Após muitos episódios, a novela entre Dak Prescott e Dallas Cowboys finalmente chegou ao fim e, oficialmente, Dak Prescott assinou a franchise tag. A equipe do Texas anunciou que o quarterback assinou o contrato de um ano no valor de US$ 31,4 milhões nesta segunda (22). Diante disso, o jogador participará do primeiro training camp de Mike McCarthy em Dallas.

Sendo assim, as duas partes têm até o próximo dia 15 para negociarem uma extensão contratual. Caso isso não aconteça, restará esperar o fim da temporada para planejarem o futuro. Vale ressaltar ainda que, se um acordo mais longo não for definido, o Cowboys poderá usar novamente a tag para a próxima temporada.

Com o contrato assinado, que garante ao QB 31,4 milhões de dólares, por enquanto ele segue em sexto lugar entre os maiores salários da NFL, atrás de Russel Wilson (Seahawks); Ben Roethlisberger (Steelers); Aaron Rodgers (Packers); Jared Goff (Rams); Kirk Cousins (Vikings); e Carson Wentz (Eagles). Caso um vínculo maior seja assinado, é possível que Dak Prescott se torne o jogador mais bem pago da liga.

O futuro em Dallas

Agora, com Prescott, Cooper e Elliott garantidos para a próxima temporada, é possível dizer que o Cowboys segurou em seu plantel os três pilares ofensivos de sua equipe. Com isso, o novo head coach da equipe, Mike McCarthy tem boas armas para buscar retornar ao topo da liga após duas décadas e meia longe do Super Bowl.

Não só o ataque tem boas peças, como também a defesa não é terra arrasada. Por mais que a equipe tenha perdido nomes importantes na defesa durante a Free Agency, é um setor que possivelmente não comprometerá.

Além disso, poucos apostavam num darft tão bom do Cowboys. Após ter selecionado um dos melhores Wide Receivers da classe (CeeDee Lamb), Jerry Jones ainda conseguiu selecionar jogadores potencialmente bons e que podem contribuir muito, como Trevon Diggs, Neville Gallimore e Tyler Biadasz. 

Diante disso, é possível esperar um temporada extremamente competitiva por parte de Dallas, que já passou da hora de voltar ao Super Bowl.

Fã do esporte; trabalho com NFL, NBA, futebol nacional e internacional e falo sobre Fórmula 1 nas horas vagas.

DEIXE UMA RESPOSTA