Com os confrontos do round divisional já decididos, o #1 Kansas City Chiefs enfrenta o #6 Cleveland Browns, disputando uma vaga nas finais de conferência da AFC. O vencedor do confronto pega o vencedor de Bills e Ravens. Portanto, vem com a gente para o nosso pré-jogo!

O Kansas City Chiefs

Foto: Jeremy Brevard-USA TODAY Sports

Os Chiefs chegam nos playoffs como seed número 1 pela segunda vez na carreira de Patrick Mahomes. Por isso, contando com a folga na semana de Wild Crad, o time vem pronto – e descansado – para o confronto contra os Browns.

Mahomes, Kelce, Hill

O ataque dos Chiefs é a mesma história de sempre. Patrick Mahomes II, o MVP de 2018, continua como um dos melhores quarterbacks na liga, e só não concorre ao MVP pela simples existência de Aaron Rodgers. O jogo corrido de KC tem gerado uma certa decepção, talvez pela simples falta de necessidade de sua existência. Nesse sentido, até mesmo com Mahomes usando suas pernas com frequência, Andy Reid já parece ter desistido de ganhar jogos por meios terrestres.

A Linha ofensiva de Kansas City também se vê agora com um problema, tendo de enfrentar Myles Garrett e o pass-rush dos Browns. Isso porque, considerando algumas atuações ruins durante a temporada, Mahomes vai precisar confiar em sua linha para poder ter um jogo tranquilo, caso contrário, terá de usar suas pernas.

O resto do ataque não precisa de muita introdução. Travis Kelce, como um dos candidatos a OPOY esse ano quase liderou a liga em jardas recebidas e é de longe o melhor tight end em 2020-2021. Tyreek Hill e Mecole Hardman são duas armas perigosas, sendo como retornadores, no jogo aéreo ou até munição para trick plays. Com tudo isso, a defesa de Cleveland vai ter muito o que se ocupar, tendo que bancar, talvez, mais em parar Mahomes do que qualquer uma de suas armas.

 E como vai a defesa de KC?

Por sua vez, a defesa se mantém semelhante ao que Kansas City possuía ano passado. Mas, conta com o retorno de peças essenciais como Chris Jones, Tyrann Mathieu e Frank Clark, junto a algumas adições interessantes como o cornerback L’Jarius Sneed, um dos melhores defensive backs novatos na temporada.

Ainda assim, a defesa não se encontra em um estado óptimo, continuando a fazer apenas o necessário para deixar o ataque com oportunidades suficientes para se manter acima de seus oponentes. Encarando Cleveland, o ideal seria manter Kareem Hunt e Nick Chubb o mais contidos o possível. E, ainda assim, tentar eliminar jogadas grandes vindas do play action ou trick plays que já são características do ataque de Kevin Stefanski.

O Cleveland Browns

Foto: AP photo/David Richard

Os Browns chocaram a NFL ao destruir o Pittsburgh Steelers, marcando 28 pontos em um quarto e enterrando seu rival com 48 a 37. Sem seu técnico na última semana, o time conta com vários retornos da lista de IR/COVID-19, incluindo diversas peças importantes.

Mayfield, Chubb, Landry

Baker Mayfield pode não ter começado a temporada do melhor jeito, mas ele, junto a outros QBs da classe de 2018, terminaram a temporada em grande estilo. Agora, Mayfield tem que manter sua consistência e fazer todo o possível para se manter junto ao ataque explosivo de Kansas City.

O resto do ataque em Cleveland tem apenas que manter seu ritmo. Jarvis Landry deve ser o WR#1 mais subestimado nos playoffs e Rashard Higgins é um dos melhores “números dois” na liga. Njoku, Bryant e Hooper são um grupo de tight ends muito competentes, ainda mais dentro do esquema de Stefanski. Nick Chubb é um dos três melhores running backs da liga desde seu ano de calouro e Kareem Hunt segue sendo um grande complemento.

Além de tudo isso, os Browns ainda contam com a melhor linha ofensiva da liga, de acordo com o ProFootballFocus, com quatro de seus jogadores nos top-10 em suas posições. Nesse sentido, cabe um destaque a Wyatt Teller, o melhor Guard na NFL. Além disso, com o retorno de Joel Bitonio, a dominância nas trincheiras é mais certa e é uma grande ajuda caso os Browns queiram ganhar esse jogo, seja na corrida ou no passe.

E qual o papel de Myles Garret e companhia?  

A defesa, por outro lado, vai ter que tomar cuidado. Apesar de ter gerado inúmeros turnovers em Pittsburgh, agora eles enfrentam um quarterback no auge de sua carreira e com um grupo melhor de recebedores.

Na temporada regular, o time teve uma defesa corrida entre as dez melhores, coisa que não virá a ser importante contra KC. Já na defesa aérea, o time se encontra, em termos gerais, na pior metade da liga. Claro que chega a ser difícil prever como o time vai se portar, tendo em mente que os Chiefs, sob o comando de Mahomes, nunca saíram de uma bye marcando menos de 35 pontos. Ou seja, o time deve se preparar para o pior.

Também chega a ser difícil prever o esquema defensivo, já que qualquer coisa para parar seu adversário teria de ser criativa. O ideal seria ter planos que evitem deixar Kelce ou Hill em matchups que os favoreçam, o que pode ser difícil para a secundária fraca dos Browns. Com isso, dando espaço para Myles Garrett fazer jogadas em cima do QB e, mais importante, o deixar dentro do pocket sempre que possível.

Vale deixar claro que os Browns tem muito talento escondido em sua defesa. Denzel Ward continua ótimo, enquanto Ronnie Harrison chega a ser uma das melhores trocas da offseason. Isso, sem comentar sobre o grupo subestimado de linebackers, que jogo atrás de jogo continuam criando oportunidades.

Browns x Chiefs

Foto:AP Photo/David Richard

O jogo tende a ser uma explosão ofensiva, mas tudo é possível na NFL. O dever dos Chiefs é não tirar o pé do acelerador até o final do jogo, enquanto o Browns só precisa se manter dentro de duas pontuações para não implodir até o quarto período.

A batalha dos turnovers, se houver algum, será crucial para que um time chegue à final da conferência. Enquanto os ataques devem arriscar mais (porém não necessariamente irão), as defesas devem focar em jogadas explosivas, se mantendo no jogo até o último período, tomando toda e qualquer possível oportunidade.

DEIXE UMA RESPOSTA