Mesmo com a temporada ainda em andamento e com chances matemáticas de classificação, o Denver Broncos não vai para os playoffs da NFL em 2021. Com uma campanha de 4-7 após doze semanas (folgou na semana cinco), o time precisará vencer todos os jogos restantes e ainda torcer por combinações para estar presente na pós-temporada. Algo praticamente impossível, ainda mais pensando no equilíbrio em alto nível que está sendo visto na AFC em 2020.

Mas, o que dá para tirar como lição da equipe de Denver até aqui e no que a franquia precisará trabalhar para 2021? É que abordaremos neste artigo.

Ataque anêmico e seus problemas

Photo by Matthew Stockman/Getty Images
– Os problemas na posição nos últimos anos e a esperança em Lock

Ano após ano parece que sempre citamos o ataque de Denver como principal fraqueza do time. Desde a aposentadoria de Peyton Manning após o título Super Bowl L em 2016, os Broncos sofrem com ataques que produzem muito pouco. Isso, devendo-se principalmente a carência na posição mais importante do jogo. Após quarterbacks como Trevor Siemian, Case Keenum e Joe Flacco jogarem como titulares durante esse período, os torcedores de Denver vieram para a temporada de 2020 empolgados com o segundo anista Drew Lock, após um ano de calouro com bons momentos.

O plano durante a pré-temporada deste ano era claro: dar armas e municiar Lock em seu segundo ano na liga. Jogadores via free agency, como Melvin Gordon, e via draft, como Jerry Jeudy, chegaram ao Colorado para adicionar talento ao lado ofensivo da bola e preencher a principal lacuna do time nos últimos anos. Porém, um grande problema surgiu antes mesmo do início da temporada. A lesão de Courtland Sutton, WR1 da equipe e que vinha de um grande ano complicou muito as coisas.

– O não desenvolvimento de Drew Lock e a baixa produção do ataque

Mesmo perdendo Sutton, a perspectiva ainda era boa para o ataque de Denver. E isso passava principalmente pela expectativa de um salto de produção de Drew Lock, que teoricamente estaria mais maduro entrando na temporada. Todavia, o que está sendo visto desde a primeira partida é um QB com pouquíssimas evoluções apresentadas em seu jogo. Perdendo jogos por lesão, Lock disputou oito partidas até o momento, somando 1767 jardas passadas; 7 TDs; 11 interceptações e 55.6% de passes completados. Números muito ruins até se comparado ao seu ano de calouro. Em 2019, Lock completou 64% de seus passes e passou para 7 TDs e 3 interceptações em 5 jogos.

Isso, obviamente, reflete em um ataque anêmico e muito pouco produtivo a essa altura da temporada. A equipe é a 31° em pontos por jogo (19) e 27° em jardas por jogo (325.2) até aqui. Colocando, assim, muita pressão em cima da sua defesa e fazendo com que a boa temporada de calouro de Jerry Jeudy até aqui, por exemplo, acabe sendo pouco comentada.

Unidade defensiva acima da média

Twitter oficial: @Broncos

Ao passo que estamos nos acostumando com ataques ineficientes em Denver, estamos vendo constantemente unidades defensivas fortes na franquia durante os últimos anos. Com bons nomes nos três níveis do campo, os Broncos mantiveram uma boa defesa para 2020, mesmo sem jogadores como Von Miller e Jurrell Cassey, que estão fora da temporada.

Para trazer em números esse bom desempenho, a franquia do Colorado é a 11ª  melhor em jardas cedidas por jogo (341.4) e a 7ª em sacks por jogo (2.9). Porém, ao mesmo tempo, é a 24ª em pontos cedidos por jogo (27.1). Como explicar isso? Simples, pela ineficiência e quantidade de turnovers cometidos pelo ataque.

Além de 19 interceptações cometidas pelos QBs dos Broncos nesta temporada, o ataque já sofreu 7 fumbles, totalizando 26 turnovers. Isso, além de deixar a defesa em situações desfavoráveis constantemente, tendo que marcar em campo curto com frequência, vai também cansando a unidade que precisa ficar por grande parte do jogo em campo. Dessa forma, isso se reflete em muitos pontos cedidos para os adversários, ainda que a quantidade de jardas cedidas seja relativamente baixa.

Mas o que mudar para 2021?

– Necessidade de um novo QB

Como explicado anteriormente, é mais do que improvável que Denver vá para os playoffs nesta temporada, visto o atual cenário de classificação. Mas o que fazer para que em 2021 o time volte a disputar, quem sabe, uma ida para a pós-temporada, algo que não acontece desde 2015?

Está mais do que claro a essa altura do campeonato que os Broncos não podem esperar mais um ano por um desenvolvimento de Drew Lock. Através da análise acima, é possível sim afirmar que o QB escolha de 2ª rodada deu um passo para trás em sua evolução na NFL. Dessa forma, cabe ao front office de Denver ir em busca de um novo jogador para a posição no draft, visto os bons nomes que estarão no recrutamento e a fraca classe de QBs na próxima Free Agency (com exceção de Dak Prescott que está sob franchise tag nesta temporada).

Para isso, obviamente, a posição da franquia no draft será fundamental, ainda mais em um ano que provavelmente terá um bom número de equipes interessadas em reforçar a posição em uma classe de grande talento. Então convenhamos, torcedor do Denver Broncos, mais algumas derrotas durante esta temporada não seria de todo mal, né?

– Volta de jogadores importantes e situação do coaching staff para 2021

Ademais, vale ressaltar que a equipe terá as voltas de jogadores fundamentais como Courtland Sutton e Von Miller, além claro, da sequência do desenvolvimento dos jovens e excepcionais Jerry Jeudy e Bradley Chubb.

Por fim, algo que vai ser interessante de se acompanhar é a situação da coaching staff. Vic Fangio, tendo seu segundo como Head Coach da equipe em 2020, faz um bom trabalho com a defesa, mas peca em algumas decisões de jogo e deixa indagações se tem o perfil certo para estar à frente do cargo. Pat Shurmur também está sob questionamentos em seu primeiro ano como coordenador ofensivo da franquia, porém, deve seguir no comando do ataque para a temporada que vem.

Com isso, é possível perceber que os problemas enfrentados por Denver passam mais uma vez principalmente pela fraqueza e ineficiência na posição de Quarterback e que para 2021 o front office novamente terá que assumir o erro e ir em busca de um futuro melhor na posição mais importante do jogo.

Porém, mesmo em uma temporada caótica, a equipe vem provando que possui bons talentos no ataque e uma base defensiva forte. Isso, somado a volta de jogadores importantes e uma boa escolha na posição de QB, podem permitir que a franquia seja candidata a playoffs em 2021.

DEIXE UMA RESPOSTA