Antes de mais nada gostaria de apontar algo que aparentemente está sendo meio que ignorado pela comunidade da NFL e que encaixa com o que falarei sobre a equipe do Los Angeles Rams.

Existem variações, divergências, mas com os playoffs chegando, a grande maioria coloca Chiefs, Bills e Packers como os três favoritos ao Super Bowl. Outros times estão próximos e podem sim vencer o Super Bowl, mas o hype está nesses três que citei. O que eles tem em comum?

Qualquer título por um deles virá pelo ataque, nenhuma das defesas é particularmente tão ruim, mas em cada caso é claramente a unidade mais vulnerável. Com isso em mente, não me venha falar sobre defesas ganharem campeonatos quando estes são os favoritos e o LA Rams com ou sem Goff não recebe, mas nem de perto, a mesma atenção sendo que a sua defesa é elite.

Portanto, vamos falar um pouco sobre a equipe de Sean McVay e o que esperar dela nesta pós-temporada.

Como chegaram aqui?

Não tão favorito, o Los Angeles Rams ainda se apoia na sua forte defesa para tentar surpreender na pós-temporada. Será o bastante?
AP Photo/Tony Avelar

Liderada por Aaron Donald e Jalen Ramsey, talvez a melhor dupla de defensores da NFL, a unidade defensiva do Los Angeles Rams dominou seus oponentes o ano inteiro. Assim, construindo um ótimo caso para melhor defesa da liga.

Lideraram a liga em

  • Pontos por jogo (18.5)
  • Jardas totais (6032)
  • Jardas por jogada (4.6)
  • Expected points contribuìdos pela defesa terrestre (37.54) e contra o jogo aéreo (45.55)

Além disso, também terminaram na segunda posição em Rating do QB adversário, atrás apenas do Steelers. Ou seja, de um modo geral, dominaram os rankings da liga.

Mas, do outro lado da bola, mesmo com a inserção de dois bons calouros em Cam Akers e Vann Jefferson à um grupo de skill players já bem interessante, a unidade ofensiva teve uma produção mediana.

A era pós Todd-Gurley começou até bem com o calouro Cam Akers se juntando à Darrell Henderson e Malcolm Brown. Isso porque, os três conseguiram mais de 4 jardas por tentativa, com pelo menos 100 cada um. Nesse sentido, isso sinaliza o balanceamento nas carregadas. Além disso, os jogadores contribuíram para 12 TDs terrestres. Mas, mesmo assim, o time só foi 17° em jardas por tentativa.

Além disso, Jared Goff continuou sendo Jared Goff. Ou seja, um QB capaz, mas que não faz muito além do sólido, mesmo em uma ótima situação. 20 touchdowns e 13 interceptações está longe de ser o ideal e a cada ano que se passa a cobrança deve aumentar. Até porque, o Rams se prendeu ao Goff pelos próximos anos com aquela enorme extensão contratual.

O que esperar nestes playoffs?

Foto: Wilfredo Lee / Associated Press

No papel, este time deveria ser um Super Bowl contender ou, pelo menos, estar com chances melhores do que 34/1 (número atual). Embora seja em partes influenciado pela incerteza quanto à participação de Jared Goff na pós-temporada, já que lesionou seu dedão na semana 16, em Seattle.

Se você discorda, isso te diz tudo o que precisa saber sobre o QB do Los Angeles Rams. Não é preciso ir muito longe, este matchup contra Seattle na rodada de Wildcard oferece uma reflexão bem interessante.

A equipe de Pete Carroll melhorou defensivamente na segunda metade da temporada. Mas, em partes, porquê o buraco era tão grande que a mera presença em campo oferecia uma grande probabilidade de evolução. Além disso, alguns de seus adversários foram bem fracos e, mesmo Jamal Adams no seu melhor dia, não deixa essa defesa perto do que a unidade de Brandon Staley oferece.

No geral, mesmo os maiores fãs de DK Metcalf devem admitir que o grupo de skill players do Rams é melhor e mais completo. Mesmo sem Andrew Whitworth, o QB do Rams foi sackado em apenas 4% dos snaps; quase metade em relação ao Russel Wilson (7.8); o que, acredite ou não, foi uma evolução em relação aos dois últimos anos.

Favoritismo de Seattle?

Não tão favorito, o Los Angeles Rams ainda se apoia na sua forte defesa para tentar surpreender na pós-temporada. Será o bastante?
Foto: Getty Images

Mesmo com tudo isso, Seattle é favorito (-4.5) neste sábado. Isso porque, a lesão influencia bastante, mas de qualquer forma, a diferença na posição de QB é tão grande que supera todo o resto. Ou pelo menos essa é a expectativa.

Na minha opinião, com ou sem Jared Goff, a equipe de Sean McVay tem plenas condições de se classificar pro divisonal round. Mas vai precisar de turnovers e alta produção naqueles momentos chave. A não ser que, caso jogue, John Wolfford vá lá e espalhe a farofa completamente, o que é improvável, já que mostrou certa compostura contra o Cardinals.

Mas, independente de tudo, este deve ser um jogo equilibrado decidido no fim. Este parece sempre ser o caso com Pete Carroll e o Seahawks

Resumindo, mesmo considerando LA um time melhor do que o crédito que está recebendo, acho que Goff e o teto ali não é tão alto, e mesmo que vença Seattle neste sábado, é difícil imaginar esse time chegando numa final de conferência. Precisarão de algo extraordinário pra isso.

Palpite

Upset em Seattle: 24-20

Sean McVay mantém John Wolfford fora de perigo, LAR vence a batalha dos turnovers e segura Wilson e cia numa campanha final em busca do TD pra escapar de Seattle com a vitória.

Derrota em GB: 34 x 17

Embora os melhores esforços, Davante Adams e Aaron Rodgers se mostram quentes demais para serem parados e GB avança com facilidade pra final de conferência.

DEIXE UMA RESPOSTA