Andrew McCutchen: um dos maiores jogadores do século, agora de volta para casa

Por Filipe Saochuk

Cinco vezes All-star, uma Luva de Ouro, quatro vezes vencedor do Silver Slugger Award e um MVP da Liga Nacional. Este é um breve resumo da carreira do maior e melhor jogador do Pittsburgh Pirates neste século e um dos principais nomes da Major League Baseball nos últimos 20 anos. Após cinco anos longe, o bom filho à sua casa tornou: Andrew McCutchen volta a ser um Pirata em 2023.

O veterano outfielder de 36 anos passou por San Francisco Giants, New York Yankees, Philadelphia Phillies e Milwaukee Brewers desde que foi trocado pelos Pirates em 2017.

Em 20 de janeiro deste ano, o reencontro de ‘Cutch’ com o uniforme preto e amarelo finalmente aconteceu após o jogador assinar um contrato de um ano e U$5 milhões, em um movimento que significa muito mais para a franquia de Pittsburgh, que espera estar retomando o caminho das vitórias após anos de sofrimento.

De grande promessa a MVP

Andrew Stefan McCutchen nasceu em Fort Meade no estado da Flórida, em 10 de outubro de 1986. Estudou e iniciou sua vida esportiva na mesma cidade em que nasceu, praticando beisebol, atletismo e futebol americano na Fort Meade High School.

Apesar de ser um dos principais prospectos do seu estado como atleta de futebol americano, na posição de wide receiver, o jovem McCutchen escolheu seguir a carreira no beisebol… breve spoiler: talvez tenha sido a decisão acertada.

No seu último ano de Ensino Médio, teve uma média de rebatidas de .709, rebateu 16 Home Runs e teve 42 RBIs. Com números impressionantes, Andrew se comprometeu com a Universidade da Flórida para jogar no College Baseball, mas o Pittsburgh Pirates tinha outros planos para sua carreira.

McCutchen foi escolhido na 11ª escolha geral do MLB Draft de 2005. Pelos quatro anos seguintes atuou e se destacou nas Minors Leagues de Pittsburgh, sendo eleito em 2009 o 33º melhor prospecto de toda a liga pela Baseball America, e o 25º pela Baseball Prospectus.

Em 3 de junho de 2009, Andrew foi chamado para integrar o elenco dos Pirates na Major League. No dia seguinte, o novo Center Fielder da franquia estreou e conseguiu uma rebatida logo em seu primeiro at-bat, contra o New York Mets.

Com 12 HRs, 54 RBIs e 22 bases roubadas, terminou o seu primeiro ano na quarta posição na votação de Calouros do Ano da Liga Nacional.

Até 2012, os Pirates viviam uma situação complicada e definitivamente não tinham um time competitivo, mas o camisa 22 chamava a atenção de toda a liga a cada vez que pisava em campo. Foi duas vezes All-star e em 2012, conquistou sua primeira Luva de Ouro, o prêmio de Silver Slugger e foi nomeado Jogador Defensivo do Ano na NL.

No ano seguinte, se iniciou uma era especial do beisebol na ‘Cidade das Pontes’. Nomes como A.J. Burnett, Gerrit Cole, Francisco Liriano, Pedro Alvarez, Starling Marte e claro, Andrew McCutchen, faziam parte daquele time especial.

No ano em que ‘Cutch’ conquistou o título de MVP da Liga Nacional, os Pirates venceram 94 jogos e voltaram a pós temporada pela primeira vez desde 1992, quando Barry Bonds ainda era jogador da equipe. Em um jogo histórico contra os Reds no Wild Card Game, Pittsburgh venceu por 6 a 2, mas acabou eliminado por St. Louis no round seguinte.

Cutch recebendo o prêmio de de MVP em 2013 (Foto: Pinterest)
Cutch recebendo o prêmio de de MVP em 2013 (Foto: Pinterest)

Apesar da derrota, aquele time deu início a uma era onde vencer se tornou novamente possível nos Pirates. A equipe voltou aos playoffs em 2014 e 2015 (conquistou 98 vitórias), ambas acabando com doloridas derrotas no Wild Card para San Francisco Giants e Chicago Cubs respectivamente, e ambas tendo novamente Andrew McCutchen como um dos principais jogadores.

Aquele time foi se desfazendo e os dois anos seguintes já não foram mais os mesmos para a franquia. Cutch, apesar de ainda ser muito bom jogador, não era mais a mesma força dominante de cinco anos atrás. Até que em 15 de janeiro de 2018, o camisa 22 foi trocado para os Giants, em um pacote que envolveu a ida de Bryan Reynolds para Pittsburgh.

Na mesma temporada, foi trocado para os Yankees. De 2019 a 2021 defendeu as cores do Philadelphia Phillies, onde se destacou, apesar de ter rompido seu Ligamento Cruzado Anterior (LCA) no primeiro ano de contrato. Fechou 2021 com um total de 27 Home Runs e 80 corridas impulsionadas.

Andrew McCutchen atuando pelos Phillies (Foto: Phillies Nation)
Andrew McCutchen atuando pelos Phillies (Foto: Phillies Nation)

Mesmo com 35 anos, McCutchen ainda poderia ser uma peça útil para uma equipe interessada em competir. Na última temporada, assinou um contrato de um ano com o Milwaukee Brewers. Mesmo longe de sua melhor fase, conseguiu concluir o ano com sólidos 17 Home Runs.

As ramificações do aguardado reencontro

Nas duas últimas temporadas, o Pittsburgh Pirates fechou a temporada da MLB com pelo menos 100 derrotas, e a sua torcida já cansada de anos melancólicos e times nada competitivos, esperava por mudanças.

Apesar de mais um ano sofrido, a temporada terminou de maneira a gerar esperança por parte dos fãs, que viu uma base muito jovem e com potencial se formar para o futuro da equipe.

Oneil Cruz, Rodolfo Castro, Jack Suwinski, Ke´Bryan Hayes, Roansy Contreras, além de Bryan Reynolds e diversos outros prospectos que estão prestes a subir para a MLB, são alguns dos motivos que fazem o torcedor de Pittsburgh voltar a sorrir, mesmo que ainda timidamente.

Uma Free Agency mais agressiva em busca de reunir nomes competentes e veteranos para ajudar no desenvolvimento de um time tão jovem era a grande necessidade da franquia. De maneira surpreendente, a direção dos Pirates se movimentou e contratou jogadores como Ji-Man Choi, Carlos Santana, Rich Hill e Austin Hedges.

Estes não são jogadores que “quebraram o mercado”, mas que trouxeram mais seriedade aos planos de reconstrução de Pittsburgh e tornaram o time ao menos mais intrigante… Mas ainda faltava uma peça.

Atendendo ao desejo de anos dos torcedores e do próprio jogador, Andrew McCutchen assinou com os Pirates por uma temporada e U$ 5 milhões. Um movimento que pegou grande parte do público de surpresa e que adiciona a este time muito mais do que apenas as qualidades de um veterano outfielder de 36 anos.

Andrew McCutchen retorna aos Pirates para 2023 (Foto: Pirates Twitter)
Andrew McCutchen retorna aos Pirates para 2023 (Foto: Pirates Twitter)

O camisa 22 representa a última vez em que os Pirates foram uma equipe vencedora e interessada em competir. Cutch chega com uma bagagem de MVP e diversas vezes All-star, trazendo consigo uma experiência, liderança e vontade de vencer que tanto faltou para a franquia nos últimos anos.

Um time jovem e de grande potencial, que adiciona boas peças e o maior jogador do time no século, mesmo que já bem longe do seu auge. O que pode-se esperar do Pittsburgh Pirates em 2023 ainda é incerto, mas a torcida pode ter ao menos um motivo para sorrir: Andrew McCutchen é novamente um Pirata.

Todos os conteúdos publicados neste site são de responsabilidade de seus autores e não necessariamente refletem as opiniões e posicionamentos da FN Network.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS RELACIONADAS

radio-pirata-093
Rádio Pirata 093 – Midseason Awards 2024
radio-pirata-091
Rádio Pirata 092 – Festival de bullpen game
radio-pirata-091
Rádio Pirata 091 – O poder do bigode
radio-pirata-090
Rádio Pirata 090 – Os piratas sorriem
radio-pirata-089
Rádio Pirata 089 – Welcome to the show, Paul Skenes!
radio-pirata-088
Rádio Pirata 088 – Mitch Keller Complete Game e Paul Skenes vem aí!
radio-pirata-087
Rádio Pirata 087 – Cara, que ataque ruim!
radio-pirata-086
Rádio Pirata 086 – O fenômeno Jared Jones e os combalidos piratinhas
radio-pirata-085
Rádio Pirata 085 – Cutch 300 e rotação afinada