Os apoiadores sabem como eu gosto de animes. Talvez até vocês já perceberam em alguma abertura de episódio da Casa Do Corvo. Então eu me dou a liberdade de citar Masami Kuruamda, em sua obra mais preciosa: Os Cavaleiros Do Zodíaco

Quando um Deus sangra, então os homens são capazes de realizar milagres.

Foi o que aconteceu no M&T Bank Stadium durante o Sunday Night Football. Baltimore esteve longe de fazer um jogo perfeito, mas foi capaz de fazer os deuses sangrarem. E com isso, o time conseguiu operar um milagre.

Vamos primeiro observar o que pode melhorar no time, e depois passar para o que vimos de bom.

Lamar Jackson

Apesar da agressividade, da capacidade de por o time nas costas e conduzir o Baltimore Ravens até a vitória, o quarterback precisa ser menos afobado. Comentamos o quanto ele precisa deixar de ser herói e fazer o jogo padrão. Aqui, essa atitude poderia ter custado a vitória.

Das duas interceptações, uma delas foi em um desses momentos, lançando a bola na endzone para marquise Brown que estava com cobertura tripla. Agressividade em momentos chave é bom, mas tem que saber a hora de conduzir uma campanha de forma conservadora e a hora em que se pode tirar o coelho da cartola.

Falta de atenção na galera

O time cometeu erros bobos em campo. Faltas que empurraram o ataque para trás, incluindo duas que quase custaram a campanha no fim do segundo quarto que resultou no field goal. Poderíamos ter desperdiçados três preciosos pontos.

Também perdemos um timeout por causa disso, por conta de 12 homens em campo. Na temporada passada, isso era quase corriqueiro e, mais uma vez, esse tipo de erro bobo pode custar caro.

Excesso de agressividade.

A linha entre uma atitude bestial e uma atitude de besta é tênue. E por duas vezes o ataque se viu atravessando essa linha, ao chamar duas conversões de dois pontos após os ultimos touchdowns da partida. Agradeçamos essa semana ao calouro Odafe Oweh por ter nos poupado de levar para casa mais uma derrota, pois a vantagem que terminou em um ponto, poderia ser de três.

Poderia também ser de cinco, caso as conversões fossem bem executadas? Sim, mas pelas circunstâncias do jogo, foi um risco desnecessário.

Tackles, onde estão vocês?

Já não me lembro desde quando reclamo disso, mas há uma deficiencia da defesa do Baltimore Ravens em realizar takcles realmente efetivos, ainda mais nos momentos em que mais dependemos deles.

O segundo drive dos Chiefs no terceiro quarto terminou exatamente assim, com Travis Klece passando pela nossa defesa sem que alguém representasse alguma ameaça à sua progressão em campo. Em um possível novo confronto nos playoffs, isso naõ será perdoado.

Agora que os problemas foram colocados nos seus devidos lugares, precisamos ressaltar o que deu certo.

Linha ofensiva encaixada

Trazer Villanueva para o lado direito fez muito bem. Tinhamos alguma ideia de que ele renderia melhor, visto que era sua posição original no Pittsburgh Steelers. A surpresa ficou por conta de Patrick Mekari, alguém que foi improvisado como RT e no SNF, fez um bom serviço. Esperava-se muito que o lado direito de Lamar fosse explorado pela defesa dos Chiefs, e o que se viu foi um QB com um tempo razoável no pocket. Teve seus méritos no jogo.

Andrews de volta à ação.

Um dos jogadores que menos apareceu na atuação contra o Las Vegas Raiders, Mark Andres finalmente desencantou na temporada 2021, sendo fundamental tanto recebendo passes de Lamar Jackson quanto realizando bloqueios fundamentais para algumas das corridas importantes de Lamar Jackson no jogo.

A identidade ofensiva

Vimos novamente Baltimore Ravens correndo com a bola de forma como nos acostumamos a ver na temporada passada, provando um ponto que vem sido colocado na Casa Do Corvo desde que começaram as lesões: o esquema do time faz com que um RB que seja apenas ok possa executar boas jogadas.

Nosso comitê foi formado por Devonta Freeman, Latavius Murray e Ty’son Williams: dois jogadores que estão no fim de suas carreiras e um calouro não draftado. Os três foram capazes de mover as correntes e afastar Patrick Mahomes no campo, mantendo o ataque de Baltimore vivo e controlando o relógio através do jogo corrido.

A adaptação de Don Martindale

Ele se gaba de ser um dos coordenadores defensivos mais agressivos da liga. Ano passado, o Baltimore Ravens foi o segundo time que mais chamou Blitz na temporada. Porém, o adversário da noite de domingo é conhecido por queimar blitz. Como proceder com isso? Se adaptando ao adversário, e foi o que Don Martindale fez.

Ao fim do jogo, a porcentagem de jogadas de Blitz chamadas por ele foi de apenas 12%, mostrando que mesmo alguém tão agressivo pode se adaptar e mudar seu esquema de jogo conforme a circunstância. Inclsuive, as jogadas mais bem sucedidas de Patrick Mahomes foram justamente contra as poucas Blitz mandadas por Martindale.

Lamar Jackson, de novo.

Foram 18 de 26 passes completos para 239 jardas e 1 TD, além de 16 corridas para 107 jardas e 2 Tds. Não preciso dizer mais nada, né?

Esse texto acaba aqui. Eu deveria falar sobre odafe Oweh, mas ele merece uma atenção especial essa semana depois de tudo o que fez e o que falamos a respeito durante o processo de draft.

Aguardem os próximos capítulos!

DEIXE UMA RESPOSTA