Existe um consenso para este próximo Draft, quanto a posição que o Browns deveria investir na primeira rodada e quanto as opções de escolhas diversas, primeiramente o nosso começo de cobertura para o Draft analisando talentos será totalmente focado em Wide Receiver pois o Browns e todos entendem que para o quinto ano de Baker Mayfield ele precisa de ajuda e impacto no jogo aéreo muito também por causa dos problemas que o setor teve na última temporada, muito por causa do exemplo do Chase com o Bengals e muito por causa da questão de “última chance” para o quarterback provar valor e com isso ter em volta dele peças para o tal desafio.

Para o bem de Cleveland essa é a classe de recebedores mais extensa e impactante de talento em muito tempo, entre as principais opções a sensação é a de que qual caminho o Browns traçar não será exatamente um erro, grandes classes tem um roteiro de que são talentos tão grandes com estilos diferentes que o gosto pessoal será ainda mais fator para a franquia e para os torcedores, após todos os textos desses nomes certamente teremos diversas visões indo para direções diferentes, eu mesmo não tenho ainda o meu WR favorito mas em pouco tempo espero ter.

Serão 4 jogadores analisados individualmente por nós e um quinto texto trazendo outras perspectivas da posição focando até para escolhas do segundo e terceiro dia e para iniciar nossa cobertura do Draft 2022 por influência do público e até minha trazemos Garrett Wilson WR de Ohio State para ser o primeiro jogador analisado entre eles todos:

GARRETT WILSON – OHIO STATE

Garrett Wilson não é o maior, mais forte ou mais rápido dos principais recebedores da classe do Draft em 2022, mas sua agilidade, controle corporal e sua habilidade antes e depois da recepção o colocaram entre as melhores opções se não a mais impactante de início imediato a um time que busca novamente playoffs e sucesso em janeiro. Antes de qualquer medição antes do Draft ele é listado como 1,83m de altura com 85kg, ele saltou a ser o principal alvo em seu terceiro ano de college finalmente chegando a passar das mil jardas (1058yds), saltou em número de TDs (12) com uma boa média de 15,2 jardas por recepção.

O seu processo antes e depois da recepção são impactantes em seus highlights, o jogo de Wilson começa com seus quadris com sua capacidade de soltar os quadris efetivamente permitindo que ele entre e saia de suas pausas em rota com pouco movimento desperdiçado. Ele também é capaz de girar seu corpo, facilmente se encaixando para pegar passes ou disputar arremessos fora da janela de alvo aumentando seu raio de captura. A sua questão de quadris seria que ele tem movimentos corporais bastante agressivos onde é possível ter a perspectiva que até no próximo nível na NFL trará problema para defensores que se “quebram” visualmente com essas mudanças. Emparelhado com seus pés rápidos, ele é capaz de manter os oponentes desequilibrados, você vai perceber que ele vai parar e recomeçar a corrida, mudar de um lado para o outro, isso vezes várias vezes em uma única jogada, para que ele possa fazer o defensor dar um passo em falso, ponto em que ele os derrotou muito nessa última temporada.

 

Em marcação homem a homem ele tem essa facilidade de criar território rapidamente e por isso vejo muito ele em Slot, a questão do seu estilo e característica físicas e de jogo que me intrigaram, Cooper Kupp atual campeão do Super Bowl com o Rams e tendo uma das melhores temporadas que um recebedor já teve na NFL nos últimos anos citou quanto a análise da posição as vezes técnica deveria ser algo bem mais visto do que a questão de velocidade e talvez deveria ter um pouco mais de peso sim. A velocidade máxima de Wilson não vai surpreender ninguém, aliás abaixo de pelo menos dois dos top5 da posição para mim, a sua aceleração e controle corporal são suas melhores características, em seu jogo vertical a base em manter o oponente adivinhando sua cartela de mudanças de direção é oq eu está mais entorno do que deixa seu jogo apaixonante de se assistir.

Na NFL mais times estão adotando uma visão de se defender quanto a recebedores assim com pressão desde o primeiro estágio da jogada, eles basicamente o envolvem nos primeiros metros, para que ele não possa evitá-los com tanta rapidez além de testar a arbitragem quanto a noção deles em marcar penalidades durante todo o jogo e nisso se adaptar a arbitargens agressivas ou não. Wilson usa muito a parte inferior do corpo para derrotar o homem e a cobertura com pressão, mas na NFL vai precisar incorporar mais a parte superior do corpo para se defender dos adversários que vão tentar segurá-lo no início da aceleração e acredito que ele vai ter problemas no início quanto a isso.

Quanto as mãos de Wilson lá esteve um número um pouco acima do esperado de drops frustrantes que parecem facilmente evitáveis ​​e precisarão ser tratadas se Wilson quiser maximizar suas oportunidades. A disciplina visual para ver a bola em suas mãos precisa ser melhor, mas quando ele está empenhado em estender e tentar se colocar a recepcionar passes bastante altos ou em janelas pra fora da sua janela de passe ele é capaz de recepções corajosas e tem algumas grandes recepções, é aquela linha tênue entre pegar passes difíceis que impacta qualquer um que esteja assistindo ao mesmo tempo que passes fáceis negados podem ser fator em campanhas também.

 

No meio do texto trago algo que eu sempre vou buscar nesses jovens que é sobre sua personalidade e sua vida fora apenas as questões técnicas e físicas do jogo, Garrett vem a mim como uma personalidade completa quanto ao que está entorno de um jogador de futebol americano que sai do college com mídia alta em cima dele baseado em sua entrevistas com a mídia. Ele faz o detalhamento muito sobre os jogos e atuações individuais dos jogos, nunca teve problema em Ohio State e sempre na questão hierarquia dá pra ver que sempre cita Ryan Day junto as suas explicações, existe o lado da personalidade forte quanto a parece não mudar seu clima na derrota ou vitória, sempre está para confrontar os questionamentos dos dois extremos do resultado mas ele tem o que mais se acha em um WR, ele é um pouco arrogante na forma que se trata a ele e para o jogo e isso não é algo de ruim não como todos já sabem.

Wilson pode contribuir em todos os níveis do campo e tem experiência jogando nas três posições de recebedor, falo muito de slot e consigo ver muito essa sua contribuição em ganhar separação inicial ou muita verticalidade para passes curtos, muito do Stefanski tentando estabelecer confiança no Mayfield exige isso para que haja inclinações e arranques pós recepção que permitam a Wilson criar oportunidades com as pernas após essa conclusão de passe.

No Browns, com companheiros de equipe como Donovan Peoples-Jones e seus tight ends, Wilson pode parecer enganosamente pequeno. Ele poderia ser um jogador que as defesas lutam para rastrear seu movimento ou como parte de foco em uma marcação em zona onde sempre focamos ter recebedores que tenham essa energia gasta apenas para tentar garantir que eles não o percam podendo criar aberturas para outras opções de passe, bem como para o jogo corrido também.

 

DEIXE UMA RESPOSTA