Olá, torcedor dos Colts! Nesta temporada teremos artigos de pós-jogo de forma diferente: mais curtos e objetivos destacando os principais pontos para discussão dos jogos. As análises mais aprofundadas serão guardadas para o nosso podcast semanal.

Os Colts não viam uma vitória na estreia da temporada desde 2013 e também não venciam os Jaguars em Jacksonville desde 2014. Vitória fora de casa da estreia da temporada? Não acontecia desde 2006 e não foi nessa temporada que a história mudou. A combinação histórica pode ser considerada desastrosa pros Colts e pros mais supersticiosos o jogo de abertura da temporada era um prenúncio de derrota. A derrota por 27-20 contra os Jaguars pode custar caro para as pretensões do time de Indiana.

O bom

Primeiramente, é um pouco difícil destacar algo positivo no jogo contra os Jaguars. Parris Campbell merece um item em destaque neste artigo devido a superação das expectativas da torcida. Aqui, vamos falar sobre a atuação de Nyheim Hines que fez o que se esperava em campo. Não era segredo que a grande maioria das pessoas imaginava que a conexão Rivers-Hines pudesse “clicar” rapidamente. Muitos diziam que o jovem seria uma espécie de Austin Ekeler para Philip Rivers, e seu maior uso em campo era uma ponto de grande expectativa.

Com a lesão de Marlon Mack logo no primeiro tempo de jogo, vimos Hines receber ainda mais snaps: 39, o maior número entre os running backs da equipe. Nyheim foi quem mais produziu no ataque, sendo amplamente usado no jogo corrido e também como arma no jogo aéreo. Além disso acumulou 28 jardas corridas e um touchdown terrestre e ainda teve 100% de aproveitamento em seus alvos no jogo aéreo: oito recepções em oito targets que resultaram em 45 jardas aéreas e outro touchdown.

O ruim

Ao contrário do item anterior, aqui temos muito a falar. Fica até difícil escolher apenas um ponto para discutir, porém a defesa foi o setor, como um todo, que mais decepcionou na estreia da temporada. Antes de entrar no mérito defensivo, vamos apenas enumerar alguns pontos negativos do jogo: T.Y. Hilton comentou nesta semana que o time a ser visto em campo seria diferente. Realidade: realmente, tivemos um time diferente em campo, porém diferente para pior em alguns aspectos.

O jogo corrido não correspondeu às expectativas e a linha ofensiva parecia incapaz de mostrar, ao menos parte, o que mostrou temporada passada no jogo terrestre. Entretanto, vale a pena dizer que a proteção a Rivers foi boa, dando certo conforto para o quarterback. Ainda assim, podemos dizer que o ataque não foi exatamente um problema do time, muito pelo contrário, o time foi capaz de produzir 445 jardas totais, além das 27 primeiras descidas, 10 a mais que o adversário.

Então partimos para o principal problema do time e o setor que, certamente, irritou a todos que viram o jogo: a defesa. Não víamos a defesa tão passiva há algum tempo. Os problemas contra o jogo terrestre retornaram, mesmo que o Jaguars tenha conseguido apenas 91 jardas.

A facilidade de atacar por meio dos passes de Gardner Minshew foi ainda maior, o que fez com que os Jaguars explorassem menos o jogo corrido, ainda que ele entrasse com facilmente. O quarterback que foi sensação na temporada passada, mas terminou o ano com desconfiança, errou apenas um passe em todo o jogo. Minshew dominou o jogo e a linha defensiva quase não exerceu pressão sobre o QB. Chegou a marca de 95% de aproveitamento nos passes e três touchdowns. Aí temos mais um ponto negativo da defesa: mais uma vez fomos ineficientes pressionando o QB adversário. Assim, a secundária sofreu muito, falta talento e a ajuda esperada da linha defensiva nunca veio. É importante relembrar que nossa defesa costumeiramente inicia as temporadas em marcha bem lenta, porém não imaginávamos que seria tão lenta assim…

Para concluir o péssimo dia, o RB Marlon Mack rompeu o tendão de Aquiles e está fora da temporada. Um baque enorme para o bom jogo terrestre da equipe e para o jogador, que está em ano de contrato. Frank Reich já anunciou que Jonathan Taylor será o RB1 na próxima semana.

Parris Campbell

Enfim vimos em campo o que se esperava de Parris Campbell na temporada passada. O WR vem para seu segundo ano de liga e foi um dos poucos destaques positivos do time na derrota para os Jaguars. Desconsiderando jogadores da linha ofensiva e quarterback, Campbell foi o jogador com mais tempo em campo pelo nosso ataque, jogando 82% dos snaps, mais até que T.Y. Hilton com 80%.

Liderou o time com 71 jardas recebidas em seis recepções, sendo importante desde o início do jogo por sua capacidade de gerar separação graças à sua velocidade. A conexão Rivers-Campbell parece ser promissora, uma vez que o segundanista teve o mesmo número de alvos que Hilton (9). Naturalmente ainda não podemos cravar que essa será a temporada de Parris pelos Colts, porém o início parece animador, especialmente para quem sofreu com inúmeras lesões em seu ano de calouro.

PRÓXIMO CONFRONTO: Minnesota Vikings

No próximo domingo às 14h o Indianapolis Colts receberá o Minnesota Vikings no Lucas Oil Stadium. Haverá presença de público limitado a 2500 torcedores. Por conta da derrota inesperada para os Jaguars, é fundamental que os Colts vençam essa partida. Os Vikings possuem um ótimo time e serão necessárias mudanças na defesa para não sofrer tanto com Dalvin Cook, Adam Thielen e Kirk Cousins.

 


Fiquem ligados nas notícias sobre o Colts no @HorseshoeBr@potrosbr  e @fumblenanet, além dos pitacos da @CarolVago12, do @pj1992 e do @William_Borella!

Assine o Colts Brasil no Spotify!

Assine o Feed do Colts Brasil para não perder nenhum episódio do podcast ou texto! https://fumblenanet.com.br/feed/coltsbrasil

Siga-nos no Instagram! https://www.instagram.com/podcastcoltsbr/

Fotos: disponíveis no site oficial dos Colts.

DEIXE UMA RESPOSTA