Como todos os anos, temos gratas surpresas e algumas decepções durante a temporada da NBA. Normalmente há tempo para se recuperar, mas com a temporada levemente encurtada, e, quem sabe, até sendo interrompida – como ano passado pela situação da pandemia – a reação pode ser complicada se não começar logo e podemos ter alguns fracassos inesperados.

Miami Heat

Miami Heat
Miami Heat logo

Atual vice-campeão da liga, o Heat vem sofrendo bastante neste inicio. Nesse momento, a equipe tem a terceira pior campanha da conferência (6-11) e estaria fora dos playoffs. Tem sido chocante ver a queda de rendimento, já que tem praticamente o mesmo elenco do ano passado. Mas, especialmente fora de casa, o time deixa muito a desejar, com dois triunfos em nove jogos.

As lesões tem sido um grande problema. Jimmy Butler faz muita muita falta, o ala jogou apenas seis partidas, Tyler Herro dez, mas mesmo com esses problemas o desempenho é bem abaixo do esperado. Bam Adebayo tem sido o porto seguro do time, com média de 20.3 pontos, 8.9 rebotes e 5.5 assistências por jogo. É ele quem tem deixado Miami vivo para uma eventual briga por vaga, mesmo que respirando por aparelhos.

Contudo, o Pivô sozinho não vai conseguir salvar o atual vice-campeão da liga do vexame de sequer se classificar a pós-temporada. Com mais de um quarto da temporada já disputada é bom o Heat se arrumar logo antes que seja tarde demais para uma reação.

Toronto Raptors

Mais um time que manteve o núcleo principal da equipe mas não tem tido sucesso. A equipe canadense é apenas a 11° colocada (7-11) no leste e mesmo estando apenas meio jogo atrás do oitavo precisa melhorar rápido. A defesa tem até tem feito um papel decente, sendo a nona melhor da liga em pontos cedidos por jogo, mas o ataque não é eficiente. E essa é exatamente a palavra chave para a melhora que os Raptors necessitam.

Toronto é a quarta pior equipe em aproveitamento de arremessos (43.6%) na temporada. Consequentemente, ocupa apenas o 18° lugar em pontos por jogo. Muito pouco para quem chegou ao título apenas duas temporada atrás. Aliás, pode ser pouco até para chegar aos playoffs, já que alguns times aparecem surpreendendo no Leste. Pascal Siakam, um dos principais jogadores do time, é um retrato disso. São 44% no geral, pior marca da carreira, e 25.4% do perímetro, dez por cento abaixo em relação ao ano passado.

New Orleans Pelicans

Um dos times que mais geram expectativa, mas que tem sido uma das maiores decepções. Com campanha de 6-10, o Pelicans é o penúltimo da conferência Oeste e terceiro pior da liga. A equipe de Nova Orleans é apenas o 22° melhor ataque e a 20° pior defesa. Talvez o maior fiasco da temporada até aqui.

Brandon Ingram é o mais eficiente, líder do time em pontos (23.9), assistências (4.8) e o quarto em rebotes (5.6). Zion Williamson, primeira escolha do draft de 2019, não está jogando mal, porém ainda não é aquele atleta que todos esperamos. Talvez, a expectativa criado sobre o garoto tenha sido grande demais, mas a verdade é que Zion ainda não conseguiu corresponder. Steven Adams faz bem o seu trabalho “sujo”, como era de esperar.

Todavia, o restante do time tem deixado muito a desejar: Lonzo Ball, Eric Bledsoe, JJ Redick, todos estão bem abaixo de um bom desempenho, deixando as duas estrelas do time sobrecarregados, no ataque e na defesa. Considerando o equilíbrio do Oeste, é improvável que os Pelicans consigam uma reação suficiente para chegar a pós temporada.

Dallas Mavericks

Outro time de quem se esperava demais, mas que tem entregue um desempenho medíocre. Liderados pelo fenômeno Luka Doncic, que tem quase triplo duplo de médias e muito bem auxiliado por Kristaps Porzingis, Dallas ocupa apenas o 11° lugar (8-10) no Oeste.

Em alguns momentos parece que o time se acomoda com o talento de seus jogadores e faz tudo para ser apenas “ok”, mesmo podendo ser muito mais. É o 21° em pontos por jogo, 17° em porcentagem de conversão e o 12° em pontos cedidos, ou seja, sempre mais ou menos. Muito pouco para um time que tem um dos principais candidatos a MVP da temporada e bons auxiliares, como Tim Hardaway Jr, Josh Richardson, Trey Burke e o próprio Porzingis. Tudo bem que um pivô faz muito falta, mas não é motivo para aceitar tão pouco de tanto potencial.

Os Mavericks estão apenas um jogo e meio atrás do oitavo colocado e tem talento de sobra para chegar lá. Talvez uma troca por um Pivô decente já ajude a subir o desempenho, mas, mesmo sem esse movimento, é sim obrigação desse time entregar um desempenho mais regular e um lugar nos playoffs.

DEIXE UMA RESPOSTA