O draft da NFL é um dos momentos mais empolgantes para os fãs da liga; porém, algumas das grandes estrelas do College não conseguem se adaptar ao ritmo de jogo da Liga Nacional, e toda aquela felicidade acaba se tornando tristeza para as torcidas. Todo ano temos grandes exemplos de “busts” na NFL, portanto hoje iremos listar os maiores flops desta década.

Robert Griffin III

Foto: Twitter/reprodução

 

RG3 protagonizou um dos maiores embates entre quarterbacks no Draft; entretanto, a segunda pick de 2012 não teve sucesso na liga. O último ano do jogador no College foi memorável, vencendo o Heisman e se estabelecendo como uma potencial primeira escolha.

Mas, Andrew Luck saiu com a primeira pick, e seu rival, RG3, foi para o Redskins na escolha seguinte. Ele teve uma ótima primeira temporada, vencendo o prêmio de ‘Rookie of The Year’ e levando sua equipe aos playoffs; porém, uma lesão no joelho, sofrida nos playoffs, acabou derrubando a carreira de RG3.

O jogador passou por uma cirurgia no joelho, mas a partir daí suas estatísticas começaram a despencar. Após sofrer uma concussão na pré-temporada de 2015, ele foi substituído por Kirk Cousins, e deixou a equipe na temporada seguinte. Então, ele teve uma curta e sem destaque passagem pelos Browns, em 2016; ficou sem time até fechar com os Ravens, em 2018, e segue até hoje como reserva na equipe.

Kevin White

Foto: Annie Rice

Assim como RG3, Kevin White foi um jogador que sofreu com as lesões na carreira. Ele e Amari Cooper eram considerados os melhores wide receivers de 2015, e White era cotado por alguns para ser a quarta pick do draft. Cooper foi para os Raiders, na quarta, e ele acabou indo para os Bears, na sétima.

Entretanto, o jogador nem chegou a jogar sua temporada de rookie, já que sofreu uma lesão nos treinos e teve de fazer uma cirurgia que o tirou da temporada. Após jogar os primeiros quatro jogos de 2016, White machucou a perna e, novamente, ficou fora da temporada.

No jogo de abertura de 2017, White machucou a mesma perna do ano anterior e ficou mais uma temporada machucado. Já no último ano de contrato com os Bears, ele recebeu uma Hail Mary de 54 jardas, que derrotaria o Patriots, se o jogador não fosse parado a uma jarda da end zone.

Após isso, os Bears não renovaram com White. Ele teve uma curta passagem pelos Cardinals no ano seguinte, mas acabou sendo cortado pela equipe e segue sem time até hoje.

Trent Richardson

Mais um dos exemplos de running backs de Alabama que não deram certo na liga, Richardson foi um dos maiores flops da NFL. O jogador saiu do High School como um recruta de 5 estrelas, e despontou como um dos melhores running backs do College; ao todo ele correu para mais de 3 mil jardas ao longo de seus 3 anos de liga, e finalizou como terceiro na briga pelo Heisman de 2011. Uma cirurgia no joelho fez com que o jogador perdesse o combine, mas isso não impediu o Browns de o selecionar com a terceira pick do Draft.

Ele teve apenas 39 jardas na sua estreia e fez uma primeira temporada muito apagada, tendo a pior média de jardas corridas entre os rookies. Diante disso, ele foi trocado para os Colts na temporada seguinte, onde ficou por uma única temporada após ser liberado pela equipe.

Nos dois próximos anos, ele fechou com Raiders e Ravens, mas ão chegou a jogar por nenhum. Além disso, ele também passou pela Canadian Football League e pela Alliance American Football, mas nunca conseguiu se destacar na NFL.

Dion Jordan

Jordan tinha tudo para ser um dos melhores defensores da história; entretanto, problemas extra campo atrapalharam a carreira do jogador. Apesar de suas habilidades atléticas, Jordan teve apenas 14.5 sacks durante sua carreira no College, e os Dolphins mesmo assim resolveram apostar no jogador, o escolhendo com a segunda pick do draft de 2013.

Ele teve apenas dois sacks na sua temporada de rookie; perdeu seis jogos na sua segunda temporada por violar as políticas anti-drogas da NFL; e na temporada seguinte acabou punido pela temporada inteira por violar as políticas pela terceira vez. Apesar de sua punição ter acabado em 2016, ele não jogou nenhum jogo e acabou sendo cortado pelos Dolphins por falhar nos testes físicos.

Após isso, ele assinou com o Seahawks no mesmo ano, mas jogou apenas cinco jogos devido a uma lesão no joelho. Ele deixou a equipe na temporada seguinte, após novamente ser suspenso pela liga, dessa vez por 10 jogos, e então assinou com os Raiders e cumpriu sua punição, se juntando a equipe no dia 12 de novembro de 2019.

Greg Robinson

Devido a problemas judiciais, o tackle Greg Robinson foi um dos maiores flops da liga na sua posição. Ele teve um carreira sólida no College, sendo selecionado para o All-Team SEC na sua última temporada. Robinson foi selecionado pelos Rams com a segunda pick do Draft de 2014, e já teve problemas assim que chegou ao time, já que estava acima do peso.

Por lá, ele teve as duas primeiras temporadas apagadas, e não estava fazendo valer o preço que a equipe havia pago por ele. Em 2016, ele estava novamente acima do peso, o que o fez perder velocidade contra ataques rápidos, e acabou cometendo 12 faltas nos 10 primeiros jogos, sendo colocado no banco na semana 11. Na temporada seguinte, ele passou para a posição de Guard, mas continuou não valendo a pena o investimento, sendo trocado para os Lions.

Ele passou apenas 5 meses nos Lions, e acabou cortado devido a uma lesão. Após isso, passou mais dois anos nos Browns, onde teve algumas chances como titular, mas foi expulso de um jogo na última temporada por chutar a cabeça do safe dos Titans, Kenny Vaccaro.

Em fevereiro desse ano, ele e Quan Brey, ex wide receiver dos Colts, foram pegos pela polícia com aproximadamente 71 kilos de maconha. Eles foram presos no Texas e podem pegar até 20 anos de prisão, caso sejam condenados.

Johnny Manziel

Considerados por muitos o maior flop da história da liga, vamos falar sobre Johnny Football. Manziel herdou o apelido “Johnny Football” após se tornar o primeiro freshman a vencer o Heisman. Além disso, ele teve uma ótima segunda temporada no College, fazendo com que o Browns se interessassem pelo jogador e o selecionassem com a pick 17 do Draft de 2014.

A transição para a liga, entretanto, não saiu como se esperava. Manziel acertou apenas 18 passes, resultando em 176 jardas e duas intercepções. Alem do péssimo desempenho em campo, pessoas de dentro da equipe começaram a questionar a ética do jogador e o seu comprometimento.

Os Browns deixaram Manziel no banco na primeira semana, mas o jogador entrou para substituir o quarterback Josh McCown, que saiu machucado. Após o acontecimento, ele lançou para seu primeiro touchdown, mas não evitou a derrota da equipe. Ao longo da temporada, toda vez que McCown se machucava, Manziel assumia como quarterback titular.

Além disso, ele ganhou a chance de se tornar o titular absoluto a partir de 17 de novembro, entretanto, um vídeo do jogador em uma festa em Las Vegas durante a bye week dos Browns, fez com que ele voltasse para terceiro quarterback da equipe.

Após isso, mais vídeos do quarterback em festas vieram a público, e o fato dele estar sendo investigado pela polícia por violência doméstica contra sua ex namorada, fizeram com que os Browns cortassem o jogador. Ele se aventurou um tempo na Canadian Football League, mas algumas fontes indicam que ele não aparecia nas reuniões da liga, sendo cortado no início de 2019.

Por fim, ele voltou para os Estados Unidos e foi para a American Aliance Football, mas no seu segundo jogo sofreu uma concussão tentando parar um jogador que o havia interceptado, a liga foi cancelada três dias depois.

 

Marins
Fanático por esportes, encontrei minha paixão na NBA e na NFL, fãboy do Kobe, hater do Dave Roberts e infelizmente torcedor do Edmonton Oilers. Sofrendo pelo Colts desde 2010 e tentando superar as aposentadorias de Manning e Luck.

DEIXE UMA RESPOSTA