Foi uma semana importante para o futuro do Browns pensando já na próxima temporada e quem sabe jogar em 2023, muitas ocasiões foram travamentos de uma empolgação virar realidade mas logo na segunda semana da temporada regular uma ocasião já foi de impacto para todo um ano e o que esperávamos dele.

O ombro esquerdo de Baker Mayfield deslocou-se em 19 de setembro quando ele tentou derrubar o safety do Texans, Justin Reid, que havia interceptado um passe no segundo quarto depois que o calouro Anthony Schwartz parou de repente enquanto corria uma rota. Mayfield começou a usar um cinto de ombro ou mais fácil de explicar como uma tipóia como resultado da lesão e mais tarde revelou que havia sofrido uma lesão no labrum do ombro onde foi completamente rasgado junto com um desgaste.

Então, na semana 6, a lesão no ombro se tornou ainda mais problemática. O defensive end do Arizona Cardinals, J.J. Watt sackou Mayfield, derrubando o quarterback no chão e com isso o pior ainda poderia piorar quando ele sofreu uma fratura no osso do úmero ma derrota por 37-14 em 17 de outubro.

Muita gente não conhece o que realmente aconteceu com a principal lesão que o Mayfield teve e como tivemos a sua cirurgia visando ele estar 100% para a próxima temporada pedimos para uma especialista no assunto que já havia falado sobre no twitter a levar para mais pessoas a real situação que aconteceu.

Nágela Freitas é fisioterapeuta, especialista em ortopedia e traumatologia pela UNIFESP, uma pesquisadora colaboradora na USP e especialista principalmente em lesões no joelho. No twitter ( @nahfreitas42 ) ela já faz um trabalho após algumas lesões na NFL com threads explicativas que ajudam demais os torcedores a entenderem melhor o que aconteceu e como será o processo de recuperação de seu jogador.

Aqui a seguir a sua explicação onde foi postada no twitter na época sobre a lesão que o Baker Mayfield sofreu e que o levou para uma cirurgia na última quarta-feira:

A lesão inicial foi uma luxação de ombro:

A luxação do ombro ou deslocamento do ombro acontece quando os ossos que compõem essa articulação se desencaixam e perdem contato entre si, famoso “sair do lugar”.

Essa luxações podem ser recidivante, ou seja, pode ocorrer o episódio de luxação várias vezes. E a cada luxação o ombro vai se tornando cada vez mais instável e o risco aumenta. O ombro pode sair para qualquer direção, porém é mais comum para anterior.

Devido essas luxações outra estrutura pode ser acometida: o Labrum do ombro ou lábio da glenóide que é um tecido fibrocartilaginoso que circunda toda a borda da glenóide, aumentando assim a sua área de superfície e a estabilidade do ombro.

Lesão nessa região é MUITO dolorosa e obviamente pode ser agravada. A “sorte” dele é que não foi no braço de lançamento, o que seria uma lesão para fim de temporada, pois na maioria das vezes a cirurgia é necessária.

Imagem retirada da thread da Nágela Freitas no twitter

Mas engana-se quem acha que uma lesão no braço não dominante não seria um problema, afinal, para o lançamento, é necessário vetores de força que interagem entre si nos segmentos articulares, para se chegar a um resultado com velocidades elevadas da bola.

Ele também sofreu também uma fratura no úmero, o que provavelmente se trata de uma lesão de HILL SACHS. Lesão de Hill-Sachs: quando a cabeça do úmero sai para frente e se desencaixa da glenóide, no momento em que o úmero retorna ao seu lugar, a parte de trás da sua cabeça acaba batendo novamente na glenóide, porém dessa vez machucando a cabeça do úmero. (afundamento do osso).

A cirurgia foi um sucesso feita pelo Dr. Orr Limpisvasti, cirurgião ortopedista do Anaheim Ducks. Mayfield voltaria a estar de forma limitada no primeiro camp voluntário da equipe e já estaria 100% em meados de julho prestes a começar a pré temporada. A sua fisioterapia já começaria no próximo mês e daí poderemos ter números mais claros e certos quanto a sua recuperação.

A reabilitação de Mayfield deve levar de quatro a seis meses como uma previsão inicial. Antes de ficar de fora do final da temporada em 9 de janeiro, Mayfield disse à repórter da Fox Lindsay Czarniak que espera usar uma tipoia por cerca de seis semanas após a cirurgia e espera poder voltar ao trabalho no final de abril.

Após a cirurgia, Baker Mayfield gravou um vídeo já com a tipóia e ainda do hospital falando sobre o acontecimento:

“A cirurgia foi ótima. Foi um sucesso completo. Tinha uma ótima equipe médica. Cuidou de mim e marcou essa caixa para consertar isso, e agora está a caminho da recuperação. Este é um daqueles passos para voltar ao meu verdadeiro eu. Este último ano não foi muito fácil. Muita coisa caiu. Não foi fácil para mim e minha família, então agradeço a todos que entraram em contato, que me desejaram felicidades e boa sorte na cirurgia. Todas as orações e tudo, definitivamente não passou despercebido, então obrigado. Obrigado a todos que ajudaram até agora. Agora está a caminho da recuperação. Não vai ser fácil, mas vai ser um que eu vou lembrar, e vai ser especial. Então vou manter vocês atualizados. Muito obrigado. Mas este não é o fim da minha história. Vai ser uma daquelas pequenas coisas que eu vou olhar para trás e lembrar que é um daqueles desafios e adversidades que vou tentar aproveitar e me tornar uma pessoa melhor. Então, obrigado a todos que entraram em contato mais uma vez. Vamos buscá-lo.”

 

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA