Por melhor que seja uma equipe, ela vai ser derrota em aproximadamente 40% dos jogos na temporada regular da MLB. A derrota faz parte do beisebol, sendo necessário conviver com elas. E aprender com elas. O ouvinte do Padres Cast sabe o quanto batemos na tecla da importância de se ganhar as séries, ainda mais séries em casa e contra equipes com um rendimento abaixo do nosso. Mas os Padres falharam contra os Cubs. E pior, escancararam o maior problema da franquia: o campo externo. Basicamente é só colocar a bola lá e correr para o abraço…

Game 1 – Chicago Cubs 6, San Diego Padres 0

Não tem muito a ser dito em uma partida onde o Café e Ouro esteve 28 vezes ao bastão e alcançou três míseras rebatidas e um walk. Completamente dominado por Hendricks, os Padres sofreram sete strikeouts, com Cronenworth e Grisham liderando o pelotão dos eliminados. Os Cubs, por sua vez, conquistaram onze rebatidas e nem mesmo os nove strikeouts de MacKenzie Gore aliviaram o vexame dos Padres. Verdade seja dita, a notícia de um suposto câncer de próstata do Bob Melvin pode ter abalado a equipe na questão psicológica. Mas não justifica um desempenho tão fraco, muito menos a falta de sintonia entre Cronen e Hosmer. Como nada justifica a má fase de Dinelson Lamet, que um uma entrada cedeu duas corridas, enquanto Stammen cedeu uma em duas entradas e Gore três em cinco. O único a passar incólume pelo montinho foi Kerr, na nona.

De positivo, o fato de Machado e Hosmer seguirem quentes ao bastão, com respectivamente .381 e .350 de aproveitamento. Quem também valorizou o seu passe no jogo foi Azócar, que chegou a .222 no bastão e deixou para trás nomes como Cronenworth (.204), Profar (.163), Kim (.203) e Grisham (.149). O jardineiro externo também mostrou atitude ao tentar um roubo de base, mas foi pego pelo apanhador brasileiro Yan Gomes. Estiveram em campo no jogo em homenagem a Tony Gwynn o primeira base Hosmer, o segunda Cronenworth, o interbases Kim e o terceira base Machado, com Azocar no jardim direito, Grisham no central e Profar no esquerdo. O apanhador foi Alfaro, com o também apanhador Nola atuando como rebatedor designado.

Game 2 – Chicago Cubs 4, San Diego Padres 5

Na bacia das almas, os Padres conseguiram superar os Cubs no segundo jogo da série, disputado na terça-feira, no Petco Park. Clevinger, de trancinhas, assumiu o montinho para uma atuação segura. A exceção foi a primeira entrada, quando precisou de 25 arremessos para eliminar três oponentes. Na terceira entrada foi castigado com um home run de duas corridas obtido por Rivas, deixando o campo após eliminar o primeiro jogador da quinta entrada. No período em que esteve em ação fez 91 arremessos, sendo 61 deles strikes. Se por um lado cedeu seis rebatidas, também eliminou seis oponentes por strikeout.

A defesa apresentou todo o seu portfólio de erros. Azócar, por exemplo, foi tentar salvar uma rebatida na terceira entrada, mas acabou cedendo um home run de duas corridas. Depois foi a vez de Nola tentar uma arriscada eliminação na terceira entrada e errar a luva de Machado, permitindo mais uma corrida aos visitantes na quinta entrada. Mas nem tudo foi ruim. Na última entrada, com dois em base e dois eliminados, Profar salvou o jogo ao capturar uma bola que valia ao menos duas corridas ao Cubs. E Rogers, com emoção, salvou seu 12º jogo na temporada. Tentou incluir uma variação da slider chamada back-foot e acertou o pé de dois adversários. Entrevistado, liberou seu lado zueiro. “No relatório, diz slider back-foot. Então, acho que fiz tudo certo”, disse.

No bastão, a equipe deu uma ligeira aquecida. Foram onze rebatidas, contra três da noite anterior. Cronen rebateu três vezes em cinco oportunidades, sendo que duas delas valeram a corrida até a segunda base. Profar rebateu duas em cinco. Hosmer e Nola foram dois em quatro. Machado rebateu uma vez só, mas quando o fez foi uma dupla. O Padres atuou e venceu com Hosmer (1B), Cronenworth (2B), Kim (SS) e Machado (3B) no campo interno, Myers (RF), Grisham (CF) e Azocar (LF) no externo. O apanhador foi Nola, com Voit de rebatedor designado. Voltando de um estágio na Minor, Voit foi mais paciente e chegou em base duas vezes por walk, completando a volta no diamante uma vez.

Game 3 – Chicago Cubs 7, San Diego Padres 5

Já escrevi sobre o fato do quanto é errado procurar vilões nas derrotas. Mas a grande verdade é que eles existem. Trent Grisham não trabalha nos Correios, mas bem que poderia. Suas especialidades são entregar e chegar atrasado. Deve ser o único campista externo em toda a MLB que só pensa na sequência da jogada quando consegue dominar a bolinha. Daí já é tarde demais. Isso sem entrar no assunto da malemolência exacerbada, do arranque de balsa e dos 14% de aproveitamento ao bastão (o pior disparado no lineup dos Padres). E ganhando aproximadamente U$ 4.500 por partida na temporada regular, deveria se esforçar mais, porém prefere ser um expectador premiado, assistindo o jogo de dentro do campo.

O problema é que os Cubs sabiam de seus defeitos, especialmente os defensivos, e cansou de mandar bola ao campo central. O resultado foi uma virada dos visitantes em falha de Grisham na oitava entrada, em jogo que seguia bastante equilibrado e tendia para uma vitória nossa. Foram doze rebatidas dos Padres contra nove da equipe de Chicago, com dois home runs solo de Voit. Aliás, a passagem pela Minor parece ter feito bem ao rebatedor designado, que enfim começou a entregar aquilo para o que foi contratado. Foi 3 em 5 no bastão, tal qual Hosmer. Porém Voit marcou as três corridas, contra uma de Hoz (em seu home run), que segue na corrida pessoal com Machado atrás do recorde de Tony Gwynn.

De momento, o primeira base está .367 ao bastão. Manny está .383. E o recorde do Mr. Padre é de .394 na temporada. A briga está ficando interessante. Já Grisham foi 0 em 3, com um strikeout para chamar de seu… Enfim, os Padres alinharam e perderam com Hosmer (1B), Cronenworth (2B), Kim (SS) e Machado (3B); Myers (RF), Grisham (CF) e Profar (LF); com Alfaro de apanhador e o já nominado Voit como rebatedor designado.

Autor: Henrique Porto

DEIXE UMA RESPOSTA