, a pressão teria que ter funcionado melhor em cima de Matthew Stafford, ainda mais considerando que a linha ofensiva do Detroit Lions foi para o jogo como uma grande colcha de retalhos. Ceder 423 jardas aéreas quando a única opção do adversário é ir para o ar não é aceitável, ainda mais com vários erros na marcação em zona da secundária, inclusive do experiente Joe Haden.

Outra atuação abaixo de Roethlisberger. Passes imprecisos e uma interceptação questionável. Antonio Brown salvou a pele de Big Ben no que virou uma big play e, antes de um dos poucos passes verdadeiramente bons dele (o TD para o JuJu) Ben errou um Jesse James completamente sozinho. No final das contas isso não custou a vitória, mas ainda preocupa para o restante da temporada.

O próximo

Folga. Paz no coração. Se recuperar de qualquer lesão incômoda (graças aos céus não tivemos nenhuma situação mais séria no departamento médico esse ano) e preparar o time para a faixa final do campeonato. O Steelers tem uma sequência até tranquila após a folga. Colts fora, Titans e Packers (sem Rodgers) em casa, Bengals fora, Ravens e Patriots (valendo folga nos playoffs?) em casa, Texans fora e Browns em casa para fechar o ano. A preparação para isso começa agora.