O Miami Dolphins vem passando por um processo de reconstrução desde a temporada passada. Jogadores que eram renomados e tinham um bom valor de mercado foram negociados em 2019 (caso de Minkah Fitzpatrick, Tunsil e Stills, por exemplo) em troca de escolhas de draft. Com isso, Miami foi acumulando capital de draft, e entra no recrutamento de 2020 com quatorze escolhas gerais, sendo que três são de primeira rodada.

Além disso, a franquia da Flórida aproveitou-se do grande espaço que tinha no salary cap para reforçar-se na Free Agency, principalmente no lado defensivo do campo. A partir disso, vamos discutir melhor o ótimo processo de reconstrução que está sendo feita pelos Dolphins.

A certeira contratação de Brian Flores, por parte de Miami

Head coach Brian Flores of the Miami Dolphins exits the field after a win over the New England Patriots on December 29, 2019. (Adam Glanzman/Getty Images)

Era um consenso que o elenco do Miami Dolphins era de longe o mais fraco da NFL em 2019. Depois de negociar seus principiais jogadores, Miami ficou com um grupo recheado de nomes desconhecidos, sendo muitos jogadores não-draftados, e chegou, inclusive, a utilizar 65 jogadores (!), segundo o Pro Football Reference. E mesmo com todos esses problemas no elenco, o então recém chegado Head Coach, Brian Flores (que até então era coordenador defensivo do New England Patriots) levou os Dolphins a cinco vitórias na temporada, todas nos últimos nove jogos, incluindo uma vitória contra o New England Patriots, em Foxborough.

Flores fez um trabalho extremamente sólido e fez com que aquele frágil time de Miami se tornasse muito competitivo e disciplinado. Além de contar, claro, com aparições muito boas de jogadores que até então estavam sendo esquecidos na liga, como o QB, Ryan FItzpatrick e o WR, DaVante Parker. Tornando-se parte fundamental da reconstrução do Miami Dolphins.

A pontual Free Agency dos Dolphins em 2020

Byron Jones is reportedly now the highest-paid cornerback in football. (Patrick Smith/Getty Images)

Mesmo com uma temporada acima do esperado em 2019, os torcedores de Miami não poderiam ter grandes ambições com o elenco que possuíam; dessa forma, reforços fizeram-se necessários como forma de agregar talento e profundidade ao roster; e foi o que aconteceu. Os Dolphins se aproveitaram do grande espaço no salary cap, que era de aproximadamente $94 milhões, segundo o CBS Sports, para fazer um grande investimento no período da Free Agency, principalmente em sua defesa que era o setor ainda mais frágil do time.

As principais contratações de Miami e os seus respectivos contratos são:

    • Byron Jones, CB (Ex-Cowboys): $82 milhões/ 5 anos; Média: $16.500 mihões; Valor garantido: $54.375 milhões. O cornerback chega para fazer dupla com o ótimo, Xavien Howard, e promete tornar a secundária de Miami uma das mais interessantes da NFL.
    • Kyle Van Noy, LB (Ex-Patriots): $51 milhões/ 4 anos; Média: $12.750 milhões; Valor garantido: $30 milhões. O extremamente versátil Linebacker chega para melhorar o setor de Miami e trazer a versatilidade tão valorizada por Brian Flores.
    • Shaq Lawson, Defensive End (Ex-Bills): $30 milhões/ 3 anos; Média: 10 milhões; Valor garantido: $20.800 milhões. O EDGE chega para reforçar o pass rush dos Dolphins, após ter 6.5 sacks na temporada passada.

O grande arsenal de picks dos Dolphins nos próximos drafts

A primeira coisa que precisa ser feita por um time que está em reconstrução é negociar os jogadores que tem algum valor em seu elenco, a fim de acumular capital de draft; e Miami fez isso com maestria. A franquia do Flórida realizou ótimos negócios, principalmente na troca que envolveu os jogadores Laremy Tunsil (Offensive Tackle) e Kenny Stills (Wide receiver); conseguindo receber dos Texans uma escolha de primeira rodada deste ano e uma de 2021, além de outras escolhas de rodadas mais profundas. E também, conseguiu uma escolha de primeira rodada de 2020 pelo ótimo safety Minkah Fitzpatrick.

Com isso, os Dolphins chegam ao recrutamento de 2020 com 14 picks, sendo três de primeira rodada, incluindo a quinta escolha geral, e duas de segunda rodada. Ou seja, além de poder garantir seu Franchise QB na escolha de número cinco (muito provavelmente será Tua Tagoivaloa); Miami poderá conseguir ótimos prospectos, principalmente no lado ofensivo da bola, visto a qualidade de jogadores de ataque dessa classe (especialmente Wide Receiver e Offensive Tackle), uma vez que, também, a defesa foi bem endereçada na Free Agency. E, além disso, Miami ainda tem garantidas duas escolhas de primeira rodada em 2021.

Visto isso, é possível perceber o grande trabalho que vem sendo feito pelo General Manager do Miami Dolphins durante essa reconstrução, Chris Grier e sua equipe; tanto na escolha dos profissionais para sua franquia, quanto na montagem de um sólido projeto pensando em médio, longo e até, quem sabe, curto prazo.

DEIXE UMA RESPOSTA