Parafraseando o tio Ben no filme Homem Aranha: “Com grandes poderes, vêm grandes responsabilidades”. Quando um jogador é escolhido na primeira rodada do draft, espera-se grandes coisas dele. Pois geralmente na primeira rodada são escolhidos os grandes ídolos de muitos times na NFL. No caso dos Patriots por exemplo, podemos citar rapidamente: Dont’a Hightower, Devin McCourty, Jerod Mayo, Vince Wilfork, Richard Seymour, Ty Law, Drew Bledsoe, dentre vários outros…

Dito isso, a última escolha de 1ª rodada que os Patriots tiveram foi em 2019 (nesse ano a 1rd foi trocada) e utilizaram a 32ª escolha geral para selecionar o wide receiver N’Keal Harry.

A CHEGADA

Vindo da Universidade de Arizona State, N’Keal Harry chegou em Foxbourogh com muita expectativa. O recebedor teve bons números jogando na conferência Pac-12 do college:

  • 2016: 12 jogos, 58 recepções, 659 jardas, 11.4 jardas/recepção, 5 TDs
  • 2017: 13 jogos, 82 recepções, 1142 jardas, 13.9 jardas/recepção, 8 TDs
  • 2018: 12 jogos, 73 recepções, 1088 jardas, 14.9 jardas/recepção, 9 TDs

Além dos seus números consistentes no college, Harry chamava atenção por ser um jogador alto (tem 1,93 m), ter braços longos, além de uma boa velocidade aliada a sua força física que permitiam a incrível habilidade de conseguir muitas jardas após a recepção e ainda utilizava muito bem sua força em bloqueios, nas jogadas de corrida da equipe.

https://twitter.com/thecheckdown/status/1132765742640881664

https://twitter.com/redditcfb/status/1036341842038743041

Nesse sentido, ainda sabia explorar muito bem seus pontos fortes em big plays e em jogadas na red zone pois possui muita habilidade para receber as bolas no alto, aproveitando do seu tamanho. Dessa forma, Harry era tratado como um prospecto de enorme potencial para se tornar um wr1 na NFL.

A DECEPÇÃO

Logo no início de sua temporada de calouro, Harry começou a enfrentar problemas musculares em sua coxa e uma lesão em seu tornozelo. Esses problemas jogaram um balde de água fria em toda expectativa criada ao redor do recebedor. Diante disso o jogador foi colocado na IR no dia 2 de setembro, antes do início da temporada regular. Após dois meses, Harry foi ativado no elenco e pode fazer sua estreia praticamente na metade da temporada regular.

Assim sendo, o recebedor enfrentou dificuldades para conseguir “entrar no carro já em movimento”, fato que já era esperado. Como resultado teve números bastante tímidos em seu primeiro ano em New England: 7 jogos, apenas 12 recepções em 24 targets e 2 TDs. Muito pouco para um jogador com sua capacidade.

2020 A VIRADA?

Ao analisarmos as tapes de Harry, fica fácil de encontrar um grande potencial no jogador, pois apresentou ter muitas qualidades que podem dar certo na NFL. Um jogador muito atlético, rápido e forte. Suas jogadas no college elevaram a expectativa do torcedor lá no alto.

Durante esse período de pandemia, o jogador vem postando vídeos treinando o seu “footwork” para aprimorar sua capacidade de separação dos marcadores, variável que foi apontada no college como um ponto fraco do jogador.

https://twitter.com/footwork_king1/status/1279566182689972229?s=09

Em 2020 terá uma grande chance de explodir na NFL. A princípio, Julian Edelman será o principal alvo do jogo aéreo dos Patriots, porém sabemos que Jules está mais próximo do fim, do que do início de sua carreira. Assim pode abrir espaço para que Harry tome aos poucos o posto de alvo principal da equipe.

Além disso, com as mudanças que virão na posição de QB, Harry pode ter sido um dos maiores vencedores no elenco. Desde já, seja com Stidham ou Cam Newton, o recebedor terá uma grande chance de deslanchar seu jogo na NFL.

Jogando com Stidham

No caso de Stidham vencer a batalha de QBs, Harry tem a vantagem de já ter treinado na última temporada com ele. Além disso, Stidham poderá oferecer chances de o recebedor mostrar seu jogo, ao considerarmos que quando um QB jovem chega na liga, ele sempre tende a procurar uma válvula de escape para muitas jogadas. Assim como podemos citar o exemplo em New England mesmo, com a relação de confiança que Tom Brady criou com Troy Brown, Wes Welker e Julian Edelman. Harry pode aproveitar desse fato e estabelecer essa relação de confiança com o QB novato, oferecendo jogadas de screen pass por exemplo, onde pode aproveitar de sua capacidade de quebrar tackles e conseguir muitas jardas após a recepção.

Jogando com Cam Newton

Ao considerarmos a outra opção, com Cam Newton titular, Harry se beneficia com o excelente histórico de Cam com recebedores mais explosivos. Newton tem uma bomba no braço para jogadas em profundidade. Em sua época em Carolina, Kelvin Benjamin produziu 1000 jardas em sua temporada de calouro e 941 jardas em seu terceiro ano na liga. Devin Funchess foi outro recebedor também a ter bons momentos com Cam nos Panthers.

Com Cam Newton, Harry pode ser o jogador das big plays nos Patriots, suprindo uma carência da temporada passada, quando faltou esse jogador da bola longa. Além disso, com um jogo corrido forte e consistente Harry pode ser importante nos bloqueios e ainda se aproveitar do play action, explorando os mismacthes em passes de profundidade, utilizando sua altura para ganhar bolas no alto contra os DBs adversários.

Inclusive, Cam e Harry já começaram a treinar juntos:

“BREAKOUT YEAR” OU DECEPÇÃO, QUAL A APOSTA?

N’Keal Harry terá sua grande chance em 2020. Se o recebedor conseguir manter-se saudável, acredito que conseguirá ter um grande ano, e eu aposto nisso!

Harry possui muito potencial, tem talento, é jovem, não teve muitas lesões durante sua carreira universitária, porém acabou sofrendo em seu primeiro ano como profissional. Atrapalhou demais o fato de ter perdido muitos jogos, é muito difícil um jogador calouro entrar em um time já engrenado.

Entretanto é inegável que é um cara muito atlético e que tem muito talento, sendo o mais promissor entre os recebedores dos Patriots. Portanto, jogando desde o início da temporada e com um QB novo lançando as bolas, Harry tem todas as condições para se destacar.

Se ele conseguir mostrar suas principais qualidades que já foram apresentadas no college: alta capacidade de receber bolas no alto e jardas pós recepção, será uma grande arma ofensiva para a próxima temporada. Além disso, o recebedor mostrou que está buscando melhorar seus pontos fracos nessa offseason.

Acima de tudo, estar disponível será a principal chave para um grande ano.

Uma temporada saudável pode significar a abertura de um novo caminho para o futuro do ataque do New England Patriots.

Qual é sua aposta em relação ao recebedor para o próximo ano?

 

Acompanhe tudo sobre o New England Patriots aqui no Do Your Job Podcast.

Sigam nossa página no Twitter e no Instagram

DEIXE UMA RESPOSTA