Sobreviver: até que os Marfins Cresçam

Durante a guerra civil em Moçambique muitos elefantes foram massacrados devido ao tráfico. Mortos por caçadores de marfim, agora os elefantes evoluem para nascer sem presas. Em um exemplo clássico de seleção natural, eles nasceram sem o cobiçado prêmio e estão se multiplicando. O que isso tem a ver com a derrota do Milwaukee Bucks em casa – mais uma – para os Spurs? Tudo.

O Jogo em Si:

Acho admirável como o San Antonio não se desespera. O 1°Q começou muito bem para os Spurs, até que os Bucks corrigiram sua defesa. Foram muitos turnovers do Milwaukee durante todo o jogo, e muitos pontos de contra-ataque surgiram por isso. Em suma, foi um jogo de defesas, onde em raros momentos houve erros grotescos, principalmente dos Spurs. Não compensa fazer dobra na defesa contra o San Antonio. Não há nenhum craque no Roster deles, mas eventualmente eles encontram um passe extra, e o Bud percebeu isto. Os Bucks foram bem defensivamente até metade do 3°Q. Daí para frente foi só para trás.

Destaque para o trabalho de defesa do Poetl. Ele foi retirado do garrafão pelo Giannis no 1° tempo, porém os Bucks não exploraram em nenhum momento essa deficiência. Inclusive no 2° tempo não conseguiram explorar o garrafão dos Spurs, que mesmo com a boa defesa e o bom jogo do Poetl, era acessível. Eubanks, por exemplo, foi um a menos. Os bancários do time do Wisconsin foram inúteis no ataque. Os destaques foram Middleton e George Hill, entretanto nenhuma atuação saltou aos olhos. Giannis foi mal.

O fato do 1° tempo ter terminado 47×45 para os Bucks diz respeito a boa defesa do San Antonio. Me preocupa a maneira como nos últimos jogos – inclusive este – os Bucks têm feitos jogos com três características mesmo quando vencem:

  1. Arremessam menos que os adversários;
  2. Cometem mais turnovers que os adversários;
  3. Dão menos assistências que os adversários;

Ao longo do jogo o Spurs se mostrou muito competente em fechar o passe do jogador com a bola. Várias dobras foram feitas ao longo do jogo pelos Spurs, isto forçou muitos turnovers. No geral, é nítido que insistir em um Giannis playmaker é pouco inteligente. Pare Bud. No último quarto o ataque dos Bucks não existiu. Dois motivos: 1) insistência nas bolas de três; 2) Dificuldade de jogar no garrafão dos Spurs, algo que conseguiu no 1° tempo. O resultado foi a derrota para quem seguiu o manual e jogou na segurança. Parabéns aos San Antonio.

Para encerrar, o filme se repete, e acredito que as deficiências deste Bucks 21/22 sejam mais individuais do que coletivas. O Milwaukee está sem alguns jogadores providenciais, tão importantes que até mudam a forma do time jogar. Mantém um bom nível contra bons times, mas ainda não é o bastante. Mais uma derrota em casa e a segunda contra times muito abaixo do seu nível.

Resumo – Enceramento:

Enfim, a questão PRINCIPAL diz mais respeito a toda temporada do Milwaukee até aqui do que propriamente o jogo em si. A rotação dos Bucks não está ruim, longe disso. Na realidade os Bucks jogam a temporada sem 3 titulares e 1 bancário importante – Bobby -, mas tem entregado. É NECESSÁRIA essa rotação para testar, dar rodagem e entrosar o time até a volta destes 4 jogadores. Milwaukee precisa passar por essa metamorfose para florescer e, talvez, a exemplo dos elefantes de Moçambique, os Bucks precisam se readaptar/reinventar. Evoluir para “sobreviver” até que “os marfins” reapareçam. A temporada começou e com ou sem marfins, os cervos estão sendo caçados.

DEIXE UMA RESPOSTA