Mais uma free agency se passou, e assim como ano passado, o general manager Mickey Loomis adotou uma estratégia conservadora, com aquisições pontuais, e sem supervalorizar atletas, como era de costume. Considerei a Free Agency de 2018 muito boa, apesar da (desnecessária) novela referente a renovação de Drew Brees, que se encaminhou para um final feliz e esperado, além disso, posições necessitadas foram endereçadas e os “buracos” restantes serão cuidados no draft. Nesse ano, Loomis mostrou mais uma vez o seu talento para abrir espaço no “cap” com algumas manobras financeiras que possibilitaram mais competitividade no período, irei agora avaliar os principais movimentos da FA.

  • Renovações:

Duas das principais preocupações entrando na FA eram em relação as renovações de Okafor, mas principalmente de Brees, que para a alegria de New Orleans, aconteceram.

A negociação de Brees teve um drama inesperado, devido à demora para fechar, e depois de muita especulação da mídia, foi acertado um contrato de mais dois anos, valendo cerca de $ 50 MM. E com a equipe tomando rumos para se manter como “contender” em 2018, esse acerto foi fundamental, pois além de dar, no mínimo, mais duas oportunidades de Brees conseguir mais um anel, dá também tempo para ele ser o mentor de um possível sucessor.

Já a renovação de Okafor ocorreu quando todos menos esperavam, isso porque após alguns dias de free agency e a contratação de alguns jogadores, os fãs imaginavam que não houvesse mais espaço para contratar alguém do calibre de Okafor. Foi quando Loomis em uma de suas engenharias com o “cap space” abriu espaço e recontratou o atleta que foi muito importante na última temporada jogando oposto à estrela da linha defensiva, Cameron Jordan.

  • Patrick Robinson, Cornerback, Eagles

A contratação de Robinson dividiu boa parte da torcida dos Saints, muito porque é inevitável não o relacionar com aquele jogador selecionado na primeira rodada do draft que nunca atendeu as expectativas em New Orleans. Apesar disso, o cornerback, após rodar um pouco na liga, passando por Chargers, Colts e Eagles, retorna ao Saints um jogador diferente, hoje é considerado um dos melhores cornerbacks de slot da NFL, e essa era uma das maiores necessidades do time, a contratação de Robinho veio para fortalecer uma secundária já muito respeitada.

  • Demario Davis, Linebacker, Jets

Confesso que quando foi anunciada a chegada de Davis, fiquei um pouco assustado, por não o conhecer muito, e principalmente pelos valores do contrato. Após estudar um pouco o jogador, vejo que seu estilo se encaixará bem em New Orleans, é um jogador rápido, inteligente e bom nas jogadas de blitz. Davis trará o atleticismo que o corpo de linebackers precisa, pois a equipe sofreu na temporada passada na marcação de running backs. Quanto ao preço, continuo achando que foi um pouco salgado, porém se Davis jogar bem e solucionar problemas que temos na defesa, esquecerei isso rapidamente.

  • Kurt Coleman, Safety, Panthers

Essa foi de todas, a contratação que menos gostei, não pelo jogador em si, mas pelo preço gasto no contrato, e também sua duração. Penso que Loomis foi impaciente quanto a essa negociação, pois se ele tivesse esperado a free agency, veria que o mercado de safeties estava muito mais tranquilo, vide o contrato de Mathieu com os Texans, de 7 MM. Apesar disso, Coleman não é um jogador ruim, e se estabeleceu como um titular sólido da liga, ele trará inteligência e experiência a nossa secundária, e provavelmente jogará rotacionando entre Vonn Bell e Patrick Robinson.

  • Jermon Bushrod, Guard, Dolphins

Essa contratação é importante no sentindo de depth na linha ofensiva, pois vimos ano passado que é importante ter bons jogadores à disposição na reserva, Kelemete por exemplo, foi peça fundamental do setor, e saiu para os Texans. Bushrod é um atleta experiente e que conhece o Saints, por isso não terá problema de adaptação, além de que pode ser importante na ajuda aos jogadores de linha ofensiva mais jovens.

  • Benjamin Watson, Tight End, Ravens

Benjamin Watson é outra cara conhecida da torcida do Saints, teve uma ótima passagem na equipe, e tem bastante entrosamento com Drew Brees. Gostei bastante dessa contratação, pois a chegada de Watson tira a urgência da aquisição de um tight end em uma posição alta no draft, deixando a equipe com a opção de draftar um jogador com potencial, mas que não esteja pronto para assumir a titularidade da equipe em seu primeiro ano na liga, fazendo com que Watson trabalhe como um tutor para desenvolver o talento do calouro.

DEIXE UMA RESPOSTA