Enquanto os treinos não começam de verdade e ainda faltam alguns dias para setembro, podemos olhar para o que a NFL nos entregou até o momento e especular o que pode acontecer no futuro, projetando o quão difícil pode ser a vida de Baltimore na temporada que está prestes a começar.

Baseado no calendário divulgado na última quarta-feira, aqui estão algumas observações que podemos fazer a respeito.

Baltimore Ravens nos holofotes

Esse ano serão nadas menos que cinco jogos em prime times no calendário dos Ravens, o que pode indicar um certo prestígio por parte da liga. Afinal, times competitivos dão mais audiência no horário nobre. E para o Baltimore Ravens, esse prestígio pode representar uma vantagem. Desde que assumiu a titularidade, o time detém com lamar Jackson um recorde de 6-3, sendo as duas únicas derrotas para Chiefs e Patriots em 2020 e a última vitória no jogo das cãibras contra o Cleveland Browns. Essa exposição nacional tem feito bem para o time.

Temporada fraca pro programa de milhas

O Baltimore Ravens é o time que mais viajará em termos de distância total dentro da AFC North. Ainda assim, essa é a divisão que menos viajará no total esta temporada. Na ponta do lapis, o time de Maryland fica em quinto, atrás dos seus rivais de divisão (Bengals, Browns e Steelers) e o Buffalo Bills. Isso pode significar uma vantagem, com menos tempo de trânsito e, consequentemente, menos gasto de viagem. A exceção de Denver, no meio do Colorado, e Las Vegas, do outro lado do país, todos os duelos são bem próximos, no meio-oeste dos EUA.

Reta final complicada

Após o TNF contra o Miami Dolphins, time contra o qual o torcedor tem boas lembranças, a coisa começa a ficar complicada: cinco dos seis duelos de divisão estão concentrados na parte final da temporada, além de dois jogos contra o Green Bay Packers, time do atual MVP da liga, Aaron Rodgers, e o Los Angeles Rams renovado com o QB Matthew Stafford, que pode representar uma melhora significativa no ataque. Se serve de consolo, Baltimore não precisará encarar o frio de Winsconsin, tão pouco se deslocar até Los Angeles, embora no duelo entre Rams e Ravens na casa do adversário, a coisa ficou muito feia para o time de Los Angeles.

Calouro na linha

A partir daqui, entraremos no campo das curiosidades. Alguém se lembra da primeira vitória de Mitchell Trubisky na NFL? Dia 15 de outubro de 2017, contra o Baltimore Ravens. Era o segundo jogo do calouro, após assumir a posição no lugar de Mike Glennon. Harbaugh, até então, estava 11-0 contra quarterbacks calouros jogando em casa. Quatro anos depois, o Baltimore Ravens encara o Chicago Bears com um QB calouro, e aparentemente o desafio parece mais difícil. Baltimore viajará até o Soldier Field enfrentar um time, PROVAVELMENTE, capitaneado por Justin Fields. Em um geral, na era John Harbaugh, o time tem um recorde de 20-6.

How ‘bout those Chiefs?

Pra alguns torcedores, talvez esteja ficando chato. Pela quarta vez seguida, o time encara o Kansas City Chiefs de Patrick Mahomes. Nesse caso, não haveria como escapar, pois o duelo da AFC North esse ano é contra a AFC West, assim como foi no ano de 2018. Em 2019 e 2020, os duelos se deram por questão posicional, pois ambas as equipes terminaram em primeiro em suas respectivas divisões. E esse é mais um tabu que Lamar Jackson precisa quebrar em sua carreira. Antes era a vitória nos playoffs, que veio em cima do Tennessee Titans. Agora, o desafio é quebrar uma escrita de três derrotas seguidas para a equipe do Missouri. E isso já na semana 2, em casa em um Sunday Night Football. A temporada 2021 promete muitas emoções e algumas surpresas.

DEIXE UMA RESPOSTA