Textículo tik toker quase acéfalo para um time 3-7

“Viva o WASHINGTON FOOTBALL TEAM!”

APORANGA, nação uóxintoniana futeboliana timeniana!

Ao contrário do meu gosto, parece que a coluna tik toker, com breves notas, teve bons retornos. Sendo assim, adotarei o mesmo modo de escrita nesse textículo, porque a voz do povo, apesar de não ser a voz de Deus, é a voz de quem lê essas linhas. Aproveitando uma vitória – que, como todas as vitórias, são MA-RA-VI-LHO-SAS -, as pequenas notas voltaram, com pequenos pitacos sobre nosso time de football.

VITÓRIA É BOM PRA CACETE

Ganhar é bom, mesmo que dificulte nossa busca por um quarterback no draft de 2021. Se saímos do lugar que poderíamos tentar Justin Fields ou mesmo Trevor Lawrence, a cultura dentro da franquia continua a mudar para melhor. Esperemos que o time se acostume a ganhar – já igualamos o número de vitórias do ano passado, o céu é o limite!

NOTA TRISTE

Nós em Washington, infelizmente, temos muita experiência com lesões de quarterbacks. Eles são a esperança de um time, são o que movem as correntes e fazem com que os dias de jogos sejam mais felizes. Sempre ruim ver uma lesão, pior ainda ver uma lesão do principal jogador de um time. Joe Burrow, nosso pensamento está contigo: melhore e consiga voltar ao ótimo nível que estava jogando. Força!

NOTA FELIZ

Wes Schweitzer e Brandon Scherff tiveram as maiores notas do PFF para todos os guards na última rodada. Se o xerife é mais do mesmo, Schweitzer não é só uma boa notícia: é a demonstração que temos um corpo técnico de linha ofensiva top 3 da NFL. O que ele vem fazendo no lado esquerdo, com nomes como o próprio Schweitzer, Cornelius Lucas e mesmo com a troca de posição de Morgan Moses (que vinha tendo uma ótima temporada do lado direito) mostra que seus nomes devem ser celebrados: John Matsko e Travelle Wharton, vocês são maravilhosos!

Textículo tik toker quase
Running back Antonio Gibson #24 em ação na vitória diante do Bengals no último domingo, no FedEx Field (Créditos da imagem: Geoff Burke, USA Today)

CHASE YOUNG

Mostrou que deu a volta por cima. Depois da bobagem na última jogada do jogo passado, jogou para mostrar que sabe superar obstáculos. Não foi totalmente elite, mas foi responsável pela mais espetacular jogada da partida: a trombada em Joe Burrow, impedindo o QB de entrar na Endzone. Jogadaça de alguém que ainda vai dar muito o que falar.

A DEFESA CONTINUA INDO MAL NO PRIMEIRO TEMPO

Mais um jogo, mais um dia que a defesa só funciona no segundo tempo, após ajustes no intervalo. Não há muito o que falar. Pelo menos, houve explicação dessa vez: com Joe Burrow, houve uma opção de deixar os passes fáceis no meio do campo, evitando big plays. Se a opção foi boa, eu não sei – mas, como ganhamos, deu certo, mas poderia ter dado muito errado.

O ATAQUE DE ALEX SMITH

A reabilitação (ou habilitação) de Cam Sims e a volta com significância de Steven Sims Jr. trouxeram alguma dinâmica para o ataque, que está a cada rodada melhor sob Alex Smith. Exemplo? Segunda para oito, linha de 5 da defesa, audible para alteração na linha de scrimmage: screen com Cam Sims que corre 12 jardas e ganha o first down. Como é bom ter um QB que sabe ler defesas.

A ESPERANÇA LAURINHO

Faltam 129 jardas para Laurinho ter sua primeira – de muitas – temporada de 1000+ jardas. Alguém duvida? Agradeçam a Deus por terem o melhor WR da divisão.

CIAO, BAMBINOS!

Este foi mais um textículo tik toker quase acéfalo. Torçamos, Nação! O melhor time de todos os tempos no meu coração está melhorando e, como já falei antes: tudo será muito mais doce quando sairmos dessa draga.

APORANGA!
#HTTWFT

texto por Antonio Cruz (tt: @fredericopisto1)
revisão por Diogo Araujo (tt: @diogoniiiii)


__
“..Hail victory! Braves on the warpath, fight for old D.C.!”

DEIXE UMA RESPOSTA