Uma das coisas mais legais no futebol americano universitário é descobrir novos talentos. Sobretudo aquelas joias escondidas no College Football, que estão em programas menos midiáticos ou que voam fora do radar dos principais analistas.

Neste último draft, nomes como os safeties Jeremy Chinn e Kyle Dugger ou o tackle Matt Peart  geraram enorme buzz e foram escolhidos entre as 100 primeiras escolhas. O All College elaborou uma lista com dez joias escondidas no College Football para você acompanhar durante a temporada 2020 e já fazer anotações sobre eles.

Mas é claro que você não verá aqui o nome de Trey Lance. O QB de North Dakote State já é figurinha carimbada nas análises do futebol americano universitário, inclusive por aqui.

Acompanhe abaixo cinco nomes de ataque e cinco atletas defensivos. E fique ligado no desempenho deles no futebol americano universitário.

RB – Trey Ragas – Louisiana-Laffayete Ragin Cajuns

Em 2019, Ragas contou com Robert Hunt e Kevin Dotson abrindo verdadeiras avenidas para ele correr: foram 7.1 jardas conquistadas por corrida. Com os dois linemen na NFL, Ragas terá que usar seu talento tendo uma OL menos atlética abrindo espaços para ele em relação à temporada anterior. Paciente, com boa leitura dos bloqueios e uma habilidade para quebrar tackles, Ragas tem tudo para seguir brilhando pelos Ragin Cajuns.

OG – Quinn Meinerz – Wisconsin-Whitewater

Talvez a joia mais escondida de todo o College. Quinn Meinerz é um guard da minúscula Wisconsin-Whitewater, que disputa da 3ª divisão do futebol americano universitário. Mas, independente do nível de competição, ele domina em campo. Meinerz é brutal no jogo corrido, dizimando defensores rivais e os transformando em panquecas. Seu desempenho na proteção ao passe é ok, mas precisa polir sua técnica para quando enfrentar adversários mais fortes e habilidosos. Será divertido vê-lo contra atletas do mais alto nível no Senior Bowl, se ele for convidado.

OT – Dillon Radunz – North Dakota State

O hype em cima de Trey Lance ajudou Dillon Radunz. O jogador começou a ser mais notado após todo mundo começar a procurar vídeos do ataque dos Bisons. Radunz é um left tackle com protótipo físico ideal para posição: 1,98m e 136 quilos. O LT é um atleta experiente, com 32 jogos no College, que precisa melhorar sua técnica, sobretudo no posicionamento de suas mãos contra o passe. No jogo corrido, Radunz pode ser um pouco mais físico, impondo sua vontade sobre seus rivais. 2020 é o ano para evoluir e mostrar que tem potencial para ser titular na NFL.

Leia também no All College

Chuba Hubbard quer mudanças em Oklahoma State

Justin Fields ou Trevor Lawrence: quem é melhor?

Reggie Bush está de volta a USC

QB – Shane Buechele – SMU

Reserva de Sam Ehlinger em Texas, Buechele foi atrás da titularidade em SMU. E impressionou no campo dos Mustangs, com quase 4000 jardas e 34 touchdowns.  Buechele tem boa leitura do campo, um braço potente e não se intimida com janelas pequenas, confiando em seus recebedores para competir por bolas “divididas”. Além disso, Buechele ainda tem velocidade razoável, conseguindo colocar pressão nas defesas adversárias quando ele decide correr para conquistar jardas.

WR – Austin Watkins – UAB

UAB ficou dois anos sem um programa de futebol americano, retornando em 2017. E Austin Watkins talvez seja o melhor talento que apareceu nesta universidade desde seu retorno às atividades atléticas. Com boa estatura, velocidade para alongar o campo e habilidade para achar as zonas livres do campo, Jackson empilha números impressionantes: 57 recepções, 1092 jardas e seis touchdowns em 2019.

DT – Dom Peterson – Nevada

Peterson não impressiona quando você o olha dentro de campo, antes do apito. Mas quando o jogo está valendo o defensive lineman não para de fazer jogadas. Com uma brutalidade em suas mãos, Peterson ataca o peito de seus rivais para conseguir penetração no backfield rival e incomodar QBs e RBs. Em 2019, foram 13.5 tackles para perda de jardas e oito sacks nas contas do defensor.

CB – Amechi Uzodinma – Ball State

Uzodinma tem a chamada “dog mentality”. Joga com uma fisicalidade e ataca a bola e seus adversários de forma impressionante. Demonstra ter velocidade adequada à posição e é inteligente ao ler conceitos de passe dos rivais. E por isso está sempre perto de conquistar uma interceptação ou desafiar a recepção do wide receiver. Em 2019, foi tarefa árdua completar um passe no lado do campo defendido pelo cornerback.

DE – Malcon Koonce – Buffalo

Vendo Koonce atingir alguém é como assistir um acidente entre uma carreta desgovernada e um carro velho. O defensive end é extremamente violento em seus hits, seja contra quarterbacks ou running backs. Não é tão veloz, mas consegue ser flexível, colocando pressão nos OTs vindo pelo edge. Demonstra estar evoluindo seus movimentos de pass rush, não se limitando a apenas uma tática.

OLB – DeAngelo Malone – Western Kentucky

11.5 sacks e 21 tackles para perda de jardas: os números de DeAngelo Malone impressionam. E vê-lo dentro de campo também. O defensive end é ágil, com bom primeiro passo na linha de scrimmage e ótimo lendo o que o ataque rival planeja fazer, logo nos primeiros milésimos da ação ofensiva. Porém, Malone precisa expandir seus movimentos de pass rush e melhorar principalmente seu “bend” ao tentar ultrapassar os OTs pelo edge através da velocidade.

S – Ar’Darius Washington – TCU

O nome badalado da secundária dos Horned Frogs é o safety Trevon Moehrig, mas Ar’Darius Washington não fica tão atrás. Apesar de não cobrir uma área tão grande do campo quanto seu companheiro, Washington demonstra bons instintos e fisicalidade. E te garato: fazer recepção em uma zona patrulhada por ele é das tarefas mais ingratas do College.

DEIXE UMA RESPOSTA