Depois de fazer meu primeiro mock, um pouco mais óbvio, pelo menos na primeira rodada, com a seleção de um Left Tackle e um Wide Receiver, vou tentar ao máximo não escolher jogadores da mesma posição na mesma escolha para os próximos mocks. Para esta segunda simulação utilizei a plataforma da PFN. O cenário para a 16ª escolha foi um pouco diferente e teve algumas surpresas, aqui estão as 15 primeiras escolhas:

Aidan Hutchinson, Sauce Gardner, Kayvon Thidobeaux, Garrett Wilson, Evan Neal, Kenny Pickett, Travon Walker, Drake London, Ikem Ekwonu, Jermaine Johnson, Malik Willis, Derek Stingley, Kyle Hamilton, Trent McDuffie, Jameson Williams.

 

  • 1ª Rodada (Escolha 16) – Charles Cross (OT), Mississipi State

Caso esta configuração, com 3 CBs, 3 WRs, e 2 QBs saindo no top 15, aconteça, Mickey Loomis e Cia devem agradecer, pois estará disponível um grande jogador para a equipe de New Orleans.

Charles Cross é um prospecto completo, muito técnico e bom tanto no jogo terrestre quanto na proteção do passe. Entre os jogadores da posição na classe, vejo ele como OT3, mas sem dever nada aos dois primeiros (Neal e Ekwonu). Em meu último mock cheguei a citar Cross ao falar da minha escolha de outro OT, Trevor Penning e, mesmo não sendo tão atlético, o jogador de Mississipi St é consideravelmente melhor do que Penning e seria o titular da equipe já no primeiro dia da temporada.

 

 

  • 1ª Rodada (Escolha 19) – Jordan Davis (DT), Georgia

Se por um lado esse mock fez com que sobrasse um jogador que deveria ter saído bem antes em Charles Cross, por outro não tem Wide Receivers que valham uma escolha de primeira rodada e seriam um bom fit para o nosso ataque disponíveis, com Williams, London, Wilson e Olave (selecionado na 17ª escolha) já draftados. Desta forma, vamos adotar a estratégia de melhor jogador disponível.

Eu particularmente acho cedo selecionar um DT 0-tech ou 1-tech no top 20, mas Davis é um jogador tão diferente da posição que vale a escolha. Mostrou no combine o monstro atlético que ele é para alguém de seu tamanho e iria ajudar ainda mais uma defesa já eficiente contra a corrida. Apesar de não ser o seu forte, acredito que ele tenha potencial para se tornar um bom pass rusher e um jogador de 3 downs, ainda mais sob a tutela de Ryan Nielsen. Vejo Davis podendo causar grande impacto já em seu primeiro ano na liga e alinhar ele ao lado de Onyemata, Jordan e Davenport tornaria nossa linha defensiva ainda mais assustadora.

 

  • 2ª Rodada (Escolha 49) – Skyy Moore (WR), Western Michigan

Apesar de não termos selecionado nenhum jogador da posição de maior necessidade nas duas primeiras escolhas, wide receiver, não fico nem um pouco triste com essa seleção. Pelo contrário, em minha opinião esse é o jogador mais subestimado do draft.

Moore é um jogador veloz, com rotas extremamente polidas e mãos muito confiáveis e seria o complemento perfeito a Michael Thomas, poderíamos enfim ver o que esperávamos da dupla Thomas-Sanders.

 

  • 3ª Rodada (Escolha 98) – Justyn Ross (WR), Clemsom

Após dois “steals” no draft, vou dar o meu primeiro reach. Não porque Ross não tenha mostrado nada na universidade que o considerassem na terceira rodada, mas porque há algumas bandeiras vermelhas relevantes em relação a ele. Após duas temporadas incríveis em 18 e 19, que o fariam ser uma escolha de primeira rodada, em 2020 sofreu uma lesão na espinha que o tirou da temporada e não recuperou o bom futebol em 2021. Durante os dois primeiros anos, mostrou excelente execução em rotas, muita capacidade em recepções e ótima performance como ameaça vertical. Fato é, se conseguir recuperar o desempenho de seus primeiros anos, sairíamos de um dos piores corpos de recebedores para um dos melhores, com MT, Moore, Harty e Ross.

 

  • 4ª Rodada (Escolha 120) – Zyon McCollum (CB), Sam Houston State

Talvez tenham posições de maior necessidade no elenco do que cornerback, mas tem jogadores bons demais para se deixar passar. Zyon McCollum é um prospecto que é o exato perfil que o Saints selecionou nos últimos anos, cornerback de 6’4” que teve ótima performance no Senior Bowl e no combine, além de um RAS de 10. Além disso, mostrou inteligência e bons instintos na universidade. A grande questão em relação a McCollum é o nível de competição que enfrentou em Sam Houston.

 

  • 5ª Rodada (Escolha 161) – Jojo Domann (LB), Nebraska

Nossos linebackers titulares são excelentes, com o All Pro Demario Davis e o promissor Pete Werner, mas Kwon Alexander saiu e não sabemos se volta e nosso depth não é dos melhores, com Ellis irregular e Baun sem se adaptar ao nosso modelo de jogo. Domann é um jogador intenso, técnico e instintivo, que apesar dos problemas de cobertura seria ótima adição ao elenco.

 

  • 6ª Rodada (Escolha 194) – Abram Smith (RB), Baylor

O momento de se pensar no próximo complemento a Kamara está próximo, se não for agora com Ingram no final de sua carreira e Tony Jones ainda sem se provar. Pensando nisso, selecionei um power back que já jogou de linebacker na universidade, Smith corre com muita força e, além disso, pode ser uma contribuição para os special teams.

DEIXE UMA RESPOSTA