Nova comissão técnica então nova idéias de como se montar um elenco e essa escolha já mostrou uma das visões impostas para seguir no futuro desse time e é ter um grande grupo de TEs, o esquema de Kevin Stefanski pede isso e por mais de já ter David Njoku e a contratação de Austin Hooper o Browns selecionou mais um e viu em Harrison Bryant um complemento para este trio e aqui estamos para falar da sua jornada improvável até a NFL.

Quando Harrison Bryant receber seu primeiro bônus de assinatura depositado em sua conta corrente, ele deverá enviar uma nota de agradecimento a algumas pessoas por impulsionar o recruta de ZERO ESTRELA por esse caminho inesperado.

O primeiro é JT Wall, o treinador da John Milledge Academy em Milledge, Geórgia. Bryant jogou de forma ofensiva nas três primeiras temporadas do ensino médio antes de Wall – uma ex-escolha do draft do Pittsburgh Steelers o mover para a posição de Tight End no Sênior Year.

“Foi uma transição estranha no começo, mas eu sempre fui capaz de pegar a bola muito bem e cresci 5 ou 6 polegadas e perdi um pouco de peso”, disse Bryant no Scouting Combine. “Meu treinador do ensino médio (disse) sua melhor aposta para a faculdade é fazer a transição. Era a chamada certa. Eu o ouvi, confiei nele e deu certo.

O segundo é Travis Trickett, sem ele certamente Bryant estaria jogando na defesa em uma escola no nível do FCS.

“Eu estava indo para Samford para jogar na defensiva e o OC (Trickett) foi para a FAU algumas semanas antes do dia da contratação”, disse Bryant. “Ele me ligou e eu fui em uma visita e eles me ofereceram em pouco tempo. Foi assim que acabei lá.”

O terceiro é John Raine. Embora Bryant pudesse bloquear, ele mal teve uma base rudimentar no jogo que passava. Raine, seu colega de quarto e um membro da turma de recrutamento da FAU em 2016, serviu como um mentor altruísta.

“Entrando na FAU, eu não conseguia fazer nenhuma rota”, disse Bryant. “Na verdade, meu colega de quarto, nosso outro lado difícil, ele me ensinou a percorrer rotas. Ele jogou muito bem também, então estava sempre me dizendo: ‘Vamos lá, Bryant, eu preciso de algo. Preciso que você me pague de volta ou algo assim. Eu sou como, ‘Nah.’ Ele sempre brinca dizendo que desejava não ter me contado coisas assim. Mas somos melhores amigos e foi ele quem me ensinou a correr, a técnica e os detalhes, porque eu era realmente um corredor de rota que entrava na FAU jogando ofensivamente durante toda a minha vida. ”

Bryant já assinou por 4 anos com o Cleveland Browns

Bryant passou de seis recepções como calouro para 32 como Sophomore de segundo ano e 45 como Júnior. Isso preparou o terreno para uma temporada histórica em seu último ano. Bryant venceu o Mackey Award como o melhor Tight End do país, após uma temporada monstruosa de 65 recepções por 1.004 jardas e sete touchdowns. Suas 3,4 jardas por rota não apenas lideraram o país, mas também foram um dos dois pontos mais apertados, chegando à média de 2,0. Ele começou sua temporada com seis recepções para 79 jardas contra a poderosa Ohio State, e seis de seus touchdowns ocorreram nos quatro últimos jogos. Bryant se tornou o primeiro jogador a não participar de uma conferência Power 5 a vencer o Mackey em seus 20 anos de história e o primeiro jogador nos 19 anos de história do programa a receber um prêmio individual nacional.

Por qualquer estatística analítica, Bryant dominou. Ele conseguiu impressionantes 8-de-11 passes lançados mais de 20 jardas no campo, a média de 6,4 jardas após a captura e forçou 12 tackles perdidos, de acordo com o Pro Football Focus. Essa contagem de tackles perdidos está empatada com o número 1 na classe de draft. Além disso, ele tinha uma taxa de captura de 54,2% nas capturas contestadas. Além disso, com esse histórico ofensivo, ele não tem medo de fazer o trabalho sujo. “Com certeza. Minha vontade de bloquear está lá. Eu sempre tive isso. Gosto de bloquear e sinto que isso é algo importante em jogar no ataque ofensivo porque, quando cresci, tudo o que fiz foi bloquear as pessoas, por isso é definitivamente lá e eu gosto e sinto que faço um bom trabalho nisso. ”

Com 1,80 m de altura e 11,5 kg, Bryant não se compara fisicamente com 4,73 no tiro de 40 jardas, 32,5 no pulo vertical e 13 repetições no supino. Portanto, é justo imaginar quanto do que ele fez contra uma competição menor na faculdade se traduzirá na NFL e esse é o ponto que mais preocupa. Além disso, ele dropou 8 passes, sua taxa de drop de 10,4% é uma das piores da classe de draft, talvez um subproduto das medidas de suas mãos que listou como 9 1/2-inch. Enquanto ele tem a mentalidade, ele não tem o peso de ser um bloqueador consistente. Essa parte levará tempo na sala de musculação.

Lance Zierlein, da NFL.com, comparou Bryant a George Kittle, do San Francisco 49ers All-Pro, antes do início do draft.

Em resumo, aqui está o resumo de seu relatório de observação:

Alto QI de futebol e possui resistência como bloqueador

Preocupações em relação à sua capacidade como um nível mais elevado de adversários

Técnica e tenacidade fornecerão auxílio no jogo de corrida

Pode se tornar um “iniciante” e tem o talento de ser um alvo de captura de “alto volume”

Aqui alguns vídeos dele:

O jogo contra Ohio State foi citado e por muitas vezes no jogo tivemos confronto dele contra Jeffrey Okudah CB No.1 desta classe. Okudah teve muitas boas coberturas mas Bryant ainda sim teve rotas ganhas contra o Cornerback

O ganho de jardas pós recepção é algo nos números e visto em jogo muito bem vindo dele

Aqui na hora da escolha vídeos da NFL Network que inclusive mostram momentos dele em várias posições diferentes na High School

Recepção por mais que é um problema até porque o desenvolvimento não foi desde o começo na posição de Tight End ele ao longo desses ano parece cada vez mais confortável

Será uma transição difícil, por mais que o prospecto seja o que mais me deixa com atenção para um uso imediato mesmo vindo de fim de Draft irá precisar adequar características físicas e técnicas para estar atrelado com o nível que se espera dele na NFL

DEIXE UMA RESPOSTA