O caso de Colin Kaepernick na NFL voltou à tona com os protesto que vem acontecendo nos EUA devido ao assassinato de George Floyd. E hoje contaremos a história do ex-quarterback da NFL, o motivo dele ter sido “cortado” da liga, e porque ele é considerado uma referência na luta contra o racismo.

Quem é Colin Kaepernick?

Foto: Getty Images

Draftado na Escolha #36 do Draft de 2011, Kaepernick chegou ao posto de titular do San Francisco 49ers após uma lesão de Smith. Logo na sua primeira temporada levou os Niners ao Super Bowl, mas acabou perdendo o jogo para o Baltimore Ravens por 34×31. Após a derrota, Kaepernick se manteve como titular dos 49ers por alguns anos, mas não conseguiu manter a mesma performance de 2012.

O inicio dos protestos.

Colin Kaepernick taking a knee
Foto: Thearon W. Henderson/Getty Images

Na Temporada de 2016, Kaepernick começou a se ajoelhar durante o Hino Nacional Americano, afirmando que aquilo era motivado pela brutalidade policial contra negros no país; seu protesto teve diversas respostas de jogadores, imprensa e políticos. Kaepernick recebeu muito apoio de jogadores que aderiram ao seu movimento; mas, em contrapartida recebeu muitas criticas que diziam que ele estava desrespeitando a bandeira nacional, o maior símbolo da nação Norte Americana.

Em 2017, após o seu contrato com os 49ers se encerrar, Kaepernick não encontrou um time para jogar. Não ter uma chance de continuar trabalhando na NFL não foi uma simples coincidência, pois diversos donos de times foram contra os ideais de Colin Kaepernick durante os seus protestos. No entanto, Jed York (Dono dos 49ers) na época foi a favor de seus protestos e não deu ouvidos ao que os donos de outros times diziam ao seu jogador, e honrou o contrato de Colin até o final.

Com isso, a partir daí, Kaepenick começou a se dedicar mais ativamente a luta contra o racismo, fundando a organização “Know Your Rights Camp”; uma organização que tem como objetivo ensinar os direitos fundamentais para negros dos EUA.

Para comemorar os 30 anos da marca, a Nike em 2018 lançou um comercial com Colin Kaepernick reafirmando sua luta. Além disso, desde o dia em que ele foi “proibido” de trabalhar, ele não parou de treinar durante um dia sequer. Após o comercial ser lançado, ele foi abertamente foi criticado e uma tentativa de boicote a Nike foi iniciada.

No final de 2019, foi oferecido um Workout para Kaepernick, com uma cláusula contratual dizendo que se não fosse contratado por nenhuma equipe; Kaepernick não poderia processar a liga porque lhe foi dada uma chance de assinar com qualquer equipe. Após algumas exigências bizarras por parte da liga, como o Workout não ser filmado, Kaepernick fez um trabalho separado com alguns WRs próprios.

Ainda hoje, Kaepernick segue sem um contrato na NFL, e provavelmente que ele nunca mais terá. Essa é com certeza uma grande perda de um talento que não terá a chance de brilhar novamente pela arrogância de terceiros.

 

Torcedor dos 49ers, apaixonou-se pelo time após o passe de Alex Smith para Vernon Davis no Wild Card de 2011 contra o New Orleans Saints, também é dono do perfil @Column49ersBR no Twitter

DEIXE UMA RESPOSTA