Faaaala Colts Nation! Nesta temporada abordaremos os artigos de pós-jogo de forma diferente: mais curtos e objetivos destacando os principais pontos de discussão dos jogos. As análises mais aprofundadas serão guardadas para o nosso podcast semanal.

Na Semana 5 os Colts sofreram a segunda derrota da temporada, novamente fora de casa. Enfrentando o Cleveland Browns com campanha igual de 3-1, os Colts conseguiram uma boa atuação defensiva contra o melhor ataque corrido da liga. Porém, o ataque não correspondeu em campo mais uma vez e a derrota veio pelas mãos de Philip Rivers.

O BOM

Novamente o assunto dessa sessão é a defesa contra o jogo corrido. Começamos relembrando que o time estava sem Darius Leonard para o jogo contra o Browns. O que vimos foi uma boa atuação de Bobby Okereke, linebacker que joga seu segundo ano na liga, liderando o time em tackles além de anotar uma interceptação e um passe desviado. Até o início da Semana 5 os Browns eram o melhor time correndo com a bola, tendo em média 204,5 jardas por jogo. Os Colts tinham uma das melhores defesas contra o jogo corrido na Liga, e apesar de ceder mais de 100 jardas corridas nesse jogo, podemos considerar o desempenho da defesa bom neste aspecto.

Indianapolis cedeu 124 jardas terrestres, quase 80 jardas a menos que a média dos Browns e o menor número entre os oponentes do time de Cleveland. É verdade que cedemos uma big play em uma corrida de 26 jardas, mas é difícil culpar uma defesa que esteve mais de 34 minutos em campo ao fim do jogo.

Outro ponto positivo que tem sido pouco destacado são os Special Teams. O trabalho de Bubba Ventrone tem dado frutos em campo e nessa semana vimos o primeiro retorno de kickoff dos Colts desde 2016. O calouro Isaiah Rodgers anotou 212 jardas retornadas no jogo e estabeleceu a terceira melhor marca em um único jogo na história da franquia. Rodgers, que foi escolhido na sexta rodada do Draft, é o terceiro jogador em jardas retornadas de kickoff (268) na Liga, atrás apenas de Cordarrelle Patterson (468) e Tony Pollard (269).

Apesar de não ter destaque no último jogo, vale também a pena destacar que Nyheim Hines é o terceiro jogador em jardas retornadas de punt na liga, com 101. Fica atrás de Andre Roberts (124) e Deonte Harris (106). Quando o ataque não tem correspondido também temos obtido pontos por meio do nosso kicker calouro, Rodrigo Blankenship. É claro que não podemos nos satisfazer em chutar FGs na red zone, sempre deve-se buscar touchdowns, mas o jovem tem correspondido quando exigido.

O RUIM

O ataque continua sendo o principal problema para os Colts. Mais um jogo onde o time ofensivo não corresponde às necessidades e é incapaz de pontuar de forma consistente. A eficiência na red zone tem sido horrível e as conversões de terceiras descidas idem. Jonathan Taylor, calouro que assumiu a bomba do jogo corrido com a lesão de Mack, ainda é usado de forma inconsistente e tem seus problemas de leitura (como esperado). Ainda vale destacar que o primeiro tempo da defesa contra o jogo aéreo foi ruim. Sempre que conseguiam parar corridas e o adversário se dobrava sobre os passes de Baker Mayfield, a defesa sofreu. Destaque para os buracos que deram a Jarvis Landry tranquilidade para mover as correntes para o adversário. No segundo tempo, entretanto, o time melhorou nesse sentido, contendo Mayfield a 29 jardas passadas.

Outro ponto discutido é a ausência de Castonzo por lesão. Com o left tackle titular fora de jogo, La’Raven Clark assumiu a difícil missão de lidar com Myles Garrett. E é aí que entram as críticas aos Colts: sabendo que Clark seria presa fácil para o candidato a DPOY, por quê não acrescentar um TE ao seu lado para tentar limitar as pressões adversárias? Foi exatamente da negligência dessa fraqueza que surgiram os dois turnovers cometidos por Philip Rivers.

PHILIP RIVERS

Diferente das semanas anteriores a nossa terceira parte do pós-jogo não tem nada de positivo… Podemos escrever linhas e mais linhas sobre o playcalling de Frank Reich e de como a linha ofensiva não tem correspondido às expectativas na temporada. Também podemos criticar a subutilização de Mo Alie-Cox nos jogos e possíveis equívocos na escolha do personnel em campo.

Apesar de todos esses problemas, temos que falar de Philip Rivers. Sabemos que, quando sob pressão, o ex-QB dos Chargers tinha tendência ao erro e que os Colts deveriam minimizar essas situações para ter sucesso na temporada. Mesmo com todos os questionamentos que cercam o novo QB de Indy, um jogador experiente como ele não pode cometer erros como contra os Browns. Duas interceptações dignas de um QB calouro destruíram a possibilidade de uma virada dos Colts no segundo tempo. Quando sua defesa segura um dos melhores ataques da liga a 23 pontos, o seu ataque não pode dar de presente outros nove pontos ao adversário.

PRÓXIMO CONFRONTO: Cincinnati Bengals

De volta ao Lucas Oil Stadium o Indianapolis Colts recebe o Cincinnati Bengals do novato Joe Burrow, no próximo domingo às 14h. Se os Colts querem algo a mais na temporada é necessária uma vitória, além de mostrar evolução no ataque, melhorando o playcalling e mostrando eficiência na red zone. Além disso, Philip Rivers precisa ser mais consistente e não cometer tantos erros igual contra os Browns. No lado defensivo, é necessário fazer o QB calouro cometer erros e segurar o RB Joe Mixon, que vem fazendo excelente temporada. Ir para a bye week com uma vitória é essencial para as pretensões do time que, neste momento, já está com duas derrotas contra nenhuma dos Titans na briga pela AFC South.


Fiquem ligados nas notícias sobre os Colts no @HorseshoeBr@potrosbr  e @fumblenanet, além dos pitacos da @CarolVago12, do @pj1992 e do @William_Borella!

Assine o Colts Brasil no Spotify!

Assine o Feed do Colts Brasil para não perder nenhum episódio do podcast ou texto! https://fumblenanet.com.br/feed/coltsbrasil

Siga-nos no Instagram! https://www.instagram.com/podcastcoltsbr/

Fotos: disponíveis no site oficial dos Colts.

DEIXE UMA RESPOSTA