O melhor time da AFC (empatado com Chiefs e Patriots) é o glorioso Pittsburgh Steelers. Estranho estarmos aqui quando duas semanas atrás o time estava a beira de entrar em crise, mas essa é a vida na NFL em 2017. O Steelers entra na fase “chique do calendário” muito bem e vivo na briga pela #1 seed. Teremos Detroit no próximo SNF, folga, Colts de tarde, Tennessee na quinta, Green Bay sem Rodgers no SNF, em Cincinnati no MNF e Baltimore no SNF. Patriots no segundo horário da semana 15 e Texans no Natal fecham a sequência com Steelers na TV em quase todas as semanas. Agora é só o time continuar a dar motivos para assistir.

O bom

BELL BELL BELL. Adicionem mais 192 jardas em 38 toques para o melhor running back da NFL. Meu único desejo é que o time comece a abrir vantagens maiores cedo e dê mais descanso para Le’Veon. Tantos toques por jogo é uma boa forma de machucar seu RB para janeiro.

Durante todo o jogo o time cometeu apenas uma falta, perdendo míseras cinco jardas. Um time disciplinado força o adversário a suar por tudo dentro de campo, e esse foi o Steelers do domingo.

No segundo tempo a defesa fechou o portão na cara de Andy Dalton. Foram duas interceptações e quatro sacks em cima de Andy Dalton. Punt, INT, INT, Punt, Punt, Turnover on downs. Essas foram as campanhas de Cincinnati no segundo tempo da partida.

O mágico de Boz foi mais uma vez utilizado mais do que gostaríamos mas respondeu o chamado conectando em todos os field goals tentados e empatando o recorde de acertos em um único jogo no Heinz Field.

 

O mau

Quase tudo das 179 jardas dos Bengals vieram no primeiro tempo, assim como os dois touchdowns do time, ambos em campanhas mais longas. A pressão não apareceu e a marcação deixou espaços que os recebedores adversários pudessem explorar. Até o jogo terrestre deles produziu razoavelmente com boas corridas de Joe Mixon. Isso tudo foi resolvido no segundo tempo e felizmente o nosso ataque não começou cochilando também, mas contra oponentes de um nível maior isso pode dar problemas.

3ª descida. O ataque do Steelers converteu apenas 2 de 11 terceiras descidas, incluindo várias situações de terceira descida curta. Isso levou a vários field goals que impediram o time de encerrar o jogo com antecedência. Com o jogo terrestre engrenando, não tem motivo para uma taxa de conversão tão baixa. As chamadas e a execução precisam melhorar.

O próximo

O Detroit Lions recebe o Steelers após sua semana de folga. O descanso é bom para os Lions já que Matthew Stafford estava baleado. O jogo será no domingo a noite e contra um time que segue forte na briga por uma vaga nos playoffs, ainda mais com Green Bay perdendo Aaron Rodgers e Minnesota dependendo de Case Keenum por enquanto. O ataque terrestre dos Lions sofre muito e parte do motivo de Stafford ter se machucado é a deficiência da linha ofensiva. Se a pressão do Steelers vier forte durante todo o jogo o ataque de Detroit vai ser ultraconservador no jogo aéreo, fazendo com que a velocidade de nossos safeties e linebackers seja chave para evitar grandes avanços de Detroit. Do lado oposto a vantagem é toda do Steelers. A defesa de Detroit depende única e exclusivamente de turnovers para ser eficiente, se protegermos a bola, Bell e Brown tem tudo para dominarem o jogo.