Parece que o esporro durante a semana funcionou. O Steelers flertou com o perigo como é de costume mas, realisticamente, dominou a partida de cabo a rabo. O ataque produziu 5.2 jardas por jogada em média e a defesa aterrorizou o “elite” Joe Flacco, segurando Baltimore a 5 de 15 em terceiras e quartas descidas e 1 de 3 em eficiência na redzone. Com o jogo mais difícil da divisão ficando para trás, é hora de receber o Jaguars em casa e mostrar de vez que o time não vai mais dar chance a oponentes inferiores.

O bom

Le’Veon está de volta. Foram 39 toques na bola, 191 jardas e dois touchdowns para o motor do nosso ataque. Bell foi o ponto focal do ataque durante a explosão inicial e também na manutenção do jogo. Espero que não sejam necessários 39 toques toda semana por que não tem jogador que aguente isso na NFL, mas isso foi decorrente também da situação do jogo. Se o time começar a fechar a conta mais cedo Bell poderá ceder alguns toques.

Cam Heyward é um monstro, Mike Hilton (!) teve grande momentos e Ryan Shazier esteve em todas as partes do campo. A defesa forçou turnovers nos momentos mais decisivos impedindo qualquer chance de Baltimore entrar no jogo. Joe Flacco foi extremamente ineficiente graças a pressão (4 sacks no total) e o ataque de Baltimore só conseguiu pontuar após um turnover e após uma big play no jogo terrestre. Fora isso, foi uma dominação defensiva completa.

Por mais que cornetamos a derrota para Chicago, perder para um time da NFC fora de casa é o que causa menor impacto na tabela. Vencer o principal adversário dentro da divisão, por outro lado, é extremamente importante. Dos quatro jogos que restam dentro da AFC Norte, três serão no Heinz Field. Fazendo o dever de casa terminamos o ano no mínimo 5-1 dentro da divisão.

 

O mau

O time não matou o jogo. Um turnover discutível e um field goal errado mantiveram Baltimore no jogo mas não foi só isso. O ritmo do ataque como um todo foi abaixo do esperado após um segundo quarto onde marcamos 16 pontos.

Big Ben, ainda está inconsistente. Para os padrões “fora-de-casa-em-Baltimore” 18/30 para 218 jardas, um TD e uma interceptação que não foi culpa dele, Ben até foi bem. O #7 continua alternando passes perfeitos e passes ruins e fez até o Antonio Brown ficar pistola ao não ver o receiver completamente livre. Contra Jacksonville será mais um teste interessante.

A defesa não cedeu nenhuma big play no jogo aéreo mas, novamente, pecou no jogo corrido. A atuação como um todo foi muito mais sólida do que em Chicago, mas não podemos ceder corridas de 50 jardas. Nunca.

O próximo

Voltando ao Heinz Field, o Steelers enfrenta um adversário estranhamente similar ao Ravens. Com um ataque que não assusta ninguém e uma defesa forte, a maior vantagem dos Jaguars em relação ao time que eles surraram é Londres é a saúde. No entanto, a derrota para os Jets mostrou que a defesa terrestre de Jacksonville é um ponto extremamente vulnerável. Graças a isso, Todd Haley deve colocar o ataque nas costas de Bell novamente. Evitar turnovers é o ponto mais óbvio para o ataque também, os Jaguars engoliram Baltimore a partir dos erros de Flacco e só se mantiveram no jogo contra os Jets graças a isso. Para a defesa será mais um bom teste contra um jogo terrestre forte. Novamente vamos enfrentar um adversário que quer correr para impedir que seu QB estrague o jogo. Se segurarmos Fournette, com certeza Bortles vai entregar alguns presentes.