Notas para um time 6-8

APORANGA, nação uóxintoniana futeboliana timeniana!

Notas para um time 6-8

Tinha até perdido a mão de escrever num dia após uma derrota no domingo, mas as palavras precisam sair da minha mente e nada melhor para isso que dar notas à atuação de nossos jogadores profissionais, técnicos profissionais e para Scott Turner. Vamos lá.

NOTA ZERO

Arbitragem. A nota não é porque erraram contra nós. É porque erraram o jogo inteiro – principalmente contra nós porque somos um time mais físico, não porque nos perseguiram. Onde colocar a bola depois de uma corrida/passe continua a ser uma ciência ignorada pelas zebras de toda a NFL. Fora os holdings na DL (ambas tiveram seguradas não marcadas). Bem ruim – e há bastante tempo já.

NOTA UM

Scott Turner. Fomos para um jogo contra um adversário que tem peças defensivas que fazem com que sua força seja parar o jogo corrido pelo meio e segurar os passes screens. Nosso plano de jogo, pensado a semana inteira? Correr pelo meio e passes para screens. A tese do playbook confortável para Dwayne Haskins não foi comprada/vendida. E só não leva zero, porque fizemos pontos – quando efetivamente DH ficou confortável, a partir do meio do terceiro quarto, fazendo o que “sabe” fazer. Nem vou falar do TD corrido só tentado na 3ª descida…

NOTA DOIS

Shaun Dion Hamilton. Representante de um corpo de LBs pífio. Temos três LBs nota 6 no elenco que, quando não jogam, não têm substituto. Dois ficaram de fora do jogo contra Seattle (Cole Holcomb e Kevin Pierre-Louis), mostrando que atuar como spy (KPL) ou como preenchedor de gaps (Holcomb) não é uma tarefa das mais simples. SDH não mostra o atleticismo que teve em Alabama (há 4 anos?) e é apenas um bom backup, não aguenta o jogo inteiro como titular – só não é bust porque não existe isso em 6th round pick. Thomas Davis é enorme (tanto pelo que já fez na NFL, como pelo que pesa hoje), mas só não é mais lento porque estaria deitado. O resto… que resto?

NOTA TRÊS

Dwayne Haskins. Somente ficou confortável no jogo a partir da segunda metade do terceiro quarto. Mas ficar confortável é diferente de jogar efetivamente bem. Teve uma atuação abaixo da crítica até então, completamente desconfortável com o playbook, que não foi pensado para sua melhor habilidade: passes entre 10 e 15 jardas, onde ele tem a mesma acurácia dos passes mais curtos. O que é ruim para passes curtos, é ótimo para esses passes, que não fizeram parte do playbook até… a metade do terceiro quarto. Nota a parte: vá ser lento em ler rotas no College, Dwayne! Pelamordedeus!

NOTA QUATRO

JD McKissic. Apesar de bem em alguns momentos, falhou em dar mais opções para Dwayne, além de ter perdido algumas linhas possíveis para corrida. Talvez tenha sido um pouco superior a nota quatro, mas ele deveria steped up, ter jogado melhor. Tá, é bastante para um FA que ganha $1,16M por temporada? É também a razão pela qual ele ganha isso por temporada.

Notas para um time 6-8
DT Daron Payne #94 após uma importante interceptação contra o Seahawks (Créditos da imagem: Geoff Burke, USA TODAY Sports) Direitos autorais: Geoff Burke

NOTA CINCO

Ron Rivera. Rivera é alguém difícil de avaliar no momento. Já dobrou o número de vitórias na temporada, tem feito com que o time jogue por ele (e por Alex Smith), mas tem tido alguns erros em campo, especialmente na questão de se impor na sideline. A longa corrida de Russell Wilson que permitiu o último TD de Seattle não voltou por causa disso: houve um holding claríssimo em Chase Young e, como não há medo dele pelos árbitros, é um dos fatores pelo qual não foi marcado. Seguem mais notas para um time 6-8.

NOTA SEIS

Jack Del Rio. Ganha nota 6 não pelo jogo em si, mas pela montagem de elenco. Precisávamos de mais LBs. O diagnóstico da unidade foi concluído por volta da semana 8. Já deveríamos ter alguém – ou ao menos treinado melhor alguém – que soubesse fazer a função de spy que não se chame Kevin Pierre-Louis. No jogo, a defesa acordou razoavelmente cedo – e cedeu 13 pontos na primeira etapa e 7 na segunda. A unidade foi bem como um todo – e finalmente somos uma defesa top5, como esperávamos há dois anos.

NOTA SETE

Logan Thomas e Laurinho. Únicos que valem ser mencionados do ataque, positivamente. Ambos foram boas válvulas de escape, seja recebendo bolas, seja atraindo marcação. Poderiam ter ido melhor? Sim. Com Dwayne Haskins? Não acredito.

NOTA OITO

Montez Sweat. Mais um passe defletido, recuperado pelo Da’Ron Payne. Está aqui como representante de toda a DL: sacks não são importantes. Vocês repararam que Russell Wilson correu muito menos do que antecipávamos? É porque nosso foco foi em contê-lo no pocket, o que foi muito bem sucedido – a não ser duas corridas, uma delas onde houve falta do ataque, não marcada pela arbitragem.

NOTA NOVE

Tress Way. Quem reparou no jogo viu uma batalha de punters elite. Lindo para quem gosta.

NOTA DEZ

Para a resiliência de Washington. Morgan Moses cedeu um sack a um bull rush numa segunda para dez na linha de 23 jardas do nosso último drive. Antes disso, sofreu uma lesão onde estava mancando (muito). Não crucifiquem Moses. Ele é o reflexo da resiliência do time que, perdendo por 20 a 3, conseguiu dois TDs e deixou o jogo em uma posse. Esse time tem raça, vontade de ganhar e talento – mas ainda é muito novo. Nosso crescimento é exponencial, seja durante os jogos, seja durante a temporada.

NOTA ONZE

A Nação Uóxintoniana Futeboliana Timeniana. Adoro acompanhar os jogos com vocês – apesar da corneta. Hoje, dia 21, é meu aniversário, então gostaria de falar que sou grato a todos vocês por compartilhar a paixão pelo maior time de futebol americano que eu torço de todos os tempos. Saímos da draga – essa foi apenas uma valeta no caminho dos playoffs 2020. Que estaremos, apesar dos que duvidam de Alex Smyth. Este foi o Notas para um time 6-8.

APORANGA!
#HTTWFT

texto por Antonio Cruz (tt: @fredericopisto1)
revisão por Diogo Araujo (tt: @diogoniiiii)


__
“..Hail victory! Braves on the warpath, fight for old D.C.!”

DEIXE UMA RESPOSTA