Tom Brady pode sim ganhar o Super Bowl, mas, como seria de se esperar, vai ser bem difícil.

Com os resultados dessa semana de Wild Card, a equipe de Tampa Bay viajará para Louisiana para enfrentar o Saints pela terceira vez nessa temporada. Nos outros dois confrontos, vitória de New Orleans, entretanto, agora a coisa pode ser diferente. Para quem quer usar como parâmetro o que aconteceu na temporada regular, tenho dois exemplos.

  • Steelers x Browns 2020
  • Cowboys x Giants 2007

Eu sei que Pittsburgh não venceu os dois jogos, mas com o seu time reserva, levou Cleveland a uma conversão de dois pontos da prorrogação e dominou o primeiro encontro – e praticamente todo duelo no século. Big Ben teve duas derrotas em 27 jogos contra o Browns.

Nesse sentido, cabe ressaltar que o modo como o jogo da semana 17 aconteceu, passou para muitos um senso de superioridade de Pittsburgh maior do que o que era a realidade. Mas, o que aconteceu na pós-temporada foi um soco no estômago de muita gente.

Por outro lado, Dallas em 2007 teve seed 1 da NFC e venceu NYG nos dois jogos com certa facilidade:

  • DAL 45 X 35 NYG
  • DAL 31 X 20 NYG

Na temporada regular, o Cowboys anotou 76 pontos pontos naquela defesa do Giants e chegou para o Divisional Round como franco favorito. Mas, foi limitado a apenas 17 pontos e perdeu.

Agora, entre Tampa e New Orleans, sabemos que o Saints é um excelente time, joga em casa e tem boas chances, mas não posso vir aqui e cravar um favoritismo apenas pelo histórico da temporada regular. Especialmente considerando que Tampa tem time para jogar de igual para igual e evoluiu demais ofensivamente na segunda metade da temporada.

Evolução pós Ação de Graças

Tom Brady segue sua busca por mais um anel de Super Bowl. Mas, com esse elenco e idade, é possível levantar mais um troféu?
Foto: Reprodução

Aqui, um dado para mostrar essa evolução. Desde o dia de Ação de Graças, estes são os líderes em nota da PFF e TD/INT:

  • Tom Brady 93.6   (17/3)
  • Aaron Rodgers 92.8    (19/1)
  • Josh Allen 91.7.    (18/3)

Esta nota leva em conta, além do comum lançamentos ruins que “deveriam” ser interceptações, dificuldade dos passes e entre outras coisas.

Nesse sentido, este tem tudo para ser o grande duelo desta semana de Divisional Round. Todd Bowles vai ter que ser mais cauteloso com suas zone blitzes contra Brees. Isso porque, como vimos contra Chicago, a precisão e antecipação é tamanha que se a defesa não for física e atrapalhar um pouco, as rotas vão ser dissecadas.

Apesar da opinião popular, Tom Brady foi muito bem nesse primeiro ano em Tampa com um sistema novo. A explosão do ataque do Bucs é, provavelmente, a maior vantagem que tem em relação à New Orleans.

Justamente com base nisso, Tampa venceu Washington nas costas do seu ataque – contra uma defesa top-5. Entretanto, a defesa fez nada contra Washington e isso serve como alerta.

Além disso, como viram no meu texto sobre o Rams, já esperava esse confronto e acho que Tampa leva simplesmente porquê hoje tem um QB melhor. Além de um ataque mais explosivo e, mesmo se sofrer com longas campanhas de Brees, não deve ceder tantos pontos com TDs rápidos.

É uma análise simplista, mas o ponto para mim é ressaltar que, diferentemente do que ocorre com todos os outros times com QBs veteranos, em Tampa Bay as chances de vitórias passam pela capacidade do Brady em jogar em alto nível sem limitações.

Se pararmos para pensar, Tampa se encaixa muito mais com Packers, Bills e até Chiefs (embora estejam um nível acima) em termos de poderio ofensivo.

Futuro

O caminho de volta à Tampa será dificílimo, mas o meu palpite para esses playoffs era de Chiefs x Bucs no Super Bowl da NFL, e continuarei com ele.

Um ponto para deixar em mente e servir até como balanceamento é o possível duelo Packers x Bucs no Championship Game e como aquela vitória categórica na temporada regular também não serviria como parâmetro. Então, não é uma questão de imparcialidade, e sim de análise do que cada time é capaz. 

DEIXE UMA RESPOSTA