A pré temporada começou há pouco tempo e tivemos os primeiros trabalhos do nosso novo técnico Stan Van Gundy com o grupo de jogadores. Além disso, também tivemos a adição de Steven Adams, Eric Bledsoe, Kira Lewis Jr, Willy Hernangomez e Weynen Gabriel com contratos definitivos e Naji Marshall e Will Magnay em contratos two-way no elenco.

O nosso coach deu duas entrevistas nos dois primeiros dias de treinamento e deu um parecer de como está sendo o começo de trabalho, falou sobre a filosofia que ele pretende implementar nesse jovem elenco e como vai fazer para ajeitar o time do seu jeito.

Ele, como muitos já sabem, tem como principal característica do seu estilo de jogo a forte defesa e é isso que está tentando passar para o grupo, a filosofia de ter a defesa em primeiro lugar, diminuir a efetividade do oponente pontuar. Dentro dessa filosofia, existem particularidades que o treinador gosta de reforçar bastante: a proteção de aro, diminuir o número de infiltrações e finalizações perto da cesta. Van Gundy pensa assim pois, segundo ele, bandejas e enterradas são as segundas formas mais efetivas de se pontuar, perdendo somente para lances livres, que normalmente são ocasionados em jogadas perto da cesta. Ele complementa dizendo que tirar as formas mais eficazes de pontuar do time adversário melhorará a eficácia na defesa e que a melhor defesa da liga no último ano (Milwaukee Bucks) foi o time que menos tomou pontos no garrafão. SVG fez um ótimo trabalho quando treinava o Orlando Magic na época de Dwight Howard na qual conseguiu utilizar do potencial e fazer dele o melhor defensor da liga sendo 3x o Defensive Player of the Year e 5x NBA All-Defensive Team. Com isso, se espera que possa utilizar de todo potencial atlético e físico de Zion para transformá-lo em um defensor de elite. O treinador reconhece o potencial defensivo desse elenco, com Lonzo, Ingram, Zion, Bledsoe e Adams e diz que agora o desafio é encaixá-los em um esquema onde extraia o máximo do potencial de todos, e reforça que é preciso entrega dos jogadores, que eles entendam a filosofia e as prioridades defensivas e entendam o próprio sistema defensivo e como cobrir situações diferentes. Pois todos tem que fazer parte disso, que não é um papel individual e sim coletivo.

Outro ponto abordado na entrevista foi o alto número de turnovers da temporada passada, Stan disse que estão tentando melhorar isso e construir hábitos de cuidar mais da bola durante a posse, algo que já teve uma melhora mas ainda precisa melhorar. Ele falou o quanto isso é prejudicial para a defesa, que por estar em um cenário de contra ataque a defesa está toda desarrumada e tem poucas chances de evitar a cesta, que uma parte importante da melhora na eficiência defensiva vai começar diminuindo esse número de percas de posse no ataque. Outro ponto que citou que em que é preciso melhorar é a comunicação do time em quadra. JJ Redick já havia falado que esse é o time mais quieto que ele já trabalhou e SVG concorda que isso é um problema, ele entende que no elenco não temos muitos líderes vocais que falam e instruem toda posse de bola e disse que não quer mudar a personalidade de ninguém, mas que uma boa comunicação é essencial no trabalho defensivo. Porém, a equipe vêm tentando melhorar nesse quesito, incentivando e encorajando a comunicação nos treinos, mesmo sendo essa uma etapa que vai demorar um pouco mais até criar tal hábito.

Uma coisa que foi deixada bem clara nas entrevistas foi o respeito pela importância de cada passo do processo de maturação e desenvolvimento dos jovens. Van Gundy sempre enfatizou que não quer “construir a casa” com pressa e acabar pulando algumas etapas importantes, mas sim que estão tentando agilizar esse processo para já estarem aptos a competir. Com calma, afinal é um núcleo bastante jovem e com bastante tempo até estarem “prontos”. Quando perguntado sobre o desenvolvimento de jogadores, ele disse que tudo que faz é desenvolver jogadores, que para o mesmo, esse é o papel do treinador. SVG pensa que “desenvolver um jogador” é deixá-lo apto a jogar basquete em equipe e ganhar jogos. “Tudo o que você faz é o desenvolvimento de jogador, treinar é tentar melhorar o seu jogador e suas equipes, é simplesmente isso”.

Um jornalista queria saber como ele vê e define a cultura que pretende implementar no time e qual o impacto disso no seu estilo de jogo. O recém-chegado treinador respondeu que, para ele, a coisa mais importante para conseguir vencer é talento, que existem alguns exemplos onde talento não foi o suficiente e que o time mais talentoso não venceu. Também disse que sim, é necessário trabalho duro, não ser egoísta e estar comprometido com o processo, mas, a cultura não é o que você fala e sim o que você faz todos os dias. E que agora é muito cedo para falar sobre essa coisa de “cultura”, afinal foram só 2 dias de treino. Foi perguntado também se lhe admira a cultura de alguma outra franquia, ele respondeu que admira o jeito que o Spurs e Miami jogam e seus trabalhos dentro de quadra, porém, conhecer a cultura desses times só é possível para quem quem está lá dentro, vivenciando isso.

E aí, o que estão achando do começo do trabalho do nosso novo técnico? Empolgados para ver como esse novo sistema vai funcionar na próxima temporada? Deixe seu comentário.

DEIXE UMA RESPOSTA