Passado mais da metade da temporada, quem figura no topo da liga é uma franquia que tem intimidade com a vitória. O emblemático time de San Francisco detém o recorde de franquia com maior número de vitórias nos esportes americanos. Contudo, não era esperado que o Giants figurasse entre os destaques positivos da liga, quanto mais, como melhor campanha geral ininterruptamente desde abril.

Dito isso, vamos aos pontos:

Gabe Kapler e mudança de mentalidade

O começo da década passada foi um período especial para os fãs do Giants. Com a franquia encerrando seu longo jejum de títulos, conquistando três títulos em cinco anos, estava completa uma dinastia laranja na liga. Porém, a equipe liderada por Bruce Bochy era completamente diferente da que vemos hoje com Gabe Kapler, apesar de manter alguns dos jogadores icônicos.

Mesmo conquistando três títulos em um curto espaço de tempo, a equipe de San Francisco não tinha os melhores ataques de sua história, tampouco da liga. Contudo, havia um formidável grupo de arremessadores e uma defesa intransponível que seguraria qualquer resultado.

Com Gabe Kapler assumindo a franquia em 2019, a primeira impressão que se teve foi, talvez, de um eminente fracasso. Logo na primeira temporada, San Francisco terminou com um recorde de 77-85, em terceiro lugar na divisão. Porém, a ascendente de melhora veio na temporada seguinte. Em 2020, o Giants terminou a curta temporada com a terceira melhor média de Home Runs de sua história. O small ball foi posto de lado e os bunts foram esquecidos, o novo foco seria botar a bolinha para fora do estádio. Mas como nem tudo são flores, o montinho da equipe californiana colapsou em diversos dos momentos decisivos, tornando-se seu ponto fraco.

A luta pelos playoffs durou até o último jogo da temporada, que de forma amarga o Giants ficaria de fora. Cedendo então, lugar ao Milwaukee Brewers, que se tornou a primeira franquia da história a alcançar a pós-temporada com recorde negativo.

Já em 2021, Kapler parece ter encontrado sua melhor forma como técnico, o que provavelmente deve lhe garantir o título de melhor treinador da temporada pela Liga Nacional. Seja em manusear seu bullpen, escolher seus pinch-hitters, ou alinhar sua equipe, Kapler tem feito tudo com excelência.

O fator Farhan Zaidi

Farhan Zaidi, talvez seja o principal pilar da restruturação do San Francisco Giants. O novo presidente de operações chegou à franquia em 2018, de lá pra cá, o que se viu foi a mais perfeita definição de Rebuild. Aos poucos, Zaidi foi se livrando dos contratos grandes e pesados, daqueles medalhões que já não rendiam da mesma forma. Porém, talvez a maior marca da gestão de Farhan Zaidi, sejam os achados que ele fez na liga.

Mike Yastrzemski, Lamonte Wade Jr, Anthony DeSclafani, Jake McGee, esses são apenas uns dos nomes que chegaram ao Gigantes de San Francisco nos últimos anos. Nenhum deles custou muito a franquia, porém, todos se provaram parte vital para o desempenho atual da equipe.

Na última trade deadline, ao apagar das luzes, Zaidi fez o seu primeiro grande movimento ao efetivar a troca pelo Kris Bryant, que chegou do Chicago Cubs. Jogador polivalente, MVP e com pedigree de campeão, Bryant chegou provando ser exatamente a peça que faltava para o elenco.

O retorno das lendas da franquia

Após ficar de fora na temporada de 2020, o retorno de Buster Posey gerava dúvidas quanto a qualidade que ainda poderia oferecer. Aos 34 anos, o catcher MVP em 2012 e três vezes campeão da World Series, mostrou que ainda é o melhor jogador de San Francisco. Logo nos dois primeiros jogos da temporada, Posey bateu Home Runs para sacramentar seu retorno a liga.

Brandon Crawford foi outro que se reencontrou, principalmente no bastão. Logo após a sua pior temporada rebatendo, Crawford, hoje é o rebatedor mais decisivo do Giants, além de um dos favoritos a luva de ouro, na posição de Shortstop. Liderava em Home Runs antes da chegada do Kris Bryant e em corridas impulsionadas.

Arremessadores

O que outrora foi motivo de tristeza para os torcedores do Giants, hoje é motivo de orgulho. Em questão de números, a equipe de San Francisco conta com um dos melhores grupos de arremessadores da liga, que, apesar de não ser tão relevante em questão de nome, vem dando conta do recado.

Encabeçados por seu Ace, Kevin Gausman, que briga pelo prêmio de Cy Young. O Grupo conta ainda com Anthony DeSclafani, que vem fazendo a temporada de sua vida. Johnny Cueto, que talvez seja o maior nome desses arremessadores, apesar de não fazer valer isso em campo. Logan Webb, a prata da casa, apesar das dúvidas quanto a sua capacidade de estar na rotação no começo da temporada, Webb provou seu valor durante a temporada, e definitivamente guardou seu lugar na rotação, que termina com o surpreendentemente constante, Alex Wood.

O Bullpen de San Francisco ainda gera desconfiança quanto a sua capacidade, porém, Jake McGee e Tyler Rogers vem sendo dois dos melhores arremessadores de bullpen da liga nessa temporada.

Kris Bryant

Faltando exatos dois minutos para o final da trade deadline, San Francisco anunciou o que talvez seja seu maior reforço de seu novo período, Kris Bryant. O jogador de 29 anos é a mais pura definição de polivalência – atuando como como Terceira Base, Primeira Base ou Outfielder. Sua chegada ao Oracle Park foi marcada por muita expectativa pela torcida, expectativa essa que foi correspondida com um Home Run, logo em sua segunda ida ao bastão.

Bryant mostrou ser exatamente o que a franquia precisava, um bom bastão direito e um defensor habilidoso. Logo em suas primeiras entrevistas, Kris Bryant ratificou o prazer por jogar em San Francisco, principalmente por dois motivos: Sua idolatria por Barry Bonds, e o fato de estar perto de sua cidade natal, Las Vegas. Talvez o próximo passo para Bryant seja a renovação de contrato.

Considerações Finais

A campanha do San Francisco Giants, é sim uma surpresa para todos, inclusive aos torcedores. Porém, não existe a possibilidade de atribuir tais feitos a mera sorte ou acaso, existe sim um trabalho bem feito sendo construído, longe dos holofotes das grandes mídias, é claro. A franquia antes do começo da temporada, figurava entre as últimas nas chances de alcançar os playoffs, hoje é a primeira nas casas de apostas – estando em sexto nas apostas para título. Nos playoffs, é dada vida nova a todos os classificados, contudo, os olhos devem estar bem abertos para a franquia da Baía de San Francisco, pois encontra-se coragem em locais improváveis.

Âncora do Mavscast e do Gigantes do Beisebol. Apaixonado por esportes desde a primeira vez que vi um fadeaway do Dirk Nowitzki lá em 2008. O garoto que fingia narrar jogos de futebol em frente ao espelho, mais tarde também iria se apaixonar pelo Beisebol, em específico pelo SF Giants.

DEIXE UMA RESPOSTA