A defesa de Washington e seus problemas quase acéfalos

“Viva o WASHINGTON FOOTBALL TEAM!”

APORANGA, nação uóxintoniana futeboliana timeniana!

A única fã desta suposta coluna quase semanal, minha filha (que não curte futebol americano, mas acha que papai escreve bem – sim, minha filha adora ler o que escrevo, não importa o que seja), fez um comentário no dia que escrevo essas linhas e me deu o tema da coluna: pô pai, por que seu time só perde?

Para começar a responder a ela, resolvi escrever essas linhas nesta coluna quase semanal (ou mensal, ou trimestral, sei lá), mas o primeiro motivo (de muitos outros) que encontrei não vai satisfazer os fãs de Washington que encaram nossa defesa de forma positiva, com o seguinte raciocínio: o futebol americano começa nas trincheiras; nós temos uma linha defensiva muito boa; portanto, temos uma defesa no mínimo boa!

Jogando abaixo do que pode render…

Perdão, amigos, mas isso está longe de ser uma verdade. Trata-se de um sofisma aristotélico (dê um Google, estou com preguiça de explicar). E por que eu falo isso?
Bem, a primeira evidência que não temos uma boa defesa vem dos pontos cedidos por jogo: 30 pontos ou mais cedidos em cada um dos últimos três jogos, sendo que a única vez que não cedemos mais do que a barreira psicológica dos 20 pontos foi na estreia, contra um ataque pífio como é o dos Eagles esse ano, comandado por um QB que já teve bons momentos, mas está jogando mal.

Nenhuma defesa é boa se em 75% dos jogos cede 30 pontos ou mais! Poderiam falar que não tivemos Chase Young nos últimos dois jogos. Verdade. Mas o último jogo que ele jogou inteiro nós cedemos… 30 pontos. E isso porque eles puxaram o freio de mão do ataque cedo no jogo.

Vendo com um pouco mais de parcimônia nossa defesa, temos um bom pass rush (3º melhor da liga), paramos o jogo corrido no início do jogo (a estatística mais “e daí?”, mas um dia eu falo o porquê) e temos uma secundária que é a 9ª melhor em jardas por passe cedidos. Todas boas estatísticas. Mas em pontos cedidos? Somos a 21ª melhor defesa. Isso não é bom, meus caros.

Quais os problemas quase acéfalos na defesa de Washington?

Mas o que tem acontecido? Especialmente, duas coisas. A primeira é que estamos dando campo de menos para os adversários, tendo em vista a existência de turnovers – não só por INTs do Haskins, mas (também) por FGs errados (dois), fumbles, ausência de boas chamadas nas primeiras 20 jardas do campo (mesmo com os punts de 60 jardas do Tress Way).

defesa washington problemas acéfalos
Head coach de Washington Ron Rivera e seu coordenador defensivo, Jack Del Rio na sideline durante jogo

E há uma “quebra” dessa estatística muito interessante: se nossos adversários começam a campanha na linha de 35 jardas da defesa ou antes, eles têm apenas 11% de chance de marcar um TD. Porém, se eles começam da linha de 36 jardas da defesa para frente, eles têm 69% de chance de marcar um TD.

Nossa defesa simplesmente não está funcionando quando temos menos campo para defender – e isso, perdão a todos, vai na conta de Jack Del Rio. No último jogo, jogamos em prevent numa terceira descida para 11 jardas. Cedemos. Lembram do Manuskkaarpoiy? Até errei o nome porque tive uma síncope e deixei de propósito. Não, não é bom. É péssimo que, mesmo em poucos momentos, ele lembre o pior DC de todos os tempos. JDR TEM de melhorar as chamadas. Mas essa é só a primeira coisa.

A segunda coisa? Ao contrário do que diz a primeira impressão, o problema não é só de um nome. É um grupo de jogadores que não acertam tackle. Chamam safeties – e sim, está no plural. Porque Troy Apke é tão ruim, mas TÃO ruim (é praticamente a Covid20), que está infectando Landon Collins com seu vírus de superman sem poderes quando tenta dar um tackle mas acaba apenas dando um tapinha nas nádegas do adversário falando “pode ir, meu bem”.

O diagnóstico: é grave, doutor?

A minha conclusão, assim, é uma só: a defesa, que foi o principal foco para o início da reconstrução do time no que já chamei aqui de “grande plano” para o SB 2021, está recheada de escolhas de primeiro round do draft, seja via o próprio draft, seja via contratações (Reuben Foster, Thomas Davis, Landon Collins), e está performando abaixo do esperado, sendo que a única resposta para isso é o nosso DC Jack Del Rio.

Sempre tive grandes expectativas com essa defesa e com nosso DC. Por outro lado, isso causa também a necessidade de grande cobrança. Não quero uma defesa que ceda poucas jardas, quero uma defesa que ceda poucos pontos, para dar uma chance de nosso até agora pífio ataque ganhar os jogos – o que não está acontecendo.

Tem de se ligar, Jack Del Rio. Conheço as dificuldades da falta de pré-temporada e mais treinos, mas nossa performance tem de melhorar. Sem desculpas. E sem prevent numa 3rd and 11. Este foi o “A defesa de Washington e seus problemas quase acéfalos”,  continue nos acompanhando para mais análises sobre esta franquia maravilhosa.

APORANGA!
#HTTWFT

texto por Antonio Cruz (tt: @fredericopisto1)
revisão por Diogo Araujo (tt: @diogoniiiii)


__
“..Hail victory! Braves on the warpath, fight for old D.C.!”

2 COMENTÁRIOS

  1. O problema crônico de parar os TEs adversários ainda persiste, assim como o percentual de conclusão das terceiras descidas ainda é alto. Como você, vejo mais problemas no treinamento do que nos jogadores, até porque, quem escala o Apke é o JDR.

  2. Excelente análise! Além de chegar atraso ou adiantado (como visto ontem por 2 segundos teria sido lindo). Os erros de tackles está ridículo demais. Falta de treino? Falta de preparo? O que Parece ser cultura em Washington é o: “Temos um gameplan que funciona para qualquer adversário!”. É isso não funciona. Vejo isso a muito tempo! HTTWFT Forever!!!

DEIXE UMA RESPOSTA