A NBA parou para acompanhar a formação de um novo Big Three, agora no Brooklyn Nets. Talvez um dos mais talentosos que já se juntaram, formados por: Kyrie Irving, Kevin Durant e agora James Harden.

Contudo, a empolgação em ver o que eles podem entregar juntos, vem anexa de uma certa desconfiança. Isso por que, apesar de absurdamente talentosos, este trio pode vir acompanhado de algumas disfunções. Mas, para começar, vamos analisar o que com certeza vai funcionar.

Ataque avassalador

Kevin Durant
foto/reprodução: nba.com

O novo super trio dos Nets tem como principal característica a agressividade no ataque e capacidade de pontuar. Todos têm média superior a vinte pontos por jogo na carreira – Kyrie 22.5, Durant 27.1 e Harden 25.2 -.

É bem provável imaginar que eles não vão entregar menos que uma média de vinte pontos por jogo cada, ou seja, podemos contar com, para ser pessimista, 60 pontos por jogo vindo deles. Nas duas ultimas partidas, para se ter uma ideia, apenas Harden e Durant estiveram em quadra e combinaram para 74 pontos em cada um desses jogos. É Surreal.

Marcar apenas um deles já seria um problema, então, imagine os três. Irving e Harden são dois dos melhores dribladores da liga, jogadores rápidos e com capacidade de infiltrações imparáveis. Durant é reconhecidamente um dos atletas mais difíceis de ser marcado, seu Q.I de basquete é muito acima da média e sua envergadura, muito bem aproveitada na hora dos arremessos, faz com que seja quase impossível pará-lo.

Não bastasse a capacidade de média e curta distância, entre eles, a pior porcentagem do perímetro é de James Harden, com 36.3% na carreira. Além disso, para aumentar ainda mais a ameaça dos tiros longos, o time conta com Joe Harris. O alâ-Pivo têm média de acerto de 43.1% do perímetro na carreira e, nesta temporada, tem feito melhor ainda: são 51.1%. Contribuindo muito para espaçar a quadra, ele tem 15 pontos por jogo de média na temporada.

Portanto, não há nenhum mal em afirmar que este, provavelmente, será um dos times ofensivamente mais explosivos e eficientes que já vimos. Todavia, a aposta em Irving, Harden e Durant juntos pode gerar uma grande frustração em caso de fracasso. E também há motivos para temer que isso aconteça.

Quem defende?

DeAndre
foto/reprodução: nypost.com DeAndre Jordan

O primeiro problema apontado por todos quando a troca foi finalizada foi este: E agora? Quem defende no Brooklyn Nets?

É sim uma questão muito pertinente e que o treinador Steve Nash terá de arrumar para os playoffs. É evidente que durante a temporada regular isso não será um grande problema, a maioria esmagadora dos outros times da liga são muito inferiores tecnicamente e, mesmo com algumas derrotas, o time vai ser um dos primeiros na conferência. A grande questão mora na pós-temporada. Será que esse time vai conseguir, em sete jogos, parar o Milwaukee Bucks, por exemplo, ou o LA Lakers de Lebron James?

James Harden e Kyrie não são bons defensores, mas isso é de conhecimento público. Podem até se esforçar (ou não) em determinados momentos, entretanto não são tão proficientes. Basta lembrar que no título com os Cavaliers sobre o Warrios, o principal marcador de Curry foi Matthew Dellavedova. Não para não cansar Irving, ou algo assim, foi porque o limitado armador tinha muito mais capacidade de faze-lo. Com Harden não é diferente, ele é uma touro raivoso no ataque e um cordeirinho na defesa.

Kevin Durant é um bom defensor, não exímio, mas consegue contribuir mais efetivamente, porém, não deve, de forma alguma, ficar sobrecarregado com essa responsabilidade. Joe Harris se destaca como pontuador e também não é um defensor proficiente. Claxton não expira confiança e Dinwiddie está fora de combate. Em tese, o melhor jogador defensivo do time é Jeff Green, mas a responsabilidade não pode ser apenas do ala.

Problemas no pivô 

No poste baixo, DeAndre Jordan ficou com toda a responsabilidade, sendo que ele não é nem de perto o atleta de cinco ou seis anos atrás. Jarrett Allen, jovem que vinha sendo titular como pivô e jogando muito bem, foi para os Cavaliers na troca. Hoje, é possível de imaginar DeAndre marcando de forma eficiente, durante sete jogos, Giannis, Lebron, Anthony Davis ou Jokic? Nash e D’Antoni precisam pensar nisso.

A temporada regular será muito importante para os Nets acharem o ajuste defensivo necessário para poder triunfar contra os grandes nos Playoffs.

Administrar egos

Irving x Harden
foto: Getty Images

Podem esquecer Kevin Durant nessa discussão, ele já se mostrou capaz de “ficar na sua” em prol de um título. Porém, com Irving e Harden, o Brooklyn Nets pode ter problemas. Ambos são iniciadores do ataque e, desde que Kyrie ficou sozinho, ambos são donos da posse de bola na NBA. Entretanto, agora os dois estão lado a lado, mas o jogo ainda tem apenas uma bola.

Kyrie saiu de Cleveland para voar solo, falhou em Boston e decidiu dividir uma possível glória com Durant, mas será que o armador vai aceitar bem dividir o bolo em três partes? James Harden acabou saindo brigado de Houston e falhou em suas parcerias com Chris Paul e Russel Westbrook, será que vai aceitar ser “mais um”?

Eles terão de ter em mente que Kevin Durant é o cara desse time. Duas vezes campeão e MVP de ambas finais com uma dominância absurda, ele será o “fator X”. Irving e Harden são, provavelmente, os melhores “coadjuvantes” da história, mas para que o time funcione
corretamente, terão de aceitar a hierarquia e por (muitas) vezes abrir mão de decidir jogos e dos holofotes, especialmente nos playoffs.

Mike D’Antoni ajudou Harden a brilhar em Houston, mas agora precisa ser um suporte para Steve Nash controlar suas estrelas e fazer com que Irving e Harden trabalhem em equipe, sem estrelismo, em prol de um objetivo maior.

Investimento alto / Expectativa máxima

De qualquer maneira que a temporada terminar e que não seja com o titulo dos Nets, teremos um fracasso. Mesmo quando a Dupla Irving-Durant estava “sozinha”, o time já era um dos postulantes ao título. Contudo, quando se junta a essa equação alguém com o escopo e impacto de James Harden, não se pode esperar nada menos que o troféu Larry O’Brien.

Não será um trabalho fácil, nem um título conquistado a braçadas, o risco de fracasso existe. Contudo, a aposta do Brooklyn Nets é boa e, se bem administrado, poderemos ver um dos times mais encantadores da história da NBA.

DEIXE UMA RESPOSTA