Estamos a poucos dias do draft da NFL, último passo para iniciar de fato a temporada de 2020/2021. A equipe do Saints tem poucas lacunas em seu elenco, o que abre muitas possibilidades para o draft. Nos últimos dias foi comentada a possibilidade de uma troca do Saints para o top 3 para selecionar um quarterback. Apesar de ser fã de Tua Tagovailoa e apostar na sua condição física, não vejo a equipe com capital para subir da 24ª escolha para o top 3, seria um trade up que eu não lembro de acontecer. De qualquer maneira, nesse mock e no próximo, que será na semana do draft, não farei trocas, mesmo vendo com bons olhos um trade down. Dessa vez, para fazer a simulação das escolhas usei o On the Clock Draft Simulator, vamos às escolhas:

  • 1ª Rodada – Jeff Gladney, Cornerback, TCU.

A renovação de Janoris Jenkins foi uma surpresa para boa parte da torcida, e apesar de ótimo jogador, ele não é a nossa resposta no longo prazo. A posição de cornerback apesar de estar bem definida no time titular com Lattimore, Jenkins e Garner Johnson no slot, está desequilibrada no quesito outside corner sem ter um reserva que jogue efetivamente na função. Gladney seria esse jogador, é um cornerback extremamente físico mesmo não sendo tão alto ou forte e sabe jogar em man ou em zone coverage. O jogador tem alguns defeitos como a 50/50 balls contra recebedores mais altos e os double moves adversários, mas é um cornerback com o potencial de estar entre os grandes da liga.

  • 3ª Rodada – Malik Harrison, Linebacker, Ohio State.

E a colônia de Ohio State em New Orleans continua! O selecionado dessa vez é Malik Harrison, que chega para compor o elo mais fraco da equipe, o corpo de linebackers. Não vejo ele com aquela velocidade sideline-to-sideline, o que pode limitar suas funções. Possui um ótimo tamanho para a posição e se destaca em chamadas de blitz, porém não é muito confiável no quesito marcação. Apesar de nessa escolha ter jogadores mais talentosos disponíveis, como Logan Wilson, vejo Harrison o mais pronto, e dada a nossa instabilidade na posição, não podemos arriscar muito.

  • 4ª Rodada – Thaddeus Moss, Tight End, LSU.

Apesar de Thaddeus ganhar muita mídia por causa de seu pai, o recebedor HOF Randy Moss, ele é um prospecto muito interessante. Não tem um atleticismo ou um protótipo físico que impressionem, mas é um jogador com ótimas mãos e um bom desempenho nos bloqueios, o que é raro de encontrar em tight ends no college. Vejo muito potencial para Moss se desenvolver e se tornar um sólido titular na liga, e um elenco com Sean Payton e Drew Brees no comando do ataque favorece muito para que isso ocorra.

  • 5ª Rodada – Anthony McFarland, Running Back, Maryland.

O grupo de running backs hoje conta apenas com Alvin Kamara e Latavius Murray, e precisa de alguma adição. McFarland ter sobrado nesse ponto no draft é uma surpresa para mim, pois é um prospecto muito veloz e ágil, que sabe correr entre os tackles além de ser uma boa opção no jogo aéreo. A lesão da temporada passada pode fazer com que ele caia consideravelmente no draft, e se estiver disponível na 5ª rodada, será uma barganha para qualquer time, afinal a liga já mostrou a quantidade de bons running backs que produz no final do draft.

  • 6ª Rodada – James Morgan, Quarterback, Florida International.

Eu acredito na tese que para draftar um quarterback ou se faz na primeira rodada ou nas rodadas finais, caso o contrário o risco que se corre é muito grande em desperdiçar uma escolha alta. Essa seleção foi muito mais em função da necessidade de um terceiro quarterback, o que possibilita o uso de Taysom Hill com menos limitações. Sobre o prospecto, não vi nada que saltasse os olhos, leituras ruins apesar de ter mostrado um bom braço na universidade. Quem sabe Sean Payton e a comissão consigam tirar algo dali, mas eu não teria muita esperança.

DEIXE UMA RESPOSTA