Estamos em mais um final de Free Agency, e os principais moves que as equipes poderiam fazer, já foram feitos (salvo algumas exceções). O desempenho de Mickey Loomis a frente do período foi, mais uma vez, um dos destaques da liga, conseguindo reforçar o elenco sem supervalorizar atletas, e fazendo como de costume, malabarismos para abrir ainda mais espaço no salary cap. Agora vou analisar nossas movimentações até o momento, e um pouco mais para frente farei o primeiro mock draft de 2020.

  • Drew Brees, Quarterback.

É possível você não ter gostado dessa movimentação por achar que Brees não fez um “desconto da casa” para liberar a folha, eu discordo dessa teoria. Drew Brees ainda é um jogador top 5 em sua posição na liga, e estará recebendo menos que Ryan Tannehill e Garoppolo, e convenhamos que se ele fosse testar o mercado provavelmente receberia um contrato melhor do que os U$ 30 milhões por ano que Brady conseguiu. A verdade é que, Brees era sem dúvidas, nossa melhor alternativa disponível para tentar mais uma ida ao Superbowl, e os U$ 25 milhões por ano foram uma pechincha dado o que ele ainda pode render e a sua influência positiva no vestiário.

Nota: 9,0

  • David Onyemata, Defensive Tackle.

Outra bola dentro de Loomis! Onyemata, desde que foi draftado pelo Saints em 2016, vem evoluindo ano a ano e aos poucos conseguindo equilibrar seu atleticismo com técnica. Eu sou um grande fã de Sheldon Rankins, mas infelizmente ele não vem conseguindo se manter saudável e é difícil contar com ele no final da temporada. Sabemos o quanto é importante a pressão interna ao quarterback, e Onyemata vem suprindo a ausência de Rankins muito bem, tendo atuações de um jogador titular da liga, por isso, achei o contrato de U$ 26 milhões por três temporadas uma barganha pelo jogador, que tem tudo para continuar evoluindo.

Nota: 9,0

  • Andrus Peat, Offensive Lineman.

         Acredito que essa foi a movimentação que menos gostei. Era óbvia a necessidade de um left guard com a saída, a princípio, de Peat, e se formos olhar para o jogador, a renovação seria a alternativa ideal. Isso porque, ele é versátil para jogar de left tackle nos jogos que Armstead provavelmente perderá por lesão, além de ser um guard sólido e que já conhece o nosso sistema e tem entrosamento com o resto da linha, o que é fundamental para um ataque. O que não gostei foram os valores, um contrato de 5 anos beirando os U$ 60 milhões é muito alto para um jogador mediano e que vem perdendo constantemente partidas por lesão. Provavelmente o mercado dele estava nesse valor, e se ele conseguir melhorar sua irregularidade, talvez faça valer o contrato, mas para mim, no momento, não vale.

Nota: 6,5

  • Malcom Jenkins, Safety.

É normal no período de free agency uma negociação ser avaliada de uma forma e alguns dias depois a nota melhorar ou piorar, foi o que aconteceu comigo com a chegada do Jenkins. Eu sou fã do jogador, e acho que ele trará um impacto extremamente positivo para o time, tanto no vestiário como em campo. Em relação aos valores, achei justo U$ 8 milhões por ano para um safety de alto nível, o que me incomodou um pouco foi a duração do contrato. Penso ser um pouco arriscado fechar um contrato de 4 anos para um jogador de 32 anos, deixando a equipe exposta a uma aposentadoria a qualquer momento. Apesar disso, Jenkins pode ser a peça chave para liderar uma secundária jovem e com o potencial altíssimo, e provavelmente daria nota 9 para essa movimentação. O que me impede de dar essa nota foi a saída de Bell por um valor surpreendentemente baixo. No curto prazo, em 2020, e talvez até 2021, o retorno técnico de Jenkins pode ser maior, mas Bell é um jovem safety que vinha progredindo a cada ano e ainda pode se tornar um jogador dos primeiros escalões da liga.

Nota: 8,5

  • Emmanuel Sanders, Wide Receiver.

         A movimentação relevante mais recente do Saints na free agency foi para fechar com chave de ouro. Era gritante a necessidade de um WR2 para fazer dupla com o All Pro Michael Thomas, e conseguimos fechar com o melhor disponível. Na maior parte de sua carreira, Sanders foi o WR2 das equipes que jogou, então está acostumado a não ser o jogador mais acionado do ataque. Havia algumas dúvidas em relação a sua idade, mas não vejo isso como empecilho algum, Sanders, mesmo com 33 anos, sempre foi, ao longo da carreira, um atleta consistente, e um fato que mostra isso é o de que foi o único jogador a jogar 17 partidas na última temporada regular. O retorno técnico que ele pode trazer no slot com suas rotas precisas, e seus cortes limpos pode ser muito alto e tenho certeza que Drew Brees está muito feliz com seu mais novo alvo.

Nota: 9,5

  • Outras movimentações e considerações finais

Além dessas movimentações, a equipe renovou e reduziu os impactos salariais de dois veteranos que chegaram em 2019, Janoris Jenkins e Kiko Alonso. Essas renovações, pelos valores e pelos jogadores foram ótimas, e um dos melhores momentos de Loomis na free agency. Uma dupla de corners como Lattimore e Jenkins vai impor muito respeito aos quarterbacks adversários e Alonso, se conseguir se manter saudável, já mostrou o linebacker intenso que ele pode ser na liga.

No geral, achei mais uma baita free agency de Loomis & Cia, preenchendo as lacunas necessárias e dando liberdade para explorar um leque de opções no draft.

Nota Final: 8,5.

DEIXE UMA RESPOSTA