Billy Donovan pode fazer o Chicago Bulls competir?

Ainda estamos no in√≠cio da temporada e perguntas como essa, talvez, n√£o tenham uma resposta clara. Entretanto, em rela√ß√£o a temporada do Chicago Bulls, √© poss√≠vel perceber in√ļmeras diferen√ßas em rela√ß√£o as outras que nos fazem crer que esse time pode, sim, competir – principalmente ap√≥s os jogos contra as equipes de L.A.

Isso não significa que o Bulls vai ser o próximo campeão da NBA. Nem mesmo que conseguirá uma vaga para os playoffs dessa temporada. Mas significa que o potencial mostrado até o momento é de um time que pode brigar por uma vaga e, futuramente, por coisas maiores.

Melhor aproveitamento de jogadores

Um dos motivos principais – e mais √≥bvios – para um time se tornar mais competitivo √© saber tirar o m√°ximo dos seus atletas. Detalhe esse, extremamente cobrado pelos torcedores nas √ļltimas temporadas com Fred Hoiberg ou Jim Boylen.

Isso porque, principalmente com o √ļltimo treinador, era um conceito bem escasso e que, consequentemente, atrapalhava os desempenhos individuais de cada um. Talvez, o exemplo mais claro disso seja Coby White e Lauri Markkanen. Nesse sentido, muito se criticava o Boylen por conta de centralizar, exclusivamente, o jogo em cima de Zach Lavine e sacrificar os demais jogadores do seu time.

Por mais que Lauri tenha jogado apenas quatro jogos at√© o momento, ele mostra um conforto bem maior em quadra do que nas √ļltimas temporadas. E, acima de tudo, entende perfeitamente quando √© a sua hora de decidir ou n√£o.

Além disso, Coby White teve uma evolução, técnica e numérica, bem relevante para essa temporada. Numericamente falando, essa evolução passa muito por conta da mudança que Billy fez ao colocá-lo como armador do time. De início, é natural que o jogador estranhe, mas ele parece estar se acostumando.

E isso reflete diretamente em seus n√ļmeros. Para se ter ideia, na √ļltima temporada, Coby contribu√≠a com 13 PPG (pontos por jogo), 3,5 rebotes e 2,7 assist√™ncias. J√° nessa, seus n√ļmeros s√£o de 17,3 PPG, 5,2 rebotes e 6,2 assist√™ncias. Ou seja, principalmente nas assist√™ncias, o n√ļmero relativamente maior reflete em ele ter mais a bola nas m√£os do que na √ļltima temporada.

Mais organização e competência

Em nova temporada e com novo t√©cnico, o Chicago Bulls vai mostrando evolu√ß√Ķes interessantes. Mas, √© o bastante para competir?
Foto: Nick Wass / AP

Necessariamente, organização e competência andam lado a lado. Se há organização, mas não há competência, um time não finalizará seus ataques da maneira correta. Por outro lado, se há competência e não há organização, seus ataques dependerão exclusivamente de lampejos individuais de cada atleta. E era exatamente isso que acontecia nas temporadas passadas.

Enquanto treinava o Chicago Bulls, Boylen era fortemente criticado por conta de algumas chamadas em campo. Normalmente, suas jogadas em “clutch time” terminavam sempre indo, de alguma forma, para as m√£os de Zach LaVine.

Mas o problema maior disso não é esse fato. Até porque, é natural acontecer isso. Mas sim como a jogada era construída sem criatividade, bloqueios necessários e utilização completa do tempo. Ou seja, o que facilitava a leitura e contestação das jogadas pelos adversários.

Nesse ponto, já conseguimos ver um certo avanço para esta temporada. Isso porque, ter Coby White e LaVine em grande fase amplia suas possibilidades e, principalmente, confunde o adversário.

Al√©m disso, Billy Donavan parece entender melhor seus jogadores e isso reflete em jogadas durante o jogo inteiro. √Č not√≥rio em como os espa√ßos ofensivos da quadra s√£o preenchidos de maneira melhor e as jogadas fluem mais “naturalmente”. Ou seja, sem precisar de lampejos individuais a todo instante.

N√ļmeros ofensivos

Foto: reprodução

Tais fatos acima se comprovam quando olhamos os n√ļmeros ofensivos do Chicago Bulls dessa temporada em compara√ß√£o com a √ļltima. O mais expressivo talvez seja a compara√ß√£o de pontos. Enquanto na √ļltima temporada o Bulls ocupou o posto de quarto pior ataque da liga (106,8 PPG), nessa, √© o sexto melhor (116,1 PPG).

Além disso, a própria porcentagem de arremessos (FG) mostra um aumento significativo de uma temporada para a outra. Se na passada Chicago tinha o quinto pior aproveitamento (44,7%), nessa temporada tem o nono melhor (47,7%). Talvez, em porcentagem, não seja tão grande, mas em quadra faz total diferença.

Isso, consequentemente, mostra uma melhora não só em retirar o máximo dos seus atletas, mas também uma melhora nas escolhas de arremessos durante uma partida. O que, naturalmente, deixa qualquer equipe mais competitiva.

Al√©m desses n√ļmeros, LaVine ainda √© l√≠der da equipe (27,7 PPG) e parece assimilar melhor as ideias do seu novo Head Coach. Al√©m de uma evolu√ß√£o no que diz respeito √†s suas escolhas em quadra, ele segue sendo o respons√°vel por fazer as coisas acontecerem quando a situa√ß√£o aperta.

O que precisa melhorar

Em nova temporada e com novo t√©cnico, o Chicago Bulls vai mostrando evolu√ß√Ķes interessantes. Mas, √© o bastante para competir?
Foto: reprodução / NBC Sports

Mas, nem tudo ainda está perfeito. Alias, longe disso. Defensivamente o Bulls ainda comete alguns erros Рindividuais e coletivos Рque precisam mudar o quanto antes. Seja numa troca de marcação, falha na hora de executar marcação em zona ou até mesmo baixa proficiência na marcação individual, algumas coisas precisam de resolução se quiserem brigar um pouco mais alto.

Para se ter uma ideia, a franquia de Illinois é a terceira pior quando o assunto é pontos cedidos por jogo. No total, são 121,1 PPG, ficando empatado com o Kings e à frente apenas de Wizards (121,3 PPG).

Al√©m disso, outra coisa que parece n√£o ter tido grandes avan√ßos em rela√ß√£o a temporada passada s√£o os n√ļmeros de turnovers por partida (TO). Mesmo com a evidente melhora em tomadas de decis√£o e escolha de arremessos, as perdas de posse e erros com a bola seguem sendo um fantasma para esse equipe. Chicago √© o 14¬ļ pior da liga no quesito e tem m√©dias de 14,3 TOs por jogo, Na temporada passada, eram 14,6, mas ocupava o posto de 7¬ļ pior.

Enfim, são mudanças que devem acontecer com o tempo. Afinal, assim como em qualquer esporte, um técnico precisa de tempo para implementar todas as suas ideias, e não seria diferente no basquete. Ele é um treinador, não Jesus Cristo para fazer milagre da noite para o dia.

Mas, nesse caso, os pontos positivos são mais evidentes que os negativos. Ou seja, o torcedor do Chicago Bulls, que não vê um time competitivo a tanto tempo, pode voltar a se animar com as perspectivas para o futuro.

Todos os conte√ļdos publicados neste site s√£o de responsabilidade de seus autores e n√£o necessariamente refletem as opini√Ķes e posicionamentos da FN Network.

Deixe um coment√°rio

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOT√ćCIAS RELACIONADAS

nba-2k-o-que-e
O que é NBA 2K: conheça o videogame oficial da NBA
porque-usar-vpn
Por que usar VPN? 5 raz√Ķes para quem ama esportes
dafabet-apostas-bonus
Um guia para encontrar os melhores b√īnus em empresas de apostas
betano-brasil
Betano: sensação de apostas em alta no Brasil
jogadores-nba-hackeados
Relembre jogadores da NBA que foram hackeados
vpn-para-esportes
Por que faz sentido usar VPN para assistir esportes?
b√īnus de boas vindas cassino online
B√īnus de boas-vindas: veja como aproveitar e se esbaldar nos melhores cassinos online
imagem de b√īnus de casas de apostas
ūüéĀ Tipos de b√īnus de casas de apostas: os benef√≠cios dos b√īnus de apostas
betnacional-melhor-plataforma
Descubra a Emoção Do Betnacional: A Melhor Plataforma de Apostas Do Brasil