O que antes já era uma dúvida, com a troca de Sam Darnold para o Carolina Panthers, saber qual será o futuro de Teddy Bridgewater em 2021 ficou ainda mais nebuloso. Antes, era improvável que o quarterback voltasse para a Carolina do Norte na próxima temporada. Agora, custando cerca de 23 milhões de dólares de espaço na folha salarial do time, podemos dizer que a permanência dele é praticamente possível.

Apesar de o 2020 de Bridgewater ter sido um ano sólido como quarterback dos Panthers (quase 70% de passes completos, 3,733 jardas, 15 touchdowns e 11 interceptações), o valor é muito alto para Carolina manter em um quarterback que deve ser reserva. Com isso, a dúvida de para onde irá Teddy Bridgewater ainda paira sobre a NFL.

“Nós vamos encontrar o lugar certo para ele, seja aqui ou em algum outro lugar”, disse o GM dos Panthers, Scott Fitterer, na última segunda-feira após o anúncio da troca de Sam Darnold.

A chance de que ele permaneça existe

Verdade seja dita: não é correto descartar completamente a permanência do quarterback a equipe de Matt Rhule. De acordo com o insider da NFL, Ian Rapoport, existe a possibilidade de permanência de Bridgewater no time com a condição de reajuste salarial do jogador, que ainda tem acordo para mais dois anos num valor total de 63 milhões de dólares.

Caso o atleta aceite uma redução de contrato, o cenário pode ser o ideal para os Panthers. Apesar de apostar forte e contar com Sam Darnold como seu QB número 1, o passado do jogador Jets não causa uma segurança de que ele pode ser o quarterback da franquia.

A permanência de Bridgewater como substituto poderia ser importantíssima para garantir um QB 2 capaz de entregar bons números e que já conhece o time, caso Darnold não caminhe como a organização espera.

Trocar de ares, porém, é o destino mais provável para Bridgewater. A tendência é que, nas próximas semanas, times da liga demonstrem interesse no quarterback, provavelmente para tê-lo como reserva.

Se trocado, Bridgewater custaria cerca de 18 milhões no teto salarial em novo time, números não muito atrativos para um quarterback reserva.

Existe a possibilidade de que o jogador seja procurado por times que têm quarterbacks muito jovens e que não têm completa segurança no seu QB.

Outro caso possível são de times com quarterbacks mais velhos e que já não entregam mais tanto quanto a torcida espera.

Quais times são esses?

Alguns times da NFL ainda passam por um processo de adaptação com quarterbacks pegos no draft há pouco tempo. Poderíamos citar o Denver Broncos, que não parece estar completamente à vontade com Drew Lock. Os Dolphins também estão nessa situação com Tua Tagovailoa, mas assinaram com Jacob Brisset em março, o que diminui a chance de isso acontecer.

Do outro lado, Atlanta Falcons e Pittsburgh Steelers se veem com o problema oposto: Matt Ryan e Big Ben, ambos com idade mais avançada, não vem tendo temporadas de encher os olhos como quarterbacks dos times, o que abre, por que não, a possibilidade de um espaço para Bridgewater no time.

Ainda com futuro incerto, o fato é que Bridgewater não deve ser um jogador titular na semana 1. Resta saber se ele assistirá do banco de reservas a estreia de Sam Darnold ou se alguma outra franquia será sua nova casa.

DEIXE UMA RESPOSTA