niners e packers

Nesse final de semana, o campeão da NFC será conhecido. Ano passado, Rams e Saints se enfrentaram em um jogão que só foi decidido no overtime (e também pela arbitragem) e a equipe de Sean McVay se tornou a campeã nacional. No próximo domingo (19), velhos conhecidos de playoffs voltam a se enfrentar em um final valendo suas temporadas. San Francisco 49ers e Green Bay Packers entram no Levi’s Stadium às 20h40, em Santa Clara. E esse confronto é recheado de muita história e rivalidade.

CURIOSIDADES DO CONFRONTO

Desde Favre vs Young nos anos 90 ou a “mágoa de Rodgers”, são duas das equipes das tradicionais da NFL. De um lado temos Green Bay, com sua torcida apaixonada, tradição em playoffs e um tal de Aaron Rodgers. De outro, um Niners empurrado pela sua torcida, com Mike Shanahan inspirado e embalado após ótima vitória em cima dos Vikings.

Durante os anos 90, as equipes se enfrentaram quatro vezes seguidas em playoffs, incluindo uma final de conferência, com os cabeça de queijo vencendo 3 dos 4 confrontos. A vingança veio no último confronto entre as equipes. E foi no Divisional de 2012, quando Colin Kaepernick fez um jogo impecável e levou os Niners para a final da NFC (que venceria, mas veria os Ravens levantando o Troféu Vince Lombardi).

No Draft de 2005, os quarterbacks Aaron Rodgers e Alex Smith eram os principais candidatos para a primeira escolha geral. E quem tinha essa primeira escolha? Isso mesmo, os Pack… não, era dos Niners (!!!). Rodgers era da Universidade da Califórnia, nascido torcedor dos Niners e tinha Joe Montana e Steve Young como seus maiores ídolos. E o Niners optaram por… Alex Smith. Rodgers despencou no colo de Green Bay na 24ª escolha geral, sendo o substituto de Brett Favre. O quarterback dos Packers ficou bem chateado por não ter sido escolhido pelos Niners (e do outro lado foi clara que a escolha foi equivocada). Vale conferir a história desse Draft, é muito legal! (em inglês):

Durante a temporada regular desse ano, os times se enfrentaram e foi um verdadeiro massacre dos Niners. Um sonoro 37 x 8 e com Rodgers fazendo uma das piores apresentações de sua carreira. A defesa vermelha e dourada não deixou o quarterback respirar, enquanto o jogo corrido de Mike Shanahan controlou o relógio da partida o tempo todo.

SAN FRANCISCO 49ERS É A MELHOR EQUIPE DA NFL

O clima não poderia ser melhor para os Niners. Vitória convincente na fase Divisional, melhor defesa contra o jogo aéreo e segunda melhor em jardas totais, quarto melhor ataque em jardas totais e segundo melhor ataque em jardas terrestres. Esse é o San Francisco 49ers de Mike Shanahan, o principal responsável por essa campanha maravilhosa.

De segunda escolha geral no Draft para melhor time da NFL em 2019. A reestruturação dos Niners começou quando Nick Bosa (principal prospecto de defesa) caiu no colo de San Francisco. A elevação do nível de jogo da linha ofensiva, o bom comité de running backs e a volta de Jimmy Garoppolo após lesão que o tirou da temporada 2018 também foram essenciais para a grande melhora dos Niners.

O front-7 é poderoso e foi capaz de derrubar Kirk Cousins cinco vezes no último final de semana durante o Divisional contra os Vikings e a secundária que no inicio da temporada não passava confiança foi a melhor na temporada regular. Não é segredo para ninguém que a equipe dos Niners é bem melhor (no geral) do que os Packers.

A grande fraqueza dos Niners? Jimmy Garoppolo. O ex-quarterback dos Patriots fez uma boa temporada regular, mas é de longe o elo mais fraco da equipe. Ele é um bom quarterback, não intenda mal. Mas suas decisões e principalmente seus passes em profundidades são problemas para os Niners. Ele não se mostra confortável em deslocamento no pocket e faz pouco uso de suas pernas. Ou seja: quando o pocket explode, Jimmy G geralmente fará alguma escolha equivocada.

Para vencer, os Niners não devem deixar Aaron Rodgers com posses. Devem correr a bola, forçar turnovers ou three and outs e o mais importante: evitar que Jimmy G precise fazer muitos passes. Shanahan como um ótimo controlador de relógio que deverá abusar de seus bloqueios criativos nas suas corridas. Caso o jogo terrestre dos Packers encaixe, pode ser um grande problema pros Niners, já que pelo ar, sabemos que tem alguém que resolve.

GREEN BAY PACKERS COMO AZARÕES

É difícil ver um equipe que tem Aaron Rodgers como seu principal jogador sendo chamado de azarão. Mas essa é a cotação em Las Vegas, que coloca os Packers sete pontos abaixo dos Niners como favoritos. E a vitória suada em casa diante de um valente Seahawks no Divisional, acendeu uma luz vermelha na equipe de Wisconsin.

A campanha dos Packers foi ótima, mas engana aos olhos. Foram 13 vitórias, mas algumas são bem contestáveis, com um futebol bem “pobre” jogado e olhando as tabelas entre eles e os 49ers, os cabeça de queijo tiveram uma vida bem mais tranquila. E a própria derrota para os Niners mostra que a equipe é bem instável.

A defesa mostrou bons momentos (como na noite de estreia e vitória contra o Bears) mas foi apenas a 18º em jardas totais, a 14ª no jogo aéreo e a 23ª no jogo terrestre, ou seja, não convenceu ninguém. Os “Smiths” são os lideres dessa defesa e foram os destaques nessa temporada regular, sendo de grande ameaça para Jimmy G.

No ataque, Rodgers conta com grande química com Davante Adams e ótima temporda de Aaron Jones. Mas apesar destes nomes, foram apenas o 18º ataque em jardas totais, 17º em jardas aéreas e 15º em jardas terrestre. A linha ofensiva não me parece a mesma de anos atrás e a idade também chega para Rodgers.

A temporada do quarterback foi boa em números. Foram 4,002 jardas, apenas 26 touchdowns (mas isso de deve ao fato de Aaron Jones ter muitas carregadas na redzone) e só QUATRO interceptações. Com a bola nas mãos, Rodgers sabe cuidar bem dela e consegue achar companheiros livres. O problema é ele lançar mais de 40 bolas por jogo. Quando se tem um quarterback com idade avançada, não é necessário ficar forçando ele quase todo o jogo, é necessário o jogo corrido fluir bem.

E é o que vem acontecendo com Aaron Jones e Jamaal Williams. Ambos vem fazendo um bom trabalho (Jones mais na redzone e Williams como recebedor). É preciso desafogar Rodgers e fazer isso bem, caso os Packers queiram vencer. E na defesa, não deixar que Shanahan tome conta do relógio como foi na semana 12, forçar turnovers fora de casa e deixar Garoppolo desconfortável no pocket todo momento, forçando-o passes longos e descidas longas.

DEIXE UMA RESPOSTA