O ano é 2020, o local é o Memorial Stadium na Columbia no estado de Missouri.

No último sábado, na partida entre Vanderbilt Commodores e Mizzou Tigers, uma garota de 21 anos e 1,88m de altura entrou em campo para chutar o kickoff do segundo tempo pelo jogo válido pela Power Five. Isso mesmo: UMA GAROTA chutou um kickoff num jogo da elite do futebol universitário.

Hunter Dyke/Mizzou Athletics/Getty Images

Sarah Fuller é a responsável por essa história, goleira do time de futebol de Vanderbilt, que venceu o título da Southeastern Conference (SEC) da NCAA, no dia 21 de novembro. Nesse sentido, o time de futebol americano da sua universidade a convocou para treinar como kicker e ela aceitou o desafio. Embora a universidade de Sarah não seja conhecida pelo seu projeto de futebol americano (inclusive o resultado do jogo foi 41 a 0 para os Tigers), o que aconteceu no jogo de sábado é memorável.

Repercussão nas redes sociais

Fuller foi parabenizada e reconhecida pelo feito através de diversas plataformas por muita gente famosa. Nomes como a da atacante da seleção dos EUA, Carli Lloyd, e do QB do Seattle Seahawks, Russell Wilson, estão na lista dos que agraciaram Sarah com seus votos.

Na página do Instagram da equipe de futebol de Vanderbilt, é possível ver alguns dos comentários sobre a estreia de Fuller:

“Você pode fazer grandes coisas”

Na declaração pós-jogo de Sarah Fuller, ela disse que quer ser um exemplo para todas as garotas e mostrar que elas podem fazer grandes coisas. No entanto, o que essa mulher fez no sábado, não cabem num simples #playlikeagirl.

Como diz a hashtag “jogar como uma garota”, é sempre muito mais difícil. É ser desrespeitada muito mais vezes do que se é respeitada. Além disso, é duvidar de si, porque tanta gente dúvida, que você acaba se sabotando. As vezes é ter que saber o dobro, até o triplo, porque a sua capacidade tática está à prova a todo momento.

O kickoff de Sarah Fuller no início do terceiro quarto do jogo de sábado foi muito mais que o recomeço de um jogo, foi o kickoff para um novo momento no futebol, no esporte e na vida. Foi a prova de que se pode sim jogar como uma garota e que se pode chegar muito longe jogando como uma garota.

5 COMENTÁRIOS

  1. Orgulho! Nós sabemos de nossas batalhas. Chorei, chorei muito vendo os pronunciamentos dela, as críticas.
    Representatividade, tá tendo. E é só o começo!

DEIXE UMA RESPOSTA