Flexibilidade é algo bem importante e quem acompanha baseball sabe muito bem o quão inflexível o esporte é em suas regras, culturas etc. É tudo bem tradicional, porém em meio ao caos desse ano, alguns ajustes foram feitos e gostaria de falar sobre dois especificamente.

Antes de mais nada, vale ressaltar que este é um texto opinativo, estas são as minhas preferências e sei que haverá divergência sobre o cenário ideal. Neste texto falaremos sobre o corredor na segunda base em entradas extras e um possível novo formato de playoffs.

1: Novo formato de entradas extras

Quando anunciaram as mudanças para 2020 e entre elas a colocação de um corredor na segunda base ao início das entradas extras, foi quase unânime a insatisfação com esta decisão. Parecia algo bizarro, que distorceria demais a natureza do jogo e esta foi a minha reação inicial. Mas, aqui estamos após o término da temporada e eu mudei de opinião.

NHL não é muito bem a minha praia então para os fãs mais implacáveis, se eu falar alguma bobagem aqui me perdoe, mas pensando nesta regra me veio a mente o penalty shootout do hóquei. Em jogos de temporada regular, se o jogo se mantém empatado após a prorrogação, segue-se para a disputa por pênaltis para decidir o vencedor.

Assim como no baseball, essa é uma medida apenas para jogos de temporada regular, já que nos playoffs volta à regra antiga, e o motivo pra manter essa regra é bem simples.

Quem já viu muitos jogos com entradas extras em temporada regular sabe o que estou falando, muitos são um saco. De vez em quando acontece algo eletrizante, mas são raras as ocasiões e na maioria das vezes o jogo fica arrastado e parece interminável.

Qual foi o impacto dessa mudança

Esta nova regra acelerou o fim dos jogos e quase nenhum passa da décima primeira entrada, um senso de urgência é inserido no jogo e é muito interessante ver as diferentes estratégias que os managers escolhem nesse novo cenário.

O que se viu é que muitos managers que estão fora de casa não optam pelo bunt para conseguir a rebatida de sacrifício, pois uma corrida não significa muito quando o time da casa já começa com o corredor na segunda e nenhum eliminado. Já o manager que joga em seus domínios tem seus movimentos mais condicionados ao que acontece na parte alta da entrada.

Se o seu time cede múltiplas corridas, nada de sacrifício; se cede nenhuma, o contrário; já se cede apenas uma, aí vem a escolha. Vai para o sacrifício e joga pelo empate, ou não e tenta virar o jogo? Esta decisão que acaba dependendo muito do contexto, quem vai rebater, contra quem, entre outros fatores.

No final das contas, esta mudança ajudou muito a acelerar os jogos e não comprometeu o espírito do jogo. Além disso, como foi enfatizado, é o tipo de regra boa apenas para temporada regular. Nos playoffs, não há necessidade, até por ser um cenário de entradas extras totalmente diferente. Com isso, retorna-se ao comum sem o corredor na segunda base.

2: Novo formato da pós-temporada

O segundo tópico é o formato dos playoffs. Muito se falou anteriormente sobre o perigo de grandes zebras na primeira série por ser tão curta e pela imprevisibilidade do esporte. Agora que Dodgers e Rays, os dois times com melhores campanhas chegaram na decisão isso perde um pouco de tração, mas não pode ser ignorado.

Muito provavelmente, teremos mais times nos playoffs do que os dez que estávamos acostumado até o ano passado. Entretanto, não serão 16 como nesse ano. Para um esporte com 162 jogos de temporada regular, qualquer número acima de 12 para a pós-temporada é demais no meu ponto de vista.

Portanto, o sistema ideal, considerando que o esporte sempre vai querer expandir e aumentar a receita, é bem simples e vem do que a NFL fez por tanto tempo até este ano.

Minha sugestão:

  • Seis times nos playoffs por liga;
  • 3 campeões de divisão + 3 Wildcards;
  • Bye para os dois melhores campeões de divisão de cada liga;
  • 3-6. 4-5 na rodada de Wildcard. Melhor de 3 como foi neste ano, em três dias seguidos, sendo todos os jogos na casa do time de melhor campanha. Isso diminui o período de descanso para os times que estão de folga, até porque muito tempo pode ser prejudicial;
  • Melhor vencedor pega seed 2, pior pega seed 1 na LDS, formato normal, aí segue LCS e World Series;

Os jogos em sequência, sem dias de folga, foram bem interessantes por fornecer ao time com melhor elenco uma certa vantagem. Muitas vezes, em playoffs com dias de folga e poucos arremessadores de confiança, você vê times sempre indo com os mesmos caras. Não que isso seja ruim, mas prejudica aquela equipe que pode ser mais equilibrada.

Para toda a pós-temporada, jogos sempre em sequência acabam sendo inviáveis pelas trocas de mando. Esta é uma alternativa apenas para a primeira rodada. Deixe aí nos comentários o que você pensa sobre essas duas mudanças.

DEIXE UMA RESPOSTA