AJ Hinch, ex-treinador do Houston Astros, deu uma entrevista a Tom Verducci no dia 7 de fevereiro, falando sobre o escândalo do roubo de sinais e todas as suas ramificações.

A parte surpreendente da declaração de Hinch é que ele basicamente evitou dar uma resposta direta depois de ser perguntado se poderia garantir-nos que nenhum jogador usou um dispositivo eletrônico (buzzer) para saber qual tipo de arremesso receberia. Ele disse que Rob Manfred comissário da MLB, fez uma investigação bem detalhada e nada dessa natureza foi encontrado. Nos dias seguintes da entrevista, Hinch procurou minimizar a sua declaração, porém sem grande sucesso.

Considerando todas as respostas que ele poderia ter dado, essa apenas acrescenta mais combustível à especulação de que os Astros usaram dispositivos eletrônicos enquanto rebatiam. A verdade possivelmente virá a tona, mas será um processo longo e será preciso contar, como na investigação, com a cooperação dos jogadores.

Números da pós-temporada

Com base na entrevista e toda situação que a cerca, decidimos olhar para a pós-temporada de 2017, mais especificamente para o desempenho dos aces que os Astros enfrentaram no caminho ao título. Houston teve pela frente os Red Sox, Yankees e Dodgers, o que significa que encararam Chris Sale, Luis Severino e Clayton Kershaw. Vejamos os números:

Vejamos os números:

  • “ALDS” Chris Sale:
    – Jogo 1 @ HOU: 5 IP. 9 H 7 R. 7 ER. 1 BB 6 K. 3 HR
    – Jogo 4 (vindo do bullpen) @ BOS: 4 IP. 4 H. 2 R. 2 ER. 0 BB. 6 K. 1 HR
  • ALCS Luis Severino:
    – Jogo 2 @ HOU: 4 IP. 2 H. 1 R. 1 ER. 2 BB 0 K. 1 HR
    – Jogo 6 @ HOU: 4 IP 3 H. 3 R. 3 ER 4 BB 3 K. 0 HR

PS: Severino não arremessou em casa, mas iremos comparar seu desempenho durante esses 2 jogos com o que ele fez na temporada regular.

  • World Series Clayton Kershaw:
    – Jogo 1 @ LAD: 7 IP. 3 H. 1 R. 1 ER. 0 BB. 11 K 1 HR
    – Jogo 5 @ HOU: 4.2 IP. 4 H. 6 R. 6 ER. 3 BB. 2 K 1 HR
    – Jogo 7 @ LAD (vindo do bullpen): 4 IP 2 H. 0 R. 0 ER. 2 BB. 4 K. 0 HR

A razão pela qual escolhemos nos concentrar apenas no desempenho contra os aces é porque eles, provavelmente, causariam mais problemas aos Astros e, consequentemente, a ajuda extra seria mais importante. Nada aqui serve como prova, mas é óbvio que todos os aces que Houston enfrentou em casa na pós-temporada de 2017 tiveram um desempenho muito inferior contra eles.

Análise dos números

  • Chris Sale em:
    – HOU: 5 IP 12,60 ERA. Uma atuação pífia.
    – BOS: 4 IP 4.50 ERA. Muito ruim em comparação com seus padrões, mas nem de longe o que aconteceu no Jogo 1. No entanto, daremos a ele um pequeno desconto, porque ele veio do bullpen.
  • Luis Severino em:
    – HOU: 8 IP 4.50 ERA. Não foi desastroso, mas o arremessador dos Yankees teve duas oportunidades de jogar no nível em que é capaz e não conseguiu. Pra servir de comparação o seu ERA na temporada regular de 2017 foi de 2,98
  • Clayton Kershaw em:
    – HOU: 4,2 IP 12,86 ERA. Para um arremessador com várias decepções na pós-temporada, este pode ter sido o pior desempenho de sua carreira.
    – LAD: 11 IP 0,82 ERA. Kershaw como o conhecemos no estádio dos Dodgers. Ele foi completamente dominante, nos levando a pensar sobre o que aconteceu quanto a roubo de sinais naquele jogo em Houston.

Reiteramos que nada disso serve como prova, contudo é importante ressaltar que Clayton Kershaw e Chris Sale foram bombardeados em Houston e mostraram melhorias significativas em casa; especialmente Kershaw, que teve a chance de arremessar como titular em seus domínios. Já Luis Severino não foi péssimo nos dois jogos, mas esteve bem abaixo de sua média.

DEIXE UMA RESPOSTA