O Browns esperava sair da semana de descanso revigorados fisicamente e em uma posição de finalmente produzir ofensivamente melhor do que nas últimas semanas mas terão que lidar novamente com os desafios de saúde do time, que incluiu a perda inesperada do tight end David Njoku devido ao COVID-19 além de provavelmente perder Harrison Bryant por lesão. Para a ausência de dois dos três da posição o Browns teve que ir atrás da contratação do TE Miller Forristall para o plantel e do TE Ross Travis para o Practice Squad. Apesar dos desafios óbvios, os Browns têm caminhos em que podem melhorar e que existe com boas projeções a estar na revanche contra o Ravens nesse domingo.

É um desafio para os Browns perder Njoku logo após perder Bryant no primeiro confronto contra os Ravens. Provavelmente, não teremos também Anthony Schwartz, que saiu devido a uma concussão sofrida numa pancada de cabeça das mais violenta de toda a temporada da NFL em 2021. Bryant foi o segundo melhor recebedor no primeiro confronto antes de sofrer uma entorse no tornozelo, enquanto Njoku historicamente se sai muito bem contra os Ravens. Além dos dois a falta que está sendo Schwartz a estender o campo principalmente contra um Ravens com menos proteção profunda é bastante sentida.

Em compensação existe os efeitos da bye week. Primeiramente Kareem Hunt que havia voltado da lesão na panturrilha depois de ter ficado mais de um mês fora praticamente ainda não estava com tanta explosão e bastante apreensão quanto a sua volta mas agora com tempo de descanso final poderemos ter sua melhor versão de volta. Stefanski não citou que ele estava com snaps limitados para haver uma precaução quanto a sua volta mas confessou que no final do jogo estava menos ativo sentindo um tal desconforto na panturrilha.

Duas semanas depois, Hunt está aparentemente muito bem nos treinamentos, assim como Chubb, e isso é importante para os Browns. Hunt é um jogador que teve sucesso contra o Ravens em confrontos anteriores e causa desconforto na defesa, o que é agravado pela perda de Marlon Humphrey com uma lesão no final da temporada sofrida contra o Pittsburgh Steelers. O jogo corrido do Browns teve 40 jardas apenas naquele SNF e o impacto que faz isso ao ataque no geral do Browns é gigantesco, o Ravens foi agressivo desde sua DL e linebackers e Cleveland precisa tentar desde cedo investir a esse jogo corrido começar a ser problema, um jogador de linha ofensiva extra, puxar TEs a bloquear e um. jogo melhor coletivamente da OL em modo geral, qualquer alteração que possa dar sobrevida a esse jogo terrestre.

No Monday Night Football de 2020 nesse mesmo confronto Hunt estava bastante alinhado como recebedor, formações com muitas opções de passes, TEs que se alinhavam para um bloqueio fake faziam o Ravens jogar de maneira desconfortável ao campo central estar cuidando muito do jogo aéreo, abrindo muito mais espaço para Chubb. Esse lado do jogo precisa encaixar já que no domingo a noite o Ravens ainda se sentia bem administrando o passe com poucos homens de fundo ou de Man to Man na marcação dos recebedores.

A discussão no início da semana era quem iria estar como titular na vaga do Conklin mas a realidade é diferente, Blake Hance precisa de ajuda a apoiar até um homem apenas, Michael Dunn que era opção viável deverá ser mais um sexto homem de proteção do que exatamente um jogador de rotação para Hance. O Browns deve sacrificar uma opção aérea em pró de dar proteção ao jogo corrido e também a dar pelo menos um pouco mais de paz a Baker Mayfield. Tudo vale para o Browns colocar sua melhor qualidade ofensiva nesse jogo, faltou muito o uso de mais Running Backs no primeiro jogo contra o Ravens, para bloquear em rotas ou tirar toda a preocupação inicial ao Chubb como opção única de corrida. A saúde do Mayfield também é esperada ter melhorado nesses dias de descanso principalmente a lesão no seu ombro.

Um dos principais objetivos do Browns é estar longe das terceira descidas longas já que isso tira qualqu chance de estar colocando pacotes de jogadas com corrida nesse cenário e obrigatoriamente se colocando em shotgun. A defesa do Ravens se sentiu muito confortável lotando o box a apenas se preocupar com o Pass Blocking nessas tais jogadas e taí o ponto crucial, fazer o Ravens ter que fazer uma leitura mais ampla pra fundo do campo e não estando do início ao fim na base de blitz a fim de empurrar o backfield pra trás pode ser o caminho da produção ofensiva. Homens como Patrick Queen mostraram estar muito bem fisicamente no plano de jogo daquele SNF mas já vimos contra o Steelers problemas de leitura com ações que mais se parecem com ataques em base de usar jet sweeps por exemplo.

É preciso se adaptar e abraçar esquemas que sirvam apenas para um certo dia. Tivemos o exemplo do que o Patriots abraçou a tentar vencer o Bills e um trabalho muito bem administrado pelo Bill Belichick.

Defensivamente o Browns mostrou mais uma vez impacto nesse lado do campo na primeira partida contra Baltimore. E o plano que citamos no primeiro texto sobre o confronto em como poderíamos parar Lamar Jackson ainda segue sendo uma boa base, os seus problemas quanto a enfrentar blitz foram visados e mostrados a todos no SNF e no jogo contra o Steelers. As atuações dentro da divisão dessa defesa faz a gente ter uma boa projeção para domingo, depois de um confronto com cada adversário da AFC North, a defesa do Browns cedeu uma média de 15,6 pontos por jogo e cedeu 35,9% das conversões de terceira descidas , enquanto forçava sete recuperação de posse (seis interceptações, um fumble).

Pete Smith do Sports Illustrated, fez um grande trabalho analisando com calma a defesa de Joe Woods após 12 jogos e com que cara ela se caminha e deixarei o texto para todos terem uma noção do desempenho defensivo dependendo de qual formação é utilizada. ( https://www.si.com/nfl/browns/browns-maven-features/browns-defense-through-12-weeks )

Lamar Jackson vem com um número alto de interceptações, claro que não podemos contar com as 4 que aconteceram no último jogo mas uma área que os Browns devem controlar são os problemas de comunicação que afetaram a secundária ao longo da temporada. Isso foi atingido contra o Baltimore quando Jackson foi capaz de fazer uma grande jogada para o tight end Mark Andrews e então acertar um Andrews aberto para um touchdown. Isso também aconteceu em uma jogada crucial no MNF de 2020.

Jackson queimou os Browns quando foi pressionado completando 8 de 10 passes para 94 jardas e um touchdown contra 12 de 22 para 71 jardas ao lançar de uma pocket limpo. Portanto, por mais que ele tenha problemas contra estar pressionado, talvez os Browns possam continuar a exercer pressão com apenas quatro rushers sendo diferente do que já vimos na temporada e torcer para que a secundária consiga aguentar esse jogo e limitar as grandes jogadas por mais que ainda sou a favor de bastante blitz, ( texto que falamos antes do primeiro confronto sobre como poderíamos parar Lamar Jackson: https://fumblenanet.com.br/mais-um-ano-de-browns-x-ravens-e-a-pergunta-segue-sendo-como-parar-lamar-jackson/ ) já que Lamar em 54 dropbacks foi pressionado em blitz nos últimos 3 jogos contra Dolphins, Browns e Steelers e nesses 3 jogos o seu QB Rating contra blitz foi de 9.4

JOK é mais uma vez fator chave nesse jogo dependendo da tua função mais clara dentro do jogo. Nós imaginamos muito ele sendo um quinto homem a pressionar Lamar so longo do jogo, junto a uma secundária em muitas vezes Man To Man a comunicação é muito importante já que entre os linebackers pelo menos terá que estar focado exclusivamente a Mark Andrews. A jogada final da tentativa de conversão de dois pontos de Baltimore no último domingo é mais um exemplo do quanto ser agressivo mas não deixar alguém no campo central de olho no Andrews pode acarretar a ele estar livre a ponto de receber e fazer a aceleração.

Dois pontos que todo jogo falamos sobre Lamar: o primeiro é o de finalizar jogadas, o Browns consegue explodir o pocket por várias vezes e ainda tem problemas quanto a sackar Lamar, uma das grandes jogadas de naquele domingo foi de um Garrett e Clowney quase conseguindo chegar nele e mesmos assim tomando o touchdown. O segundo ponto é ainda diminuir a sua produção correndo, 68 jardas apenas ainda foi um bom trabalho mas que fez o Ravens a adicionar no final das contas 148 jardas terrestres, novamente fazer Lamar correr ou diminuir minimamente essas jardas já faz ele até abaixar o número de tentativas de corrida como aconteceu contra o Steelers no domingo. O Browns se preocupou muito externamente com a sua pressão a tentar manter ele dentro do pocket e se existe adição na trincheira praticamente será nesse objetivo.

Estamos dentro dos últimos dois jogos citando o Browns dentro de cenários que se classificam como “o jogo da vida” e ainda seguimos nesse falatório. Na casa de apostas não existe grande diferença, o Browns aparecendo até com uma odd de -3 pela vantagem de jogar em casa. Quem hoje estaria classificado para a Wild Card está na casa de 7 vitórias onde o Browns estaria se vencer nesse domingo. Outro ponto a se pensar demais é a diferença para o próprio Ravens na liderança de divisão, vencendo eles a diferença cairia para um jogo apenas podendo jogar antes na semana seguinte e se vencendo empatando em campanha e os colocando na alta pressão jogando logo contra o Packers no segundo horário da semana 15. Ainda tudo está em aberto mas mesmo com uma conferência americana bastante inconsistente uma derrota domingo fecha as chances de ganhar a divisão e pode colocar o Browns a dois jogos de distância da Wild Card a 4 semanas do fim da temporada onde seria o praticamente fim de um novo sonho de pós temporada.

DEIXE UMA RESPOSTA